UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

14 de fevereiro de 2013

TOP-TEN WESTERNS DO ‘AMERICANO’ WILTON M. CHRISTIANO


Nascido na cidade de Americana, interior de São Paulo, Wilton M. Christiano não poderia deixar de ser fã de faroestes. Americana, com seus 212 mil habitantes está localizada a 126 quilômetros de distância ao noroeste da capital paulista e é uma cidade com uma história muito especial. Em 1866 as terras daquela região começaram a ser ocupadas por imigrantes norte-americanos vindos dos estados do Sul, que derrotados na Guerra Civil preferiram se estabelecer em outro país. O Brasil foi o escolhido e Americana passou a receber os imigrantes sendo o Coronel William Hutchinson Norris, ex-senador pelo Estado do Alabama, o primeiro a chegar a Americana. A seguir a cidade recebeu centenas de ex-confederados. Conhecida como Vila Americana, somente em 1924 foi criado o município de Americana. Nessa cidade, desde menino, Wilton M. Christiano assistia a todas as séries de TV que podia e as preferidas eram “Laredo”, “Chaparral” e “Big Valley”. Wilton fazia uma pausa nas séries para assistir todas as tardes, na TV Record, a Sessão Bang-Bang. O menino Wilton vibrou com centenas de faroestes e se tornou para sempre fã do gênero que imortalizou John Wayne.

"Chaparral", uma das séries westerns
preferidas de Wilton M. Christiano.
Coleção de soldadinhos de chumbo - Um fato curioso que merece ser contado a respeito de Wilton é que após assistir ao western “O Intrépido General Custer”, ele começou a colecionar soldadinhos com os quais brincava de guerra. Como gostava também da série “Combate”, juntaram-se aos soldados da Cavalaria e aos índios também soldados de chumbo ou de plástico da 2.ª Guerra Mundial. Vieram a seguir miniaturas de soldados de guerras de épocas diversas e hoje Wilton nem sabe mais quantos soldadinhos possui. A mania de colecionar de Wilton se estendeu para livros, revistas, fotos e tudo que se relacionasse àquilo que gostasse. E havia ainda a coleção de LPs, uma das maiores da cidade de Americana. Com o advento do VHS, Wilton, como não poderia deixar de ser, passou a colecionar filmes e séries de TV. O gosto pelas séries de TV Wilton cultiva até hoje e ele possui completas séries como “Seinfeld”, “Desperate Housewives”, “Friends” e outras, que dividem suas prateleiras com “Daniel Boone”, “Chaparral”, “Agente 86”, “Combate” e mais dezenas de séries.


Quem disse que gente grande não brinca de mocinho? Wilton coleciona miniaturas
de índios, soldados, cowboys do Velho Oeste, além dos soldadinhos de outras
guerras. E não faltam os tanques de guerra, inclusive os Africa Corps.

O logotipo da Heavy Metal Rock e a capa do LP
"Welcome to Ponderosa", com o sucesso "Ringo".
Produtor musical - Além de colecionador, Wilton é profundo conhecedor de Rock, especialmente das bandas dos anos 70 como Deep Purple, Mott the Hoople, Black Oak Arkansas e outras. Wilton é o proprietário da mais conhecida loja musical de Americana, a Heavy Metal Rock, prestes a completar 30 anos de existência. A Heavy Metal Rock comercializa discos, CDs, camisetas e outros itens voltados para a música. A loja de Wilton mantém um dos maiores acervos de LPs, as chamadas raridades muito procuradas por colecionadores. Certo dia Wilton me mandou um e-mail perguntando se eu possuía toca-discos. Achei estranha a pergunta e respondi afirmativamente. Para minha surpresa, após alguns dias recebi um Sedex 30x30. Dentro dele, muito bem protegido estava o LP importado “Welcome to Ponderosa” de Lorne Greene. Esse presente recebido do amigo leitor de Americana é guardado com enorme carinho não apenas pela qualidade artística mas pelo significado. Wilton disse que o presente era em agradecimento pelo blog que ele gosta muito de seguir. Além de comercializar itens musicais Wilton criou o selo ‘Heavy Metal Rock Records’, fazendo a produção musical de novas bandas. Wilton já lançou dezenas de bandas de jovens músicos, algumas delas chegando a ter seus CDs lançados também no Exterior.

Pequena amostra do acervo de Wilton , com predominância para as
séries de TV e destaque para John Wayne, o maior ídolo.

Victor Mature
Artistas preferidos - Entre os atores preferidos de Wilton estão John Wayne, Tyrone Power, Victor Mature, Randolph Scott, Fess Parker e Errol Flynn; entre as atrizes Wilton cita Maureen O’Hara, Lana Turner, Barbara Stanwyck, Ava Gardner, Claire Trevor e Rhonda Fleming. Com rapidez e simpatia Wilton atendeu à solicitação de WESTERNCINEMANIA e elaborou sua lista de dez faroestes, preferindo lembrar filmes pouco mencionados nas listas já publicadas, mas que ele gosta bastante de ver e rever. Cada western é seguido de um pequeno comentário de autoria do próprio Wilton. Vamos então conhecer a lista do nosso leitor e amigo da mais norte-americana cidade brasileira.



