UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

13 de maio de 2011

PORQUE BURT LANCASTER NÃO QUERIA INTERPRETAR WYATT EARP


“Sem Lei e Sem Alma” (Gunfight at The OK Corral) foi um grande sucesso quando de seu lançamento. E não poderia ser de outra forma já que o elenco era encabeçado por Burt Lancaster (Wyatt Earp) e Kirk Douglas (Doc Holliday), ambos no auge de suas respectivas carreiras. Mas não foi fácil para o produtor Hall B. Wallis convencer Lancaster a fazer este filme. Como o ator de “Apache” havia a princípio se recusado a atuar nesse western, Wallis chegou a oferecer o papel de Wyatt Earp para Richard Widmark, Jack Palance e Van Heflin. Porém Hall B. Wallis sabia que a dupla Lancaster-Douglas atrairia muito mais público, o que significaria maior lucro para ele. Afinal de contas era Wallis quem estava bancando o filme que seria distribuído pela Paramount. Novas conversações foram feitas com Lancaster que por sinal sabia negociar muito bem, já que era também produtor. Conversa vai, conversa vem e houve uma contraproposta de Burt para Wallis: ele toparia fazer esse western se Hall B. Wallis se comprometesse a financiar “Lágrimas do Céu” (The Rainmaker), um filme que Lancaster queria muito fazer depois de ter visto a peça na Broadway. E ele, claro, interpretaria o fazedor de chuvas Bill Starbuck. Wallis aceitou a contraproposta e ainda contratou Katharine Hepburn para interpretar Lizzie Currie, que na Broadway fora vivida por Geraldine Page. As filmagens de “Sem Lei e Sem Alma” começaram no dia 12 de março de 1956 e terminaram em 17 de maio daquele ano. Logo em seguida Lancaster partiu para o projeto “Lágrimas do Céu”, que foi finalizado e editado rapidamente e acabou sendo lançado em dezembro de 1956, enquanto “Sem Lei e Sem Alma” só foi lançado no dia 30 de maio de 1957. “Lágrimas do Céu” foi um dos filmes de Lancaster que obteve menos sucesso junto ao público, enquanto “Sem Lei e Sem Alma”, foi visto por quase todo mundo, sendo um dos campeões de bilheteria de 1957. Em Portugal “Sem Lei e Sem Alma” recebeu o título de “Duelo de Fogo”; na Espanha chamou-se “Duelo de Titãs”; na Itália “Desafio no OK Corral”; na França “Acerto de Contas no OK Corral”; na Alemanha Ocidental “Irmãos de Sangue’; na Alemanha Oriental “Tiroteio no OK Corral”; na Suécia “O Sheriff de Dodge City”. Ah, o leitor deve estar curioso para saber porque Burt Lancaster não queria atuar em “Sem Lei e Sem Alma”, não é mesmo? Após ler o roteiro, Lancaster considerou que, para um filme com dois homens de ação, havia muitos diálogos no filme, um excesso de blá-blá-blá. Ele disse ainda que Wyatt Earp e Doc Holliday não poderiam ficar com toda aquela conversa intelectual sobre suas vidas. Burt Lancaster que era um homem de grande cultura, cinematográfica inclusive, certamente retinha na memória “Paixão dos Fortes”, a obra-prima de John Ford, em que Henry Fonda, falando o mínimo possível, criou o definitivo Wyatt Earp do cinema.

3 comentários:

  1. O Burt Lancaster era mesmo um homem inteligente
    Mas se deu mal nesta de fazer Sem Lei e Sem Alma sob condições. Realmente Lágrimas do Ceu, apesar de não ser uma filme desprezível (é até assistível com muita validade pelas presenças de Lancaster e Hepburn), mas anda muito distante de Sem Lei..., que foi e é ainda o sucesso que é.
    Se deu mal nosso Lancaster, e se dando bem ao mesmo tempo, pois atirou no que viu e matou o que não viu.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  2. Burt Lancaster não cedia ao gosto do grande publico, razão de
    sua carreira ter altos e baixos de bilheteira. Quanto a Sem lei e sem alma, é a melhor versão do tema pelo elenco e como
    espetaculo cinematografico. No elenco temos a participação da lindíssima ruiva Rhonda Fleming, uma das atrizes mais bonitas de seu tempo, que coestrelou vários westerner roubando
    cenas apenas com sua beleza encantadora. Sidnei Costarelli

    ResponderExcluir
  3. Olá, Sidney. Você tem razão. P produtor Burt Lancaster quase sempre apostou em projetos não-comerciais. Algumas vezes deu certo como em Marty, mas na maioria das vezes os filmes produzidos pela sua companhia produtora foram bem recebidos pela crítica mas o público não foi ver. Em Vera Cruz, Burt Lancaster fez sim uma concessão comercial ao contratar Gary Cooper e pagar uma fortuna a ele para atrair mais público. Na minha opinião Sem Lei e Sem Alma está muito abaixo de Paixão dos Fortes e mesmo do recente Tombstone ao tratar do tema OK Corral. O papel de Rhonda Fleming em Sem Lei e Sem Alma é muito curioso pois a personagem simplesmente desaparece... Que ela era (e ainda é, aos mais de 80 anos) muito bonita, isso é verdade. Belíssima atriz.

    ResponderExcluir