UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

29 de dezembro de 2015

SÉRIES WESTERNS DE TV – “CISCO KID” – UMA DAS SÉRIES PIONEIRAS DA TELEVISÃO


Frederick W. Ziv
Em 1948 havia 44 mil televisores espalhados pelos lares norte-americanos, 30 mil deles em Nova York. Dois anos depois, em 1950, era de seis milhões o número de aparelhos de televisão existentes em o todo país, começando a ameaçar a indústria cinematográfica. A TV norte-americana começou, em 1949, a exibir com boa audiência os filmes de Hopalong Cassidy feitos para o cinema, tanto que o mocinho grisalho reconquistou a fama que tinha nos anos 30 e início dos anos 40. Espertamente William Boyd (o Hopalong Cassidy), de forma pioneira, produziu uma nova série de westerns com meia hora de duração especialmente para exibição na televisão. Em seguida, também em 1949, foi a vez do The Lone Ranger, depois de filmes e seriados no cinema, ter aventuras, também de 25 minutos, produzidas para a nova mídia que se tornava o objeto do desejo de todas as famílias dos Estados Unidos. O produtor Frederick W. Ziv, através da sua ZIV Television Production, sem perda de tempo criou uma série com um herói tão conhecido e carismático quanto Hoppy Cassidy e o Cavaleiro Solitário (e seu amigo Tonto): “The Cisco Kid”.

Duncan Renaldo e Edwina Booth em "Mercador
das Selvas" (Trader Horn), filme de 1931.
A escolha do Cisco Kid da TV - Duncan Renaldo mal havia se despido de sua indumentária de Cisco Kid que havia interpretado em três filmes produzidos pela Monogram em 1945 e depois em cinco outros filmes da United Artists, em 1949, quando foi procurado por Frederick Ziv. Duncan Renaldo era romeno de nascimento, mas quase tudo em sua biografia gera controvérsias. Por vezes Renaldo dizia ter nascido na Espanha e quanto à data de nascimento é aceito o ano de 1904. Renaldo contava que rodou boa parte do mundo em atividades as mais diversas, uma delas como membro da tripulação de um navio cargueiro brasileiro que transportava minério. Ao chegar nos Estados Unidos, em 1927, esse cargueiro afundou e Renaldo ficou por lá mesmo, trocando a profissão de carregador pela de ator. Renaldo, cujo nome verdadeiro (será?) é Renault Renaldo Duncan, já havia feito uma dúzia de filmes e era namorado da atriz Edwina Booth quando o Serviço de Imigração lhe deu voz de prisão, em 1934, por estar irregularmente no país. Quem o tirou da cadeia através dos advogados da Republic Pictures foi Herbert J. Yates.

Cisco Kid produzido em cores e
assistido em preto e branco.
Um produtor visionário - Praticamente todos os mocinhos do cinema tinham seus sidekicks e o companheiro do Cisco Kid de Duncan Renaldo nos filmes feitos em 1949 para o cinema era Leo Carrillo. Esse ator gorducho nascido em Los Angeles já fazia planos para se aposentar pois estava com 69 anos em 1950, quando foi chamado para continuar a parceria com Duncan Renaldo na nova série. Pode se dizer que o produtor Frederick Ziv era um visionário pois num tempo em que a totalidade dos televisores era em preto e branco, ele decidiu produzir a série em cores. Filmou a primeira temporada em Kodachrome 16 mm pois as telas dos aparelhos retransmissores eram tão pequenas e a sintonia tão sofrível que aquele tipo de imagem estava pra lá de bom. Posteriormente a série passou a ser filmada em 35 mm com impecável qualidade, ainda que chegando aos lares em preto e branco. Quando a série foi encerrada, em 1956, não chegava a mil o número de televisores que captavam imagens em cores nos Estados Unidos. Porém nos anos seguintes esse número cresceu expressivamente e os episódios em cores de “The Cisco Kid” nunca deixaram de ser exibidos em reprises nos 15 anos subsequentes, rendendo bom dinheiro para o produtor. Quando “Bonanza” foi produzido e exibido em cores desde seu primeiro episódio (11/9/1959), os possuidores de TVs em cores já assistiam “The Cisco Kid” também em cores. A diferença é que Frederick Ziv se antecipou a David Dortort, produtor de “Bonanza” em dez anos.

