UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

26 de fevereiro de 2012

A TRÁGICA MORTE DE UMA ATRIZ DURANTE AS FILMAGENS DE “O ÁLAMO”


Entre as dezenas de histórias ocorridas durante as filmagens de “O Álamo”, há uma pouco conhecida e verdadeiramente trágica, a da morte da atriz LeJean Etheridge.

LEJEAN EM FORTE CLARK - As informações a respeito de LeJean são bastante vagas e mesmo o nome da atriz é grafado de forma diferente, dependendo da fonte. LaJean, LeJean, Legeane são algumas das grafias encontradas, sendo a mais constante LaJean, cujo nome completo era LaJean Guye Etheridge. A idade de LaJean também é incerta podendo ser 26 ou 29 anos, segundo a fonte encontrada. O certo é que a jovem atriz foi contratada pela Batjac para uma pequena participação em “O Álamo” no papel de esposa de um soldado que deixa o Álamo com as filhas. A cena foi rodada em um dia e John Wayne gostou do trabalho de LaJean dizendo a ela que gostaria de contar com ela em futuros filmes. Duke pediu a LaJean que permanecesse mais alguns dias em Brackettville acompanhando as filmagens. Atores e técnicos ficavam hospedados no Forte Clark, bastante próximo do local onde foi edificada a fortificação do Álamo. Forte Clark era um forte que havia servido de residência para os oficiais Robert E. Lee e Ulysses S. Grant, em épocas diferentes, antes da Guerra Civil. Durante a rodagem de “O Álamo” foi autorizada uma reforma no Forte Clark, reforma que transformou o local numa espécie de hotel e escritórios para a produção do épico produzido pela Batjac.


O NAMORADO VIOLENTO - LaJean residia em Spofford, pequeno município próximo de Brackettville. Com ela moravam o namorado Chester Harvey Smith, de 32 anos e mais dois homens e uma mulher, todos dividindo a mesma casa e todos contratado como figurantes para participar de “O Álamo”. Chester possuía uma ficha criminal na qual havia sido acusado e preso por agressões, sendo um homem violento. LaJean decidiu que não voltaria a morar com Chester, avisando-o que procuraria uma outra casa para morar, provavelmente acreditando que sua participação em “O Álamo” lhe traria novas oportunidades de trabalho no cinema. Sabemos que John Wayne era generoso com seus amigos possibilitando sempre que possível participações em seus filmes. O maior exemplo da generosidade de John Wayne foi com Gail Russell, a quem ajudou bastante. LaJean, a pedido de John Wayne, continuou ocupando um dos quartos construídos em Forte Clark, o que desgostou o namorado que como figurante não tinha aquele privilégio.

MADRUGADA TRÁGICA - Segundo Donald Clark e Christopher Andersen, autores de “John Wayne’s The Alamo – The Making of the Epic Film”, na noite de 14 de setembro de 1959 Chester armou-se com uma faca, identificada como sendo uma 'Bowie' e rumou para o Forte Clark. Já em plena madrugada de 15 de setembro, Chester passou a bater de porta em porta, até que chegou ao quarto onde estava LaJean Etheridge que abriu a porta e se deparou com o namorado armado. Este sem nada dizer golpeou LaJean violentamente no peito. A moça gritou desesperadamente e caiu sangrando com abundância enquanto atores e técnicos acudiram em socorro. Chester estava com LaJean nos braços e assim ficou o tempo todo até a chegada de ajuda e do xerife de Brackettville. O crime foi parar nas primeiras páginas dos jornais norte-americanos numa publicidade bastante negativa. As filmagens de “O Álamo” sofreram evidente prejuízo com o clima de tristeza que tomou conta de toda a equipe. Durante o inquérito John Wayne foi chamado para depor e Chester foi condenado por um júri de 12 pessoas a 30 anos de prisão.


CENA POUCO VISTA - Afogado pelas dívidas contraídas para realizar “O Álamo”, John Wayne perdeu o controle do filme durante o processo de distribuição e a United Artists lançou o épico em com diversas metragens que iam de 140 minutos a 192 minutos. Apenas na versão lançada como “Director’s Cut”, em 1993 com 203 minutos, é que pode ser vista a sequência com a infeliz e jovem atriz dirigida por John Wayne em “O Álamo”, filme que foi marcado pela tragédia da morte de LaJean Etheridge.

5 comentários:

  1. É Darci, até mesmo crimes desta natureza podem ocorrer em qualquer lugar e em qualquer época, e olha que ultimamente temos visto coisas desse tipo ocorrer HOJE nos noticiários e nas páginas policiais.

    Já ouvira falar do caso de uma certa atriz que havia sido assassinada por um namorado ciumento durante as filmagens de O ALAMO, mas não sabia de mais detalhes que agora graças ao seu artigo tenho conhecimento, e ainda assim, ainda paira dúvidas não?

    Tomara que este tal de Chester tenha mesmo mofado na cadeia, mereceria uma cadeira elétrica. Imagino como este hediondo crime prejudicou muito o sucesso do filme, que independente desta tragédia, ainda assim tava beirando ao fracasso.

    A versão aqui lançada em DVD pela MGM tem 162 minutos, assim como na versão assistida algum tempo no canal TNT (Quando ainda exibia os filmes clássicos). Quer dizer que a película original intencionado pelo "Duke" seria de 203 minutos?

    Abraços

    Paulo Néry

    ResponderExcluir
  2. Paulo, John Wayne, na ocasião declarou que o assassino mereceria pegar cadeira elétrica. Não conheço essa versão de 203 minutos. Quando assisti ao filme, no lançamento em 1961, me parece que passou com três horas de duração. Vou tentar verificar nos jornais da época.
    Um abraço - Darci

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente este tipo de crime brutal continua acontecendo.

    O filme é mais um clássico que ainda não assisti.

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Darci, Parabens por esse Post. Eu Não tinha conhecimento desse fato, é muito prazeroso visitar sua página e encontrar tantos artigos de qualidade como esse.

    Verei O Alamo com outros olhos depois de saber dessa, que coisa chata em.... Pobre Moça...

    Abração

    ResponderExcluir
  5. que pena....mas nao podemos nos abalar com certas atitudes macabras de algumas pessoas...todos temos o direito de escolher o que queremos....

    dunga campo grande ms 14/julho 2016

    ResponderExcluir