UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

5 de maio de 2011

A FACE OCULTA DE MARLON BRANDO: SEU FASCÍNIO POR BELEZAS EXÓTICAS

Aqui mesmo no Cinewesternmania já foi lembrado que “A Face Oculta” (One-Eyed Jacks), filme dirigido por Marlon Brando, foi um dos westerns de produção mais tumultuada de todos os tempos. Brando gastou um grande volume de dinheiro e a bagatela de um milhão de pés de filme virgem. Tudo isso fora o tempo enorme empregado desde a pré-produção até a apresentação da versão final, num total de quarenta e cinco meses, ou seja, quase quatro anos. E durante esse tempo Brando teve inúmeros e tempestuosos romances, sempre com aquele tipo de mulher irresistível para: as morenas de sangue latino ou asiático.

1957 – O projeto “A Face Oculta” começou em julho de 1957 quando a Paramount decidiu filmar o romance “The authentic Death of Hendry Jones”, de Charles Neider, incumbindo um quase desconhecido roteirista chamado Sam Peckinpah para escrever o roteiro. Foi nesse tempo que Brando desfez seu caso com a portorriquenha Rita Moreno e esta tentou o suicídio ao saber que Marlon havia se casado com Anna Kashfi. O excêntrico Marlon Brando tinha uma fixação por mulheres exóticas e se apaixonou por Anna quando esta lhe disse que era indiana. Ela, de fato, havia havia nascido no País de Gales.

1958 – Peckinpah levou seis meses para entregar o roteiro, que só chegou às mãos de Brando em abril de 1958. Durante esse período, o ator se casou com Anna Kashfi que já estava grávida de um filho dele. Marlon descobriu que o exotismo e a nacionalidade de Anna Kashfi eram falsos e começou a namorar a eurasiana (de verdade) France Nuyen enquanto aguardava pelo início de “One-Eyed Jacks”, título escolhido para o já longamente gestado western. O roteiro de Peckinpah não foi aprovado e teve que ser inteiramente refeito. Peckinpah foi dispensado e o novo roteiro foi escrito por Guy Trosper sob a direta supervisão de Brando, o que fez com que as filmagens somente começassem em dezembro de 1958.

1959 – O filme estava previsto para ser rodado em 60 dias, mas demorou 180 dias para terminar as filmagens. Como se sabe, Brando dispensou Stanley Kubrick e ele mesmo assumiu a direção. No elenco de “A Face Oculta” havia uma atriz mexicana de 20 anos chamada Pina Pellicer que estava longe de ser uma Maria Félix ou uma Dolores Del Rio. Mesmo assim Marlon começou a namorá-la, iludindo a moça ao mesmo tempo em que reatou um caso antigo com uma atriz chamada Movita Castenada. Movita nasceu em um trem que ia do México para Nogales, Arizona e seus pais mexicanos a registraram como se fosse norte-americana. Movita era sete anos mais velha que Brando, mas isso não teve nenhuma importância, tanto que ele decidiu se casar com ela tão logo obteve o divórcio com Anna Kashfi, em abril de 1959. As rumorosas audiências no tribunal dariam para fazer um filme, tantas foram as acusações de parte a parte. Só faltou o casal bater no juiz. Nesse período conturbado nasceu Christian, o filho do casal. Brando já conseguia resistir bem às latinas pois não teve uma recaída com a também mexicana Katy Jurado, com quem também havia tido um caso anos antes. Katy estava no elenco de “A Face Oculta”, interpretando a mãe de Pina Pellicer. Finda as filmagens, Brando deixou claro a Pina Pellicer que o namoro entre ambos terminara junto com o filme, o que ela não aceitou com facilidade. O filme entrou então para a fase de edição daquela tonelada de negativos filmados. No duelo final entre Rio (Brando) e Dad (Karl Malden), ambos morriam. Mas a direção da Paramount não aceitou esse final acreditando que ele seria rejeitado pelo público e o filme fracassaria.

1960 – Em outubro de 1960, o estúdio reuniu Brando e Pina Pellicer e filmou outro final com a cena em que Brando e Pina aparecem a cavalo, ele está apenas ferido, e ambos se despedem à beira-mar jurando amor eterno para alegria dos fãs. A despedida era real para Pina Pellicer pois Brando já engravidara Movita e seu novo filho (Miko Brando) estava para nascer. Foi quando ele viajou para o Taiti para conhecer as locações onde seria filmado “O Grande Motim”. No Taiti Marlon conheceu uma linda e voluptuosa nativa (nascida em Bora-Bora) chamada Tarita. Jornais e revistas (especialmente as fofoqueiras-mór Louella Parsons, Hedda Hopper e Sheyla Graham) davam bastante destaque para a vida particular de Brando, levando a magérrima e esperançosa Pina Pellicer ao desespero.

1961 – “A Face Oculta” finalmente estreou em março de 1961. Nessa época Marlon já comprara até uma ilha para morar com Tarita, embora só viesse a se divorciar de Movita no ano seguinte para se casar com Tarita. Despachada definitivamente, Pina Pellicer tempos depois acabou cometendo suicídio. Não faltou quem acusasse Brando pela morte da mexicana. Após tão longa espera, nem a crítica e nem o público gostou de “A Face Oculta” que foi um retumbante fracasso de bilheteria, sepultando a carreira de diretor de Marlon Brando. Algumas décadas mais tarde a crítica mudou de opinião e encontrou evidentes qualidades no western dirigido pelo insaciável ator. Os fãs de faroeste, por sua vez, ajudaram a tornar o filme, inicialmente um cult, e mais tarde um clássico. Parece que o gosto da crítica e do público variam tanto quanto Marlon Brando variava seu universo sentimental, povoado daquelas mulheres em tudo diferentes do padrão de beleza hollywoodiano.

2 comentários:

  1. Este lado feitichista de Brando não é coisa de exclusividade. Muitos têm os mesmos sentimentos, porém falta o principal para lidar com tantas aventuras que lhe põe o ego em dia, que é "dinheiro". É a mola mestra que rege tudo e que sem ele as frustações tornam-se naufrágios concretos e quase que coletivos.
    O homem amou muitas mulheres, e mulheres que lhe atiçavam a libido. Como outros, que possuem semelhantes gostos, embora por mulheres de outro tipo ou biotipo. E gosto é uma coisa muito indivudual. Quem nunca ouviu um ditado que fala, mais ou menos assim; "ele pode ser como seja, sempre haverá alguém querendo-a".
    Invejo Brando apenas pela falta do vil metal, que não me, ou nos, deixa dar vazão às nossas preferencias.
    Quanto ao filme eu desconhecia todo este enredo para sua chegada às telas. Mas, em se tratando do perfeccionista Brando, nada é de se duvidar. Mas o resultado foi positivo. A Face Oculta é um excelente filme. E a mocinha que se suicidou, possivelmente por paixão pelo amante latino, Pina Pellicer, parece terrivelmente com a Petra (Rosenda Monteros) de Sete Homens e Um Destino, a aldeã que fica com Chico, Horst Buchholz.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nesse filme há uma cena em que Marlon Brando, fica sentado numa
    praia sozinho e calado, observando os ondas do mar, um critico
    de cinema escreveu um artigo alegando que essa cena demonstra a
    genialidade de Marlon Brando como diretor, estabelecendo uma
    relação entre o vai e vem das ondas com as reflexões de seus pensamentos. Quando assisti o filme não me dei conta das intenções da cena, quando voltei a assistir o filme a Face
    Oculta em DVD, verifiquei que o critico tinha razão. Marlon
    Brando ganhou e esbanjou fortunas de dolares, quando morreu
    tinha uma divida em torno de milhões de dolares, conforme
    divulgou a imprensa. Foi um homem em nada convencional que teve
    e causou muitos problemas de relações humanas, mas foi sem
    sombra de dúvida um genio da setima arte. SC

    ResponderExcluir