Leo Carrillo
Pancho sentindo o peso dos anos - O escritor de pequenas histórias O’Henry (William Sidney Porter) não podia imaginar o número de aventuras em que se envolveria o herói que criara em 1907. Primeiro no cinema, depois no rádio, mais tarde nas histórias em quadrinhos e finalmente na televisão, Cisco Kid e seu companheiro (na maioria das vezes chamado de Pancho) não deixavam de ser escritas por autores os mais diversos. De 1939, com Cesar Romero e Warner Baxter até 1956, com a série de TV e a de rádio, igualmente encerrada em 1956, foram quase mil histórias ‘diferentes’. Só a série de TV “The Cisco Kid” teve 156 episódios, todos estrelados por Renaldo e Carrillo. Este último estava com 75 anos de idade quando foi rodado o último episódio, em 1956, demonstrando visível dificuldade para cavalgar ‘Loco’, o cavalo de Pancho. ‘Diablo’ era o nome do cavalo malhado de Cisco Kid. Loco e Diablo conheciam cada pedra de Corriganville e do Iverson Ranch, cenários constantes dos episódios da série.

Duncan Renaldo
A máscara de Cisco Kid - “The Cisco Kid” não se tornou uma série clássica e a explicação para isso é que os roteiros dos episódios em nada diferiam de tantos e tantos westerns B filmados em Hollywood nos anos 30 e 40. E ao contrário do que acontecia com o mesmo herói nos gibis desenhados por José Luís Salinas, a empatia com o público deixava a desejar. Nas seis temporadas em que foi produzida, a série nunca conseguiu se colocar entre os 20 programas mais assistidos na medição feita pelo Nielsen Ratings. Com seus trajes que mais lembravam um mariacchi, o Cisco Kid de Duncan Renaldo deixava saudade dos mocinhos mais ‘autênticos’ que começavam a proliferar em séries feitas para a televisão, entre eles Gene Autry e Roy Rogers. A falta de identificação com o público, porém, não impediu que Cisco Kid fosse produzida por número quase igual de temporadas que as séries de Autry, Rogers e The Lone Ranger. Por falar no Justiceiro Mascarado, o desajeitado e pouco ágil Duncan Renaldo, durante um episódio da 3.ª temporada da série caiu de uma rocha e ficou afastado das filmagens por alguns meses. Foi quando Cisco Kid surgiu mascarado como o Lone Ranger, solução encontrada para que o substituto de Duncan Renaldo passasse por ele sem ser descoberto pelos telespectadores. A voz gravada em estúdio era do próprio Renaldo que, recuperado, retornou sem máscara às aventuras do ‘Robin Hood do Oeste’.

Renaldo e Carrillo
Heróis cansados - Em 1956 as três grandes redes – NBC, CBS e NBC – produziam séries como “Gunsmoke”, “Cheyenne”, e “Wyatt Earp”, entre outros programas com roteiros mais criativos e que faziam com que as histórias vividas por Cisco Kid parecessem totalmente sem imaginação e repetitivas. Foi então que por falta de audiência e porque os dois atores se mostravam a cada episódio mais cansados, especialmente Leo Carrillo, que a ZIV Television Production decidiu cancelar a série após seis temporadas e 156 episódios. Foi lançada toda a série em DVD, em quatro caixas e também em coleções com o ‘The Best of Cisco Kid’ e o herói da televisão volta hoje a ser apreciado pelos antigos fãs e por aqueles que gostam de colecionar séries antigas, no caso, uma das pioneiras do gênero western na TV norte-americana. Pode-se então ouvir a cada abertura de episódio o exageradamente empolgado locutor exclamar: “Agora teremos aventura! Agora teremos romance! – The Cisco Kid”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário