UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

8 de maio de 2011

TOP-TEN WESTERNS DE UMBERTO LOSSO




Na fase áurea da Confraria dos Amigos do Western (CAW), clube paulistano que congregava westernmaníacos, fase vivida na Rua José Getúlio, no bairro da Aclimação, reuniam-se profundos conhecedores do gênero western. Alguns deles eram tão apaixonados por faroeste que se vestiam como os mocinhos que idolatravam. Entre esses westernmaníacos estavam Dionísio Nomellini, Cláudio Caltabiano, Lázaro Narciso, Nelson Pecoraro, Sérgio Pereira, Clóvis Ribeiro, Umberto Losso, Jorge Cavalcanti e o fundador da confraria, o Dr. Aulo Barretti. Desse excêntrico grupo de sócios destacava-se sobremaneira o santista Umberto Losso, por todos chamado de ‘Hoppy’ devido a ele se trajar como Hopalong Cassidy. Losso fez parte do grupo dos seis pioneiros que iniciaram as reuniões da confraria na casa do Doutor Aulo ‘Doc’ Barretti, no bairro da Lapa. Todos os sábados Hoppy Losso subia a Serra do Mar em direção à casa de Doc Barretti pois Losso sempre residiu em Santos. Após algum tempo a ainda pequena confraria se mudou para a sede do Fotocineclube Bandeirantes, onde houve a possibilidade de novos sócios se juntarem aos pioneiros para, todos os sábados, assistir faroestes.

Certo sábado Umberto Losso surpreendeu a todos pois surgiu para a sessão vestido como Ken Maynard. A atitude de Hoppy despertou o ‘menino’ que havia em cada um dos sócios e praticamente todos passaram a se trajar como seus heróis preferidos, especialmente nas confraternizações. Mas jamais qualquer sócio se equiparou a Hoppy Losso quanto á variedade de vestimentas que ele usava. Ora era Ken Maynard, ora Buck Jones, ora Tom Mix, até que um dia Losso confeccionou a roupa de seu mocinho preferido, Hopalong Cassidy. E que perfeição ficou o traje! Idêntico nos mínimos detalhes. As fotos de Hoppy Losso vestido como Hopalong Cassidy chegaram aos Estados Unidos, Canadá, Austrália, surpreendendo os admirados westernmaníacos desses países que jamais poderiam pensar que no Brasil houvesse alguém assim tão apaixonado por faroestes.

Além desse amor pelas coisas do western, Losso era também um fantástico desenhista e ilustrador, tendo colaborado com inúmeras publicações e feito centenas e centenas de desenhos de mocinhos, bandidos e astros e estrelas do cinema de modo geral. Hoppy tinha ainda outra qualidade, talvez a mais importante de todas, que era seu temperamento alegre, extrovertido, sempre com uma piada pronta e fazendo rir a todos que o cercavam. Losso era mocinho e para ele não havia inimigos, só amigos que se regozijavam a cada vez que Losso vinha à confraria, o que foi se tornando cada vez mais raro. Devido a problemas de saúde Losso deixou de dirigir e limitava suas visitas à confraria às confraternizações nas quais era o centro das conversas com seu extraordinário conhecimento. Por décadas Losso frequentou os cinemas de Santos e assistiu a milhares de filmes e seriados. Em sua coleção particular havia nada menos que 120 seriados da Republic Pictures e, como não poderia deixar de ser, todos os filmes de Hopalong Cassidy em VHSs importados.

Grande conhecedor do gênero western, Losso fez uma lista de seus dez faroestes preferidos para a revista “PARDNER”, lista essa que é o top-ten que ilustra esta postagem, uma vez que o querido Umberto ‘Hoppy’ Losso faleceu em 2007. Além de seus faroestes favoritos, Losso deixou para seus amigos lições sobre o gênero, desenhos e ilustrações espetaculares e, acima de tudo, a verdadeira amizade. Abaixo o Top-Ten Westerns de Umberto 'Hoppy' Losso:

1.º) No Tempo das Diligências (Stagecoach), 1939 – John Ford

2.º) Os Brutos Também Amam (Shane), 1953 – George Stevens

3.º) Jornadas Heróicas (The Plainsman), 1936 – Cecil B. DeMille

4.º) O Intrépido General Custer (They Died With Their Boots On), 1941 – Raoul Walsh

5.º) Atire a Primeira Pedra (Destry), 1939 – George Marshall

6.º) Duelo ao Sol (Duel in the Sun), 1946 – King Vidor

7.º) Paixão dos Fortes (My Darling Clementine), 1946 – John Ford

8.º) Vera Cruz, 1954 – Robert Aldrich

9.º) Matar ou Morrer (High Noon), 1952 – Fred Zinnemann

10.º) Sem Lei e Sem Alma (Gunfight at the OK Corral), 1957 – John Sturges



3 comentários:

  1. oswaldo lemos bechara9 de maio de 2014 19:33

    Como não tem nenhum comentario. Só o fato de colocar TOMBSTONE já destaca que o sr. aprecia os western modernos. Assista BRAVOS GUERREIROS que tenho certeza de que irá gostar. PAIXÃO dos FORTES foi colocado em destaque e é um faroeste para quem tem Sensibilidade. Já li outro TOP TEN e malharam este filme. GRATO

    ResponderExcluir
  2. Olah, Darci!

    Puxa vida, eh uma pena que figuras ilustres e verdadeiros fas de western como este nao estejam mais entre nos. E parece que o Oswaldo, que fez o comentario acima, nao leu o seu texto. Voce tambem fez parte do C A W, Darci?

    E ha pouco li tambem o Top-Ten do Dr. Aulo e me chamou a atencao o decimo filme da lista dele. "O Cavaleiro Solitario" (1930), de Louis king, com Buck Jones. Me parece ser um filme rarissimo. Ja assistiu este, Darci?

    Um abraco!

    ResponderExcluir