UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

19 de julho de 2011

BELLE STARR, UMA BANDIDA LENDÁRIA


As belas atrizes Gene Tierney, Jane Russell e Elsa Martinelli viveram na tela a figura lendária de Belle Starr, mulher também conhecida como ‘A Rainha das Bandidas’ e ‘A Jesse James de Saias’. Porém a verdadeira Belle Starr era bem diferente da heroína que o cinema criou e, para dizer o mínimo, ela estava longe de ser chamada ao menos de bonitinha, quanto mais ser lembrada por Gene, Jane ou Elsa. Menos bonita foi Marie Windsor, uma espécie de Lee Van Cleef das atrizes e que também interpretou a mulher que aterrorizou o Oeste por algum tempo.

LADY BELLE - Myra Maybelle Shirley nasceu numa fazenda em Carthage, Missouri em 1848 e era chamada de ‘Belle’ por seus pais que eram simpatizantes da causa sulista durante a Guerra Civil, inclusive fornecendo cavalos para as tropas confederadas. Em sua adolescência ‘Belle’ frequentou a Carthage Female Academy, escola para moças de famílias abastadas. Com a perspectiva da vitória da União a família de ‘Belle’ migrou para o Texas em 1864, passando a viver em Scyene, próximo de Dallas. A propriedade dos pais da jovem ‘Belle’ passou a ser esconderijo das quadrilhas dos irmãos James (Jesse e Frank) e dos irmãos Younger (Cole, Jim, John and Bob). Foi então que ‘Belle’ teve com Cole a filha que recebeu o nome de Rosie Lee. Algumas fontes indicam que Rosie Lee não seria filha de Cole Younger e sim de Jim Reed, seu primeiro marido, com quem Belle teve ainda o filho James Edwin Reed, chamado de Eddie. Rosie Lee tornou-se conhecida como Pearl Younger e foi apelidada de ‘Rose of Cimarron’. Jim Reed, que era um veterano sobrevivente da quadrilha de Quantrill foi morto em 1873. Vendo-se sozinha, Myra Maybelle deixou seus filhos com parentes e passou a viver com bandidos da quadrilha do falecido marido em um território indígena em Oklahoma. ‘Belle’ tornou-se a líder do bando que praticava todo tipo de roubos e assaltos, sempre planejados por ela. Essa liderança lhe permitia escolher com quais homens ela iria dormir, o que aconteceu com praticamente todo o bando. ‘Belle’ nunca usou calças, preferindo vestidos e montando como faziam as moças que como ela estudaram na Carthage Female Academy. ‘Belle’ montava usando um tipo de sela que permitia sentar lateralmente, como uma lady o faria.

COLECIONANDO AMANTES - Mas assim como nos filmes com Gene Tierney, Jane Russell ou Marie Windsor a verdadeira bandida não dispensava seus dois six-shooters que carregava no cinturão sobre a longa saia. Algumas fontes indicam que ‘Belle’ teria se casado com Bruce Younger, casamento que durou apenas um mês, pois em seguida, em 1880 Myra Maybelle se casou com um índio Cherokee chamado Sam Starr. Passando a se chamar ‘Belle Starr’, ela e o marido foram presos por roubo de cavalos e ‘Belle Starr’ transformou-se na primeira mulher norte-americana presa e condenada por roubo de cavalos. Libertados, Sam Starr acabou morto em 1886 numa troca de tiros, enquanto sua viúva ‘Belle Starr’, dedicou-se com invejável disposição a colecionar amantes de todas as cores e idades, entre eles Jack Spaniard, Jim French e o famoso bandido Blufford Duck, o ‘Blue Duck’. Em 1889 ‘Belle Starr’ casou-se novamente, desta vez com seu enteado Jim July Starr, o filho de ‘Sam Starr’. Jim July tinha 18 anos e ‘Belle Starr’ estava com 39 anos. Em 2 de fevereiro de 1889, “Belle Starr’ estava cavalgando por uma estrada de Oklahoma quando foi emboscada e levou um tiro pelas costas. Após cair do cavalo o assassino disparou contra a cabeça da bandida para certificar-se que ela estava morta. O assassinato de ‘Belle Starr’ nunca foi esclarecido e entre os suspeitos estavam o próprio marido Jim July e também Eddie, o filho de ‘Belle Starr’. Eddie havia sido amante da própria mãe, e apesar da relação incestuosa, Eddie a odiava pela crueldade com que ‘Belle Starr’ o tratava.

VIRANDO LENDA - No mesmo ano da morte de ‘Belle Starr’, em 1889, foi publicado o folhetim “Belle Starr, the Bandit Queen or the Female Jesse James”, de autoria de Richard K. Fox. Em 1941, baseando-se nos textos de Fox, o crítico literário Burton Rascoe publicou a biografia “The Bandit Queen” que deu origem ao filme “Formosa Bandida” (Belle Starr), protagonizado por Gene Tierney e ainda com Randolph Scott (como Sam Starr) e Dana Andrews. Em 1952 foi a vez de Jane Russell interpretar Belle Starr em “Bela e Bandida” (Montana Belle), com Scott Brady e Forrest Tucker. Em 1954 a lendária bandida foi vivida por Marie Windsor na produção para a TV chamada “Belle Starr”. Também para a TV, em 1980, Elizabeth Montgomery protagonizou o filme “Belle Starr”. Antes, em 1968, a linda italiana Elsa Martinelli deu um sotaque diferente à bandida em “Il Mio Corpo per um Poker”, dirigido por Lina Wertmuller. Em “Cavalgada dos Proscritos” (The Long Raiders), de 1980, o personagem de Belle Starr aparece de modo secundário interpretado por Pamela Reed. E para aproveitar a fama da Rainha das Bandidas do Oeste foram filmados “A Filha da Foragida” (Belle Starr’s Daughter), em 1948, estrelado por George Montgomery e, em 1953 “O Filho de Belle Starr” (Son of Belle Starr), com Keith Larsen. Em Woolaroc, Oklahoma, foi erigida uma estátua de dois metros de altura em homenagem à bandida que virou lenda.

BELLE STAR CANTADA POR GENTE FAMOSA - Hollywood ajudou a reforçar a lenda sobre Belle Starr e muitos compositores como Woody Guthrie, Bob Dylan (em duas canções diferentes), Emmylou Harris em parceria com Mark Knopfler, fizeram o mesmo em canções com referências a Belle Starr, caso de Dylan e Guthrie. A canção de Emmylou e Mark Knopfler chama-se “Belle Starr”, além de outros compositores menos conhecidos. Um dos álbuns mais conhecidos de Emmylou Harris intitula-se “Rose of Cimarron”, que era o apelido de Pearl, filha de Belle Starr, famosa como a mãe não por ser bandida, mas por ser uma lendária prostituta. O filho de Belle Starr, Eddie, tornou-se ladrão de cavalos, sendo condenado a cumprir pena na prisão de Columbus, Ohio.
A mais linda Belle Starr do cinema foi Gene Tierney; outras (em sentido
horário): Marie Windsor, Elsa Martinelli, Elizabeth Montgomery e Jane Russell

5 comentários:

  1. Ela era feiosa, mas era uma lenda mesmo. Gostei demais de saber tudo isso! Seu blog é tudo o que alguém quer saber sobre Western! Adoro vir aqui.

    ResponderExcluir
  2. Darci, eu estou bege! Nossa, Não sabia de nada da verdadeira Belle Star, só vi o filme com a Gene, e agora, lendo tudo isso que vc escreveu vejo que eles mostraram-na como uma vítima, boazinha demais...relação sexual com o próprio filho e ainda o maltratava ainda mais. Que horror era essa mulher. òtimo post!
    Abraço,
    Dani

    ResponderExcluir
  3. Oi, Dani. Hollywood sempre adorou trabalhar com lendas... E o sábio John Ford é quem tinha razão quando disse: "Print the legend".

    ResponderExcluir
  4. Vou de logo me desculpar com M. Porém, eu comento os textos a partir do que leio. E ainda não havia lido a segunda parte, razão pela qual desconhecia aquelas colocações de nossa companheira. Desculpe. Está tudo aí, e bastante claro.
    Mas que mulherzinha horrivel e terrivel, esta Belle Starr! Que coisa! Como pode um ser humano gerar um outro ser humano daquela qualidade?!
    Ainda bem que puseram a formosa e lindissima Gene Tierney para fazer seu personagem em Formosa Bandida, fita que assisti, e a Jane Russell em Bela e Bandida, faroeste que não vi.
    Muito bom tomar ciencia de mais este personagem do faroeste americano, uma vez, além de fazer comentários, também gosto de escrever historias de western. Agora tenho mais um ramo para por exploração além da Guerra Civil, do Àlamo, etc.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir