UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

13 de fevereiro de 2011

BANDO DE RENEGADOS (The Lawless Breed) - ROCK HUDSON, O SANGUINÁRIO JOHN WESLEY HARDIN

video
O cinema norte-americano não se cansa de contar (a seu modo) as vidas de foras-da-lei do Velho Oeste. Billy the Kid, Frank e Jesse James, Butch Cassidy & Sundance Kid, os Daltons, os Youngers e Johnny Ringo estão entre os ‘preferidos’ de Hollywood. Mas o maior dos pistoleiros que aterrorizaram o Oeste nos Estados Unidos foi um controvertido bandido a quem o cinema deu menos atenção: John Wesley Hardin. Em 1953 Raoul Walsh produziu e dirigiu “Bando de Renegados” (The Lawless Breed) com roteiro baseado na suspeitíssima autobiografia de Hardin. Para não fugir à regra de Hollywood o filme romantiza a vida desse pistoleiro que matou pelo menos onze pessoas, sendo atribuída a ele um possível total de 25 assassinatos a bala. Billy the Kid matou, comprovadamente, apenas quatro homens. Jesse James matou somente um e Sundance Kid jamais cometeu um único assassinato. Mesmo assim o cinema adora falar deles... Em 1953 Rock Hudson interpretou John Wesley Hardin em “Bando de Renegados”, tendo como par romântico Julia Adams, nesse agradável western dirigido por Raoul Walsh. O veterano diretor era um ótimo contador de histórias e teve nesse filme um excelente elenco onde despontaram John McIntire (em papel duplo de pai e tio de John Wesley), Hugh O’Brian, Lee Van Cleef, Dennis Weaver, Michael Ansara e outros. Hardin sempre alegou que nunca matara alguém que não fosse em legítima defesa, mas é também atribuída a ele a frase “nunca matei ninguém que não merecesse morrer”. Historicamente o filme de Walsh não pode ser levado a sério e bem que John W. Hardin aguarda por uma abordagem cinematográfica mais realista. Ainda mais porque Bob Dylan e Johnny Cash reforçaram a lendária existência de Hardin, cada um compondo uma canção sobre o bandido. Em ambas as músicas Hardin é cantado como um amigo dos pobres e injustiçado pela lei. Dylan não apenas lhe dedicou uma canção como também deu o título de seu álbum lançado em 1967 e que se chamou “John Wesley Harding”, erradamente grafado com “g”. Enquanto o cinema não revisa a vida de John Wesley Hardin, vale à pena ver de novo Rock Hudson na pele desse outlaw, matando Michael Ansara, Lee Van Cleef e Hugh O’Brian e também tratando carinhosamente Julie Adams, tudo no clip acima.

3 comentários:

  1. Para os desatentos seria ótimo que observassem com toda a atenção as atuações do velho e fantastico Rock Hudson. Seria louvável que esquecessemos sua estampa invejável, seu rosto bonito e olhassemos muito para seu invejável profissionalismo. Certo que no inicio de sua carreira teve de fazer filmes apenas assistíveis, como; Herança Sagrada, Seminole, Irmãos Inimigos e até mesmo Bando de Renegados. No entanto olhemos para suas interpretações em filmes de qualidade como; Palavras ao Vento, Almas Maculadas, Labirinto de Paixões, Adeus às Armas, O Ultimo por de Sol, todos aqueles filmes agradáveis com Doris Day e, principalmente, Assim Caminha a Humanidade, onde, mesmo ao lado de fantasticos atores como Liz Taylos, James Dean, Chill Wills, Dennis Hooper, dentre outros, deu um show de interpretação, num papel que George Stevens jamais teria que por outro ator para ser Bick Benedict senão o grande Hudson. O magnifico diretor acertou em cheio na escolha.Esta interpretação deveria ser premiada (e com toda justiça) com um Oscar, premio que erronea e surpreendentemente deixaram de lhe dar.
    Perdemos aos 60 anos de idade um dos magnificos atores que Hollywood já gerou, o surpreendente e perfeito Rock Hudson.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  2. Jurandir
    Em 1996 a revista "Fancine" fez uma enquete com 100 pessoas que responderam sobre seus filmes e artistas preferidos. Poderiam indicar seis nomes de atores. Acredite que entre 600 votos Rock Hudson não obteve nenhum voto. Nenhum. Nem mesmo o meu... Deduzi que só poderia ser preconceito contra o falecido ator que morrera de Aids. Você lembrou bem dos excelentes trabalhos de Rock Hudson no cinema e eu citaria ainda "O Segundo Rosto" (Faces), possivelmente seu melhor trabalho no cinema. "Confidências à Meia-Noite" é uma obra-prima da comédia, uma das melhores de todos os tempos e Rock Hudson está impagável fazendo rir bastante.
    Kit Hodgkin

    ResponderExcluir
  3. Rock Hudson foi um otimo ator e profissional, mas o que
    ele tinha de especial era seu sorriso que aliado a sua estampa
    iluminava as telas. Considero o Segundo Rosto seu melhor trabalho, mas não era aquele Rock Hudson que costumavamos ver
    e apreciar.

    ResponderExcluir