WESTERNS PREFERIDOS

O Intrépido General Custer
(They Died With Their Boots On),
1941
Raoul Walsh
Eu sou fã de Errol Flynn e esse filme tem cenas de batalhas que eu gosto muito. Tema histórico que marcou os Estados Unidos, em preto e branco. Eu gosto muito de filmes em preto e branco, acho mais autênticos.

Shenandoah, 1966 – Andrew V. MacLaglen 
Outro filme da história Americana. James Stewart  como o patriarca que por pouco não consegue manter sua família inteira fora desse conflito que mudou o estilo de vida norte-americano e que inclusive contribuiu para minha região já que Americana e Sta Barbara do oeste surgiram com a colonização  dos sulistas que fugiram nessa época da guerra.

Seminole, 1953
Budd Boetticher
Filme  que mostra uma região pouco explorada no cinema já que se passa  nos pântanos da Flórida e todos sabemos que a grande maioria dos westerns se passam no Oeste norte-americano. Mostra uma raça indígena diferente que são os  Seminoles  com suas roupas  coloridas e cultura de vida nos pântanos.

Três Homens em Conflito
(Il Buono, Il Brutto, Il cattivo), 1966
– Sergio Leone
Apesar de ser um bang bang à italiana eu considero um clássico. Motivos: tem três atores  que são ótimos para o estilo (malvadão, fala pouco etc...).  Clint Eastwood ótimo, Eli Wallach é um dos melhores bandido mexicanos que já existiu (sarcástico, malandro, traíra, ganancioso....).  Lee Van Cleef (fala pouco, olha feio e atira bem). A trilogia é ótima e eu escolhi este filme por mais um motivo: a banda Metallica  usa a cena em que Eli Wallach corre no cemitério, na parte final, com aquela musica sensacional de fundo  na abertura de seus shows. Eu já tive o prazer de ver essa cena em um telão em pleno Morumbi. Sensacional!

No Tempo das Diligências
(Stagecoach),  1939
John Ford
Eu poderia colocar 10 filmes do John Wayne  neste Top-Ten. Com certeza, este western tem que estar porque foi o primeiro filme dele com o mestre John Ford e o filme que o lançou ao estrelato. O que seria de Hollywood  sem John Wayne? Ele é bom em qualquer filme mas nos  westerns  ele é sensacional. Esse filme tem de tudo, drama, aventura, índios, mocinho, bandido, garota de saloon, médico bêbado, etc...

Bandeirantes do Norte
(Northwest  Passage, 1940 - King Vidor
Eu gosto muito de filmes da colonização americana. Este tem uma fotografia ótima e cenas de batalhas super legais. A história me agradou muito e acho que é um dos poucos filmes que Spencer Tracy  fez nesse estilo de aventura. Tem também o eterno ‘Papai Sabe Tudo’ Robert Young, novo com trinta e poucos anos. Filme pra assistir comendo pipoca.

Cavalgada Trágica (Comanche Station),
1960 – Budd Boetticher
Randolph Scott  é outro ator  que merece ser mencionado pela sua contribuição com o gênero  western. Esse filme tem uma história interessante e não é tão original: mulher raptada por índios, traumas  etc... Mas os atores fizeram bonito. Claude Akins (Xerife Lobo e tantos personagens em séries de TV) e Skip Homeier  malvadão de plantão  seguram a bronca. Vale à pena assistir muitas e muitas vezes.

Galante Aventureiro (The Westerner),
1940 – William Wyler
Um filme que envolve história e ficção,  tem o forasteiro (Gary Cooper) que é acusado de roubo e vai parar na corte (bar) do lendário Juiz Roy Bean. Tem tudo para  quem gosta de faroeste ver: criadores de gados, vaqueiros encrenqueiros, disputa por terras, mocinha filha de agricultor prestes a perder as terras, o Juiz Roy Bean sempre do lado dos mais fortes. É só diversão.

Legião Invencível
(She Wore A Yellow Ribbon),
1949 – John Ford
Só tem fera nesse filme. Não podia deixar de falar da Trilogia da Cavalaria de John Ford e John Wayne. Os três filmes entrariam fácil fácil no Top-Ten, mas escolhi este por ser o segundo e ver o John Wayne se aposentando da Cavalaria é uma coisa rara. Como  já disse, os atores, cenário, batalhas, índios é tudo de melhor no gênero.

A Um Passo da Morte (The Indian Fighter), 1955 – André De Toth
Kirk Douglas é mais conhecido pelo papel de Spartacus, mas eles fez muitos faroestes que valem à pena assistir. Este é um deles. Caravanas , índios, Elsa Martineli  novinha, Walter Matthau (‘Senhor Wilson’ de “Pimentinhas” e tantas outras comédias) como um bandido interessado no ouro nas terras indígenas. A locação é muita bonita, o cerco ao forte no final do filme. Top-Ten com certeza!


36 comentários:

  1. Parabéns Wilton, por sair das listas rotineiras de muitos tops, mostrando que há também muita vida além de Rastros de Ódio e cia.
    As vezes penso que estas listas se enquadram no famoso "efeito manada", ou seja, se alguém disse que era o melhor eu também acho. Pareciam muito unânimes...
    Valeu muito e espero que encoraje outros no futuro a saírem da rotina.

    ResponderExcluir
  2. OLá Wilton ! Parabéns pela lista. É sempre bom ver algo diferente nestas relações de preferidos.
    Aproveito e convido-o para assistir neste sábado,aqui em
    Indaiatuba,que não é tão longe,um clássico de Sérgio Corbucci.
    Será exibido o DJANGO de 1966 , o primeiro com este personagem,
    na telona do Cine Topázio do Shopping Jaraguá. Sábado de manhã,a partir das 9,30h . Será um prazer recebê-lo. Abraços!
    Laudney

    ResponderExcluir
  3. Olá, Wilton!

    Que Top-Ten maravilhoso! Adorei.
    Há filmes que eu ainda não assisti. Entrou para minha lista.
    Gostei das fotos das tuas coleções. Embora sendo uma menina, no meu tempo de criança, brinquei com miniaturas de índios e mocinhos que pertenciam a um amigo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Wilton Cristiano você mostrou que conhece muito faroeste com lista para contentar todo mundo menos a turma radical dos varelas mais aquela turma que gosta de um bom espagetinho com bastante molho vermelho. gosto muito do faroeste Shenandoha e parabens do anisiofagundes@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Wilton !!! Só prá esquentar um pouco !! E o SHANE ,vc certamente já assistiu !! O que acha do filme de George Stevens?
    Abraços !!

    ResponderExcluir
  6. Obrigado Joailton, Janete, Lau Shane e Anisio
    Lau Shane, assisti "Shane" duas vezes e me lembro bem da cena do Jack Palance todo de preto duelando com Alan Ladd, da tensão romântica entre Alan Ladd e a atriz Jean Arthur que sinceramente eu acho meio feia (o cabelo dela é bem estranho). Lembro bem do molequinho Brandon De Wilde que gosta do Shane e do marido Van Heflin com cara de poucos amigos.
    E por falar em Jack Palance esse é outro malvadão do cinema. Gosto muito do filme "Átila Rei dos Hunos", com ele fazendo o papel do Átila.
    Mas voltando ao "Shane", eu respeito o Alan Ladd mas não é um ator que me agrada muito. Eu até me recordo de um filme dele que eu assisti molequinho (uns 6 anos), era sobre três irmãos, acho que romanos e dois deles morrem em uma luta e o Alan Ladd é o único que sobrevive e vinga a morte dos irmãos. Isso marcou muito para mim e só fui conseguir o filme há uns 5 anos. É "Duelos de Campeões", um filme italiano dos anos 60 daqueles que chamavam de sandálias e espadas .... Épico macarrônico hahaha. Alan Ladd já estava em fim de carreira.
    Mas respeito muito "Os Brutos Também Amam" pois é um cult e se o povo gosta tem que ser respeitado. – Abraços,Wilton.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Wilton,

    O grande problema é que tem western bom sobrando, não é? Tenho certeza que vc. teve uma dificuldade muito grande prá fazer essa bela lista, com vários de meus preferidos (Cavalgada Trágica; Shenandoah, que vi duas vezes há dias, uma com legenda horrível e outra bem legendada, um filme triste e que mostra que numa guerra ninguém fica imune; No Tempo das Diligências; O Galante Aventureiro, onde Copper mostra que é bom de comédia também; e Legião Invencível, com Wayne grisalho, rá-rá, ficou engraçado).

    Gosto de tudo que vc. listou, exceto A Um Passo da Morte, que me decepcionou porque é levado num tom meio cômico, que me pareceu impróprio. Mas isso é minha opinião, apenas.

    Parabéns e viva: The Who, Led Zeppelin, Jefferson Airplane e Black Sabbath (nesta ordem. Ou não). Você é o primeiro brasileiro que eu encontro que diz gostar do Black Oak Arkansas, com aquele Jim Dandy de voz esquisita. COMO VOCÊ CONSEGUE???

    Abraços

    José Tadeu
    Poços de Caldas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jos[e Fernandes de Cam[pos16 de fevereiro de 2013 17:22

      Vamos criar uma parte do site que diga sobre rock and roll. Fala serio. Tem filmes que não passaram no Rio de Janeiro nem em cinema poeira. SEMINOLE A UM PASSO DA MORTE . E demais colocar entre os melhores de todos os tempos. Mas como gosto e gosto[ Devemos respeitar.

      Excluir
    2. olá José Fernandes, quando eu fiz a lista não foi pensando em os melhores de todos os tempos e sim em 10 filmes que eu gosto muito e também quis fugir dos clássicos que estão em quase todas as listas até de livros e revista e como voce disse gosto é gosto.

      Excluir
    3. OLá José Tadeu,voce tem razão tem western para dezenas de top ten, sobre o Black Oak Arkansas realmente o vocal do Jim Dandy é diferente, tem hora que parece um porco cantando, mas ele é muito bom eu inclusive tive o prazer de assistir ao show deles em S.Paulo em maio do ano passado em S,Paulo na virada Cultural, foi marcante e vale lembrar que em uma entrevista o David Lee Roth(Van Halen) disse que ia ao show do Black Oak Arkansas só para ver a performace do Jim Dady ele usou muito em sua presença de palco nos shows do Van Halen, outro fã do Jim Dandy é o Axel Rose do Guns N Rose, mas gosto é gosto hahahah

      Excluir
  8. Da lista do Wilton o único que não vi é Bandeirantes do Norte, inclusive não sei até que ponto podemos enquadrá-lo, por assim dizer, como western. De qualquer forma, deve ser um filme bom, afinal, além do elenco, está na lista. Vi uma só vez, mas não tardo a rever Galante Aventureiro, para conferir, pois gostei muito, especialmente do duelo final. Também achei muito bacana a coleção do Wilton, realmente adorável! Só gostaria, Darci, que as fotos dos bonequinhos estivessem um pouco maiores, para facilitar a visualização. Mas valeu! Isso é algo de grande valor sentimental, algo significativo e que conta um pouco (ou muito) de cada colecionador. Pena que muitos hábitos bacanas assim têm sido trocados por outros, várias vezes bobagens quase sem valor. Gostei do Top diferente.
    Abraço a todos!

    Vinícius Lemarc

    ResponderExcluir
  9. Olá, Vinicius - A questão da conceituação do que pode ou não ser classificado como western é das mais discutíveis. Autores respeitáveis consideram como sendo westerns "E o Vento Levou", "O Tesouro de Sierra Madre", "Assim Caminha a Humanidade" e "Conspiração do Silêncio". Um amigo meu não aceita que "Ao Rufar dos Tambores", filme da época da guerra da independência, seja um western, mas o autor J.A. Place, em seu livro "The Western Films of John Ford", depois de algumas observações, é taxativo ao afirmar: "Em alguns aspectos básicos, "Ao Rufar dos Tambores" é definitivamente um western e mais definitivamente, um western de John Ford". Claro que mesmo a opinião desse autor pode ser contraditada, mas a corrente que considera como faroestes alguns filmes fora do período e fora do espaço natural dos westerns é muito grande e formada por nomes de autores, como eu disse, respeitáveis. Vale lembrar que "Seminole" se passa nos pântanos da Flórida. Aquele amigo meu costuma dizer que daqui a pouco até Ben-Hur será considerado um faroeste...
    Essa idéia dos bonequinhos precisa ser desenvolvida e será alvo de uma postagem futuramente. Você notou que o Wilton possui uma estatueta do John Wayne. Aqui no Brasil abundam as estatuetas de qualquer super-herói passageiro e não se encontra uma de John Wayne. Quem quiser tem que ir aos Estados Unidos. Lá se encontra mais dúzias de diferentes estatuetas de John Wayne, Clint Eastwood e mais alguns cowboys. - Grande abraço do Darci.

    ResponderExcluir
  10. Todas as listas tem de ser submetidas primeiro ao campos para ele com seu gosto que e´o melhor de todos autorizar meste blogue. engraçado que ele mesmo fala que devemos respeitar e critica as listas. anisio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Fernandes de Campos23 de fevereiro de 2013 00:51

      Boa noite ou Bom dia. Estava dormindo e o telefone tocou para me avisarem que o sr precisava da minha aprovação para este Top Ten. Porque tanta atenção para comigo. Respeito os top ten mas tenho que falar do que não gosto, caramba. Se acharmos que todos são maravilhosos nunca teremos polemicas. Quando o filme O ESTRANHO QUE NOS AMAMOS estreou no RJ em 1970, toda a critica malhou be o filme ficou uma semana em cartaz. Quando Clint Eastwood se tornou um astro de primeira grandeza,os criticos de O GLOBO. ULTIMA HORA. A NOTICIA, fizeram uma retrospectiva e resolveram colocar este filme nas alturas. Somente o JB que na epoca fopi o Avelar que fez a critica e deu 4 estrelas não se manifestou. Sou um critico desta linha. Nunca voltio atraz da minha opiniao. Já vi muito critico malhar na epoca do lan çamento e ano9s depois colocar o filme com GREAT. Muito obrigado por você achar que eu sou o Sr. das galaxias. Estou doido para conhecer o seu Top Ten para cair no meu crivo. Se eu gostar pode ter certeza de que vou elogiar. Que bom que você se preocupa comigo pois está sempre me mencionando em tudo que você comenta. Fico contente que encontrei um FÃ neste magnifico BLOG. SAUDAÇÕES ALVI NEGRAS> Até derepente. Quem sabe um dia você descubra que eu sou um cara legal. Com o que você está fazendo, cada dia que passa mais pessoas descobrem este blog e escrevem no meu top ten. UM ABRAÇÃO do tamanho do Cristo Redentor e do Pao de Açucar.

      Excluir
    2. "Nunca voltio atraz da minha opiniao."
      Respeito demais às opiniões dos outros e como já disse, as vezes quando há uma réplica contrária aos meus comentários, opto por não fazer uma tréplica para não "cansar" os objetivos dos post em questão e não descambar para o confronto pessoal, que foge completamente dos objetivos desde abalizado BLOG, que é informar, discutir, ouvir e dá opiniões, bem como aglutinar de uma maneira amigável os apreciadores e maníacos pelo WESTERN.
      Mas voltando atrás, para a frase inicial("Nunca voltio atraz da minha opiniao".), ficamos nós seguidores deste BLOG, completamente impossibilitados de discutirmos com o Sr. Campos. Qualquer pensamento, opinião ou ponto de vista, ou qualquer debate em relação às opiniões deste SENHOR, já estariam mortas no nascedouro. Se já sei que meu interlocutor usa a máxima "Nunca voltio atraz da minha opiniao.", por que eu ou alguém em sã consciência gastaria o seu verbo, o seu tempo , o seu fosfato e os seus neurônios em algo completamente inútil?
      Por favor, Sr. Campos volte atrás e deixe pelo menos uma fresta da cabana aberta, se não os índios do lado de fora irão embora ao saber que aí dentro está o senhor. Você sabe, que índio só vai se tiver chance e que não seja à noite. Saia desta “escuridão”.
      Longe de mim vir aqui dá lição a alguém com este ar PAPAL. Se não volta atrás, não erra.
      Eu erro e muito, talvez escrever isto tenha sido mais um erro, mas esta afirmação foi demais para um espaço democrático, de opiniões e debates.
      Quando criamos qualquer regra dura demais, somos o primeiro a quebrá-la, sr. Campos.
      "Até derepente"
      Joailton-Caruaru-Pe

      Excluir
  11. Lucia Helena de Souza Cordeiro23 de fevereiro de 2013 00:26

    Apesar de não ter assistido a LGUNS FILMES DA SUA LISTA, GOSTEI DOS QUE CONHEÇO. Achei estranho falarem tanto de rock and roll neste espaço. Sr. Wilton sua lista é bem boa, especialmente colocando Galante aventureiro. Good Lucky

    ResponderExcluir
  12. José Fernandes de Campos23 de fevereiro de 2013 01:02

    A proposito, sr. Wilson. Em nenhum momento dissde que a lista era ruim, é diferente pois o seu gosto é muito diferente de todos os outros que escreveram no blog. Particularmente gosto muito de Shenandoah - Legião Invencivel e de Bandeirantes do Norte que demorei muito para consegfuir o filme original. Reafirmo, Seminole com Rock Hudson e A UM PASSO DA MORTE são fracos, mas gosto e gosto. Abraços imensos. A sua coleção é simplesmente demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLá SR José Fernandes , eu entendi a sua opinião e não levei para nenhum lado negativo , eu quis fugir mesmo dos grandes clássicos, eu sou fanático por filmes e tem centenas e centenas de filmes que eu gosto, a lista seria top cem hahaha, mas esta valendo ,obrigado por ter gostado de minha coleção fico feliz com isso

      Excluir
  13. Olá Joailton - Obrigado pelo elogio ao blog e concordo inteiramente com você quanto aos objetivos do Westerncinemania. Como editor, acabam sendo minhas a maior parte das opiniões, sempre passíveis de discordâncias. Quando os assuntos tornam-se polêmicos surgem opiniões diversas, opiniões que devem sempre ser observadas e respeitadas, especialmente quando feitas de forma respeitosa, o que nem sempre acontece. Ninguém é dono da verdade, nem mesmo os mais afamados críticos. Quantas vezes discordamos das opiniões de André Bazin, Bosley Crowther, Judith Crist, Pauline Kael, Andrew Sarris, Moniz Viana e Paulo perdigão, para lembrar alguns dos críticos de cinema mais conhecidos. Quanto à questão de jamais nos permitirmos rever nossos pontos de vista, eu diria que é muito bom quando descobrimos aspectos novos, antes não percebidos, em filmes que não tínhamos em tão alta conta. Não é necessário ser nenhuma metamorfose ambulante, mas fechar questão definitivamente quanto a filmes ou quaisquer outras formas de arte é uma posição que beira o obscurantismo, já que você falou em escuridão. - Abraços do Darci.

    ResponderExcluir
  14. O grande roqueiro Raul Seixas-para muitos genial- no grande sucesso "metamorfose ambulante" admitia voltar sempre atrás e desdizer o que já havia dito antes, e em outros tantos rock's afirmava não existir verdade absoluta e também que cada cabeça era um mundo.

    Paulo

    ResponderExcluir
  15. Raulzito quando falou de mocinhos em Cowboy Fora da Lei preferiu lembrar de Durango Kid. E eram tempos ferozes de Sartanas contra Djangos. - Darci.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raulzito tava certíssimo. Este termo Mocinhos, casa muito bem com Durango Kid, Roy Rogers e outros da turma, sempre limpinhos, cabelos na gomalina, rostinhos lisos e brilhantes "feito bumbum de bebê", pareciam que iam pra missa. Se alguém chamar de Mocinho a Sartana ou a Django, é melhor correr, aliás, não adianta, leva uma nas costas mesmo! Hahaha!
      Abraço-Joailton

      Excluir
    2. O que seria pior? Parecer limpo, engomado, com roupas floridas (ou pretas) montando cavalos brancos ou lembrar as vítimas das cracolândias do mundo? Ademais o que não falta é empostação na composição de tipos como Django, Sartana, Mortimer e outros. E Giuliano Gemma. Esta mais para mocinho ou para os sujos feios e malvados? - Darci.

      Excluir
    3. Meu caro Darci.
      O que é que tem a ver Jesus Cristo com Mané Buchudo?
      Carolina de Sá Leitão, com caçarolinha de assar leitão?
      Nadinha! Esta comparação me surpreendeu tanto(da cracolândia) que vou levar um tempão para entender, principalmente pela sua origem.
      O Giuliano Gemma ficava muito elegante com aqueles trajes, também muito janotinha, mas não esqueça que quando criança, matou um pistoleiro pelas costas(Sela de Prata) e apanhava dejetos(Dias de Ira), Mesmo arrumadinho, o sistema não deixava de ser bruto. Esta é a tônica do Spaghetti. Perfumadinhos e com um lencinho colorido impecável no pescoço, era só na turma dos bons tempos. Antes que eu esqueça, passei um pano com alcool no Roy Rogers, lembra?
      Abraço-Joailton

      Excluir
  16. Olá Wilton:
    "Apesar de ser um bang bang à italiana eu considero um clássico."
    Como seria a tradução desta frase inicial, no comentário de Três Homens em Conflito?
    1-Por ser Italiano não poderia ser um clássico?
    2-Por ser Italiano eu não deveria considerar um clássico.
    3-É um clássico, então não é Italiano.
    4-Se é Italiano, não deve ser um clássico.
    5-Por que deveria ser um clássico, se é Italiano?
    6-Devo considerar um clássico, se é italiano?
    7-Os clássicos, devem conter Italianos?
    8-Se é Italiano, como posso achar que é um clássico?
    9-Quando inventaram a classe de clássicos, os Italianos já
    existiam?
    10-Será que a ojeriza aos bang bangs Italianos, já é clássica?
    11-Isto foi apenas um lapsus linguae, pois de tanto malharem
    os spaghetti westerns, posso ter cometido um ato falho, que
    é um clássico trabalho de Freud.
    Foi só para relaxar.
    Abraço-Joailton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha Joailton muitos interessantes suas opções,eu acho que sem querer a gente acaba sendo um pouco preconceituoso em relação aos filmes italianos , eles surgiram nos anos sessenta em uma época que o western Americano estava em baixa tanto no cinema como nas séries de tv ,e diferente do mocinho Americano( barbeado,roupa limpa) os Italianos estavam barbudos, roupas sujas etc....e tem várias classificações( western spaguetti,bang bang a italiana....) mas eu gosto de vários filmes italianos, mas a grande maioria deixa muito a desejar, nada contra os Italianos eu sou descendete deles , meu Avõ tinha aquele sotaque taõ gostoso de ouvir ,então me desculpe os Italianos foi uma comparação sem maldade

      Excluir
    2. Jamais pensei que seria maldade. É que nosso inconsciente nos prega peças e nem percebemos. Este blog é muito sério, mas fazer uma graça de graça, não custa nada.
      Sei que muita gente "boa" gosta do spaghetti, mas não diz, por achar que pega mal no meio dos cinéfilos por excelência. Esta dicotomia de origem do faroeste é interessante e não deixo de tirar uma onda.
      Tenho quase mil filmes e a maioria absoluta é de americanos, meu preconceito é mínimo, quando saio em defesa do spaghetti é mais á la Don Quixote.
      Usei uma frase em latim imitando o Darci, gostei da idéia.
      Abraço-Joailton

      Excluir
    3. e se a gente observar bem os melhores westerns Italianos são protagonizados por Americanos( Clint Eastwood, Lee Van Cleef,Eli Wallach,Charles Bronson ) dos Italianos eu gosto de franco nero com seu Django, Giuliano Gemma com O dolar Furado,dia da ira....tem muita coisa boa o negócio é se divertir, como diz um amigo meu ( sem medo de ser feliz)

      Excluir
  17. Darci, nasci na Bahia e sou fã do grande conterrâneo Raulzito e acho que o Maluco beleza em termos de western consumia tudo . No Rock "Eu sou eu, nicuri é o diabo" ele associa personagens famosos dos dois gêneros: "Eu sou eu, nicuri é o diabo" ele diz "Eu sou eu nicuri é o diabo... É KidRingo, é KiDjango/E por falar nisso que me cante um tango...Que o mundo foi e será uma porcaria eu já sei/Em 501 e em 2000 também..." A ordem dos versos pode estar invertida, mas o sentido é o mesmo.

    ResponderExcluir

  18. Aí você apelou demais caro Darci.Comparar personagens dos spaghetti com vítimas do crack, pelo amor de Deus, só porque estão a maior parte do tempo tragando cigarrilhas (ou cachimbo, no caso da famosa personagem Mortimer de Cleef em Por uns dólares...)e com o rosto por barbear! Uma representação que está muito mais próxima do que acontecia num Oeste selvagem sob sol escaldante, em que seus habitantes, fossem vaqueiros, Cowboys, pistoleiros de aluguel e até gente simples em mudança tinham que vencer longas distâncias, que muitas vezes consistia em atravessar regiões desérticas, desfiladeiros, rios muitas vezes quase intransponíveis, etc. Isso tudo com a poeira batendo de frente grudando no suor que escorria no corpo sob a inclemência do calor.Muitas vezes por ser muito longa a viagem tinham que parar, comer, descansar e muitos em virtude da pressa e de certos "compromissos"não se davam ao luxo de barbear-se. Claro que podiam sempre lavar-se e barbear-se quando encontravam um rio-e rios realmente não faltavam- mas logo tinham que estar a galope nas estradas e trilhas como o sol queimando a pele e tensos pela possibilidade de encontrar índio ou bandidos. A verdade é que os diretores americanos- a quase totalidade-não davam importância a esse aspecto, ou se tinham essa percepção-e reconheço alguns devem ter tido- preferiam ceder a caprichos de atores que gostavam de estar sempre com os seus rostos limpinhos para aparecer na tela mais belos para suas fãs, ou então tinham aqueles que gostavam de aparecer sempre com as roupas certinhas no corpo, sem amarrotar os vincos. Os comportamentos cavalheirescos em relação às mulheres, inspirados nos costumes medievais muitas vezes traduziam roteiros ingênuos Esse caprichos, ou essa manias, acabaram por distanciar o público da realidade do verdadeiro Oeste, ocorrendo uma idealização deste, utilizando personagens estereotipados. A forma de filmar com o controle severo dos produtores e da censura americana em alguns aspectos técnicos e da violência também muitas vezes prejudicaram os resultados, diminuindo o impacto nas cenas de ação, duelo, etc. Basta só lembrar que não se podia filmar numa cena de duelo aquele que sacava e atirava primeiro e o outro do outro lado, que recebia o tiro, no mesmo plano. No euro western tudo que não podia do outro lado do continente foi possível e assim os diretores europeus conseguiram em muitos exemplares resultados muito mais próximos da realidade- digo, muito mais próximo, porque a realidade de fato, como aconteceu, nunca pode ser recuperada por uma lente de câmera, mesmo com a melhor reconstituição de época.

    ResponderExcluir
  19. PARTE-2
    Sim, muitos se perderam e exageraram com caricaturas em uma série de Sartanas, Djangos ou em outros títulos bem estranhos, mas esse aspecto negativo- não invalida os grandes avanços alcançados quer no plano estético (formal) quer no aspecto do conteúdo. Quanto a Giuliano Gemma, seus personagens por mais bem comportados que tenham sido nunca foram semelhantes aos Cowboys americanos, limpinhos conforme disse o Joailton.Quando ele é espancado pelos facínoras vemos o sangue e o suor escorrer em seu rosto e temos a sensação de que foi realmente vítima de um ato violento. A vertente Pré-spaghetti- definição a meu ver deslocada cronologicamente, não apropriada, pois ainda que não derive fielmente dos filmes de Leone e Corbucci, também não é iguais aos chamados clássicos americanos. Só deveriam ser classificados realmente de pré-spaghetti aqueles filmados antes de 1964, o que não foi o caso de O doar furado, Adeus Gringo, O retorno de Ringo e outros. O melhor seria classificar exemplares como o Dólar furado e Adeus Gringo como de transição do modelo americano para a vertente estilizada de Leone e Corbucci- nunca foi rigorosamente igual aos exemplares americanos, porque as personagens já aparecem marcadas por certa dicotomia no seu comportamento e a técnica de filmar apresenta características fílmicas com outras nuanças. A abertura insinuante do filme, fotografia, a cor, a montagem, os figurinos com cores mais próximas da realidade, os efeitos sonoros e sobretudo a direção mais livre de controles. Quer queira, quer não, a coisa já aconteceu e está aí. Malham, malham, mas os filmes estão aí com reavaliações feitas por críticos jovens do mundo inteiro. Muitos queriam ter a ousadia que eles tiveram e queriam estar no lugar deles agora. Fora dos EUA quem melhor fez filmes Western? Que outro país fora dos EUA logrou realizar obras como Três homens em conflito, Era uma vez no Oeste, O retorno de Ringo, O vingador silencioso, O dia da desforra, Sua lei era a vingança, Quando os brutos se defrontam e até mesmo O dólar furado e outros mais amenos, mas ainda assim interessantes? Que outro país ousou revisar e criticar uma mitologia, um patrimônio cultural, símbolo genuíno de outro país; bater de frente contra os pilares culturais de uma nação e ainda assim influenciar seus nativos? Que outro país, ou continente?

    ResponderExcluir
  20. Aprigio - Apenas 'apelei' como você diz, para responder à altura à estocada dada pelo comentarista. Mas o que é um pequeno exagero quando se trata de western-spaghetti?

    Se formos nos ater a aspectos realísticos, a vertente western européia deixa muito a desejar apesar da aparência ultradesleixada dos anti-heróis, aparência que contrasta com aquela dos westerns norte-americanos. Você deve ter assistido E o Bravo Ficou Só e deve se lembrar quando Will Penny (Charlton Heston) responde à viúva (Joan Hackett) que ele havia tomado um banho há seis meses.

    Claro que sempre incomodou um pouco o fato de vermos os heróis dos westerns tão bem barbeados. Mas as interpretações, a qualidade dos roteiros, os cenários deslumbrantes faziam até com que se esquecesse esses pecadilhos de Hollywood. Em Tambores Distantes Gary Cooper se barbeia com uma faca... Não deve ser nada fácil...

    Muito bom o conjunto de suas observações, o que demonstra que você conhece profundamente o western-spaghetti. Isso me leva a perguntar: por que os fãs dos spaghettis, de modo geral, fogem dos westerns norte-americanos como o diabo foge da cruz? Só comentam neste blog quando o assunto toca no spaghetti. Há neste blog mais de uma centena de resenhas de westerns feitos nos Estados Unidos e os grandes fãs dos spaghettis que visitam o Westerncinemania nunca postam um comentário, ainda que o filme focalizado esteja entre os melhores do gênero. Parece até que os originalíssimos faroestes norte-americanos são uma espécie de pai bastardo dos spaghettis.
    Um fato é indiscutível: há sim uma geração, não tão nova, de críticos que supervaloriza o western-spaghetti e esse fato não pode passar despercebido por aqueles que apreciam o gênero.

    Darci Fonseca

    ResponderExcluir
  21. foi só uma estilingadinha, Darci.
    Joailton

    ResponderExcluir
  22. Obrigado pelos elogios caro Darci. Gostaria de dizer que não estou incluído entre os que fogem dos western-americanos como o diabo foge da cruz. Já assisti muitos e estou agora revendo-os e também correndo atrás de muitos que não consegui ver quando era mais jovem. Foram poucos os faroestes que assisti na telona do cinema. Lembro que foram mais italianos. A grande maioria, americano ou italiano, eu assisti na tela pequena. Já havia visto muitos americanos nas sessões da tarde, antes mesmo de me surpreender com os italianos. Sem querer me arvorar a entendedor, tenho um razoável conhecimento sobre faroestes made in USA. Mas você fez uma observação que considero correta e de certa forma corrigiu os fãs da vertente européia. Parece que os comentários nossos se referem o tempo todo aos italianos/europeus por não se ter assunto para falar dos feitos nos EUA. Parece que não falamos por não termos assistido nada e por isso mesmo não temos assunto sobre eles.É preciso conhecer o outro lado melhor até para poder criticar. Realmente me dei conta disso. Qualquer horas dessas farei um comentário sobre um western americano.
    Alguns erros cometidos por mim na digitação: na linha 10 está...também não é iguais aos chamados clássicos... deveria ser TAMBÉM NÃO É IGUAL, NO SINGULAR.
    Nas linhas 11 e 12 também digitei: ...o que não foi o caso de o doar furado, Adeus Gringo...quando deveria ser O QUE NÃO FOI O CASO DE O DÓLAR FURADO, ADEUS GRINGO...Muitas vezes o tempo é corrido e digitamos com pressa.
    Sem querer bater sempre na mesma tecla, eu gostaria de dizer apenas que os diretores italianos/europeus deveriam ser pelo menos elogiados pela ousadia que tiveram, principalmente pelas dificuldades financeiras com as quais tiveram que lutar.

    ResponderExcluir
  23. Caro Wilton, gostei muito da seleção de Westerns que você admira fugindo do lugar comum. Todos que gostam de cinema e em especial Westerns sabem quais são os grandes clássicos do gênero, por isso achei interessante você se lembrar de outros que muitas vezes são esquecidos, deixados de lado até que algum crítico renomado resolva fazer uma releitura da obra. Dos filmes que citou tenho vontade de rever Shenandoah que tem em seu elenco, se não estou enganado, a bela Katharine Ross (A Primeira Noite de Um Homem). Valeu.Laércio Lamas.

    ResponderExcluir
  24. Excelentes filmes. Acervo de grande qualidade. Adoro filmes de Faroeste, tenho alguns em minha coleção, mas esses aí são realmente muito raros.

    ResponderExcluir