UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

17 de maio de 2014

JOSEY WALES, O FORA-DA-LEI – CLINT EASTWOOD ENTRE JOHN FORD E SERGIO LEONE


Asa Earl Carter, que assinava livros como
Forrest Carter.
Quando Clint Eastwood assumiu a direção de “Josey Wales, o Fora-da-Lei”, em 1975, a crítica cinematográfica já reconhecera seu talento também atrás das câmaras. Clint havia dirigido quatro outros filmes e dois destes - “Perversa Paixão” (Play Misty for Me), sua estreia como diretor, e “O Estranho Sem Nome” (High Plains Drifter) - foram filmes de inegável qualidade artística. A revista ‘Time’ relacionou “Josey Wales, o Fora-da-Lei” entre os dez melhores filmes norte-americanos lançados em 1976 e, para muitos críticos, este é o melhor faroeste dirigido por Eastwood, acima mesmo do premiado “Os Imperdoáveis” (Unforgiven). Em 1996 a Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos selecionou “Josey Wales, o Fora-da-Lei” para que o filme fosse preservado, por aquele órgão, por sua importância cultural, histórica e estética, honraria reservada a poucos westerns. “Josey Wales, o Fora-da-Lei” interessou a Clint Eastwood assim que leu “The Rebel Outlaw: Josey Wales”, de autoria de Forrest Carter. Esse livro foi relançado posteriormente com o título “Gone to Texas” e pelo seu conteúdo ninguém poderia supor que