UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

23 de maio de 2016

JAMAIS FORAM VENCIDOS (THE UNDEFEATED) – JOHN WAYNE VOLTA À CAVALARIA


John Wayne foi, de modo peculiar, um extremado patriota e tentou se expressar politicamente também pelo cinema. Em plena Guerra do Vietnã Wayne dirigiu o polêmico “Os Boinas Verdes” que lhe custou uma quase totalidade de críticas negativas. Após essa sua segunda aventura na direção (a primeira havia sido “O Álamo”), Wayne atuou, em seguida, no grande sucesso que foi “Bravura Indômita (True Grit) e recebeu a unanimidade de elogios e ainda um Oscar de Melhor Ator. Foi então que a 20th Century-Fox fez uma proposta irrecusável a John Wayne para um novo western, oferecendo a ele, além do normal um milhão de dólares que recebia por filme, participação nos lucros e liberdade para aprovar diretor, elenco e roteiro. O filme se chamaria “The Undefeated” (Os Imbatíveis) e, mais que tudo, tinha uma história que muito interessou ao Duke pois o filme possibilitaria nova manifestação indireta à Guerra do Vietnã, segundo sua visão. Assim como havia acontecido com “Os Boinas Verdes”, a maioria da crítica norte-americana (e brasileira, por tabela), detestou “Jamais Foram Vencidos” (título nacional), forma de se vingar do reacionarismo de John Wayne. Hoje, à distância dos tempos em que a Guerra do Vietnã dominava as manchetes e assistido com isenção, este western de Andrew V. McLaglen está entre os bons filmes da fase final da carreira do Big Duke.
À direita o roteirista James Lee Barrett na foto menor
e o diretor Andrew V. McLaglen.



Acima John Wayne e Rock Hudson; abaixo
Antonio Aguilar, Wayne e Hudson.
Norte e Sul alinhados - Finda a Guerra de Secessão, o Coronel do Exército da União John Henry Thomas (John Wayne) retorna à vida civil e reagrupa ex-soldados que ele comandava, todos antigos cowboys, para voltar ao trabalho de capturar e vender cavalos selvagens. Enquanto isso, alguns confederados derrotados não aceitam a rendição, entre eles o Coronel James Langdon (Rock Hudson) que, após incendiar sua casa e plantação para que não caiam em mãos de especuladores, lidera um grupo de ex-soldados, mulheres e crianças numa jornada rumo ao México. Thomas e seus cowboys capturam três mil cavalos que serão negociados, inicialmente com o Exército norte-americano. As tratativas não dão certo e a manada é então negociada com representantes do exército de Maximiliano, o vienense Imperador do México que está em luta com os revoltosos fiéis a Benito Juarez. No trajeto para o México, Thomas e Langdon se reencontram, eles que haviam tido rápido contato ao final da Guerra Civil. Isso ocorre quando a caravana sulista é atacada por bandidos mexicanos, sendo salva com a ajuda dos homens de Thomas. Ao chegar ao quartel onde se encontra o General Rojas (Antonio Aguilar), este revela que está do lado dos juaristas, necessitando de cavalos. Rojas faz reféns os sulistas e ameaça matá-los caso Langdon não convença Thomas a entregar a manada aos juaristas, o que é feito e os confederados libertados. Thomas e seus cowboys retornam aos Estados Unidos sem os cavalos e sem dinheiro enquanto a caravana de Langdon também retorna ao país, com destino a Oklahoma. As diferenças entre irmãos do Norte e do Sul desaparecem quando se fez necessário que estivessem do mesmo lado.

John Wayne e Rock Hudson

Acima Melissa Newman, Lee Meriwheter,
Marian McCargo, Edward Faulkner e Rock
Hudson; abaixo Ben Johnson e Harry Carey Jr.
Metáfora com o Vietnã - A lição de patriotismo escrita por Stanley Hough foi roteirizada por James Lee Barrett, o mesmo roteirista do ultranacionalista “Os Boinas Verdes” e que antes havia escrito a sentimental história de “Shenandoah”. Com “Jamais Foram Vencidos” John Wayne pretendeu dar uma lição de civismo na qual norte-americanos de diferentes visões políticas se irmanam numa luta contra um inimigo comum, no caso o comunismo que o ator combateu por toda vida. Metaforicamente o México é o Vietnã invadido e dominado por estrangeiros (os franceses) e os juaristas são os bravos que resistem com a ajuda de norte-americanos que lhes cedem os cavalos para a luta contra as forças de Maximiliano. Ainda que inverossímil, a história de “Jamais Foram Vencidos” propiciou um western bastante movimentado com sequências de batalha da Guerra Civil, confronto com renegados mexicanos, captura de cavalos, longa condução de uma gigantesca manada atravessando a fronteira Estados Unidos-México e aspectos da vida nômade dos cowboys.

Rock Hudson; abaixo Dub Taylor
Influência do Mestre Ford - Pelo fato de Andrew V. McLaglen ter sido assistente de direção de John Ford em “Depois do Vendaval” e também por ter convivido, quando jovem, nos sets das filmagens em que seu pai Victor McLaglen atuava sob a direção do Mestre Ford, sempre se esperou que os westerns de Andrew se aproximassem dos clássicos do irascível diretor de “Sangue de Heróis” (Fort Apache). Essa comparação nunca foi benéfica para McLaglen que, apesar de uma filmografia irregular demonstrou inegável talento para sequências de ação, como neste western. A influência de John Ford se faz sentir em “Jamais Foram Vencidos” que tem, como fazia Ford, uma sequência de festa no acampamento dos confederados com direito a uma luta desigual entre um gigantesco soldado e um cowboy. E lá estão também o irritadiço cozinheiro (Dub Taylor) preparando refeições intragáveis e os cowboys com suas brincadeiras e, acima de todos, John Wayne, mais generoso que nunca, ainda que com as características reações intempestivas.

Acima Roman Gabriel;
abaixo Merlin Olsen.
Excesso de esportistas - Onde menos funciona este western é no romance que não poderia faltar, desta vez com o triângulo entre o índio Cherokee Blue Boy (Roman Gabriel), filho adotivo de Thomas, que se enamora (e é correspondido) por Charlotte (Melissa Newman), filha de Langdon e ainda pelo jovem soldado sulista Bubba Wilkes (Jan-Michael Vincent). A bem intencionada proposta de demonstrar que preconceitos podem ser superados para construir ‘uma nação digna’ é exemplar na pieguice. Piora ainda mais porque a adolescente interpretada por Melissa Newman é fraca como atriz e Roman Gabriel foi mais uma tentativa frustrada de transformar um famoso jogador do American Football em astro do cinema. No final do filme o casal fica junto, mas as carreiras de ambos não vingou. John Wayne, aos 62 anos de idade estava um tanto fora de forma, mais para gordo que robusto, reflexo dos quilos a mais ganhos para interpretar ‘Rooster Cogburn’ em “Bravura Indômita” e mesmo assim flerta com a bela viúva sulista interpretada por Marian McCargo, ela também ex-esportista campeã de tênis que enveredou pela carreira artística. O interesse recíproco poderia sim ser estendido e não ficar apenas no terreno platônico, culpa do respeitador Coronel Thomas. Outro ex-jogador de American Football do elenco é Merlin Olsen, que estreando como ator em “Jamais Foram Vencidos”, fez boa carreira na televisão, fazendo parte do elenco fixo de “Os Pioneiros”, a prestigiosa série criada por Michael Landon.

O exército mexicano e sequência de fuzilamento.
Epílogo sem brilho - Após inúmeras peripécias vividas pelo grupo de cowboys e pela caravana de sulistas, o final é um tanto desapontador com a aceitação da imposição do General Rojas. A chantagem praticada por Rojas, ameaçando fuzilar ex-soldados confederados, é típica de homens inescrupulosos e as figuras heroicas dos dois ex-coronéis (Wayne e Hudson) permitiriam imaginar que alguma atitude seria tomada por parte de ambos. Pelo contrário, simplesmente conduzem seus conformados grupos, cruzando o Rio Grande e voltando ao país, num final de pouco brilho para um filme que parecia caminhar para o épico. Talvez McLaglen tenha imaginado que “Jamais Foram Vencidos”, assim como se deu com a ‘Trilogia da Cavalaria’ de John Ford, dispensasse um final apoteótico em favor de um epílogo mais poético. O que ficou, no entanto foi a impressão que a produção foi encerrada às pressas por falta de recursos ou de ideias.

Rock Hudson e John Wayne
Capa e penacho - Quando a 20th Century-Fox deixou John Wayne à vontade para opinar sobre o elenco, o Duke logo reuniu um grupo de atores e dublês com quem gostava de trabalhar. A lista começa com Ben Johnson, Bruce Cabot, Harry Carey Jr., John Agar, Paul Fix, Chuck Roberson e Jerry Gatlin entre outros, todos veteranos de muitas jornadas ao lado do Duke, aos quais se juntaram os ótimos Dub Taylor e Royal Dano, forma de compensar o noviciado de celebridades do esporte como Roman Gabriel e Merlin Olsen. Sempre é bom lembrar que o próprio Wayne era jogador de American Football antes de ser descoberto por John Ford em “Salute!” (Em Continência), de 1928. Rock Hudson não foi a primeira opção para interpretar o Coronel sulista, mas sim James Arness que teve que recusar devido ao longo tempo que passaria em locações no México e o afastaria da série “Gunsmoke”. Arness foi substituído por Rock Hudson que se esforça para fazer frente a John Wayne que não se aplica nem um pouco pois sabe que sua presença na tela é mais que suficiente para dar status a um western. Hudson era um bom ator nem sempre reconhecido por seu talento dramático e como comediante e seu chapéu com penacho e esvoaçante capa neste filme, são, para dizer o mínimo, engraçadas. No quesito vestuário, Marian McCargo também surpreende ao surgir em cena vestida com um finíssimo vestido que parece ter chegado de uma elegante loja de New Orleans. A linda Lee Meriwheter um tanto apática como a esposa de Rock Hudson no filme.

John Wayne com Marian McCargo; Lee Meriwheter com Rock Hudson.

Dublês em ação;
abaixo Jerry Gatlin.
Seleção de dublês - Esta bem cuidada produção contou com a sempre magnífica cinematografia de William H. Clothier, especialista em capturar vastos panoramas como os de Sonora e Durango, no México e a vegetação de Baton Rouge, na Louisiana. Hugo Montenegro, cuja orquestra era especializada em covers de grandes sucessos nos anos 60 e 70, poucas vezes compôs trilhas para filmes, o que é de lamentar pois para “Jamais Foram Vencidos” Montenegro acertou com uma trilha vibrante que valoriza todo o conjunto. Como é do feitio de Andrew V. McLaglen, são muitas as sequências com show de quedas de cavalos em todas as posições imagináveis, trabalho das três dezenas de stuntmen, uma verdadeira seleção com a presença dos nomes famosos de Gil Perkins, Chuck Roberson, Jerry Gatlin e Tap Canutt, coordenados por Hal Nedham, o mais bem pago dublê de Hollywood. Nedham se tornou diretor de sucesso dos filmes de Burt Reynolds da série ‘Bandit’ (“Agarre-me se Puderes”).


Big Duke John Wayne
Western satisfatório - Mesmo com os muitos senões de “Jamais Foram Vencidos”, este é um western satisfatório que os fãs de John Wayne não podem deixar de assistir, esquecendo-se da críticas que não recomendam o filme. O Duke ganhou um Oscar pelo muito bom “Bravura Indômita”, comentando em seguida que ele não comia e nem bebia prêmios, mas gostava mesmo é que o público assistisse a seus filmes. E os espectadores foram em grande número assistir a este western que se transformou num grande sucesso de bilheteria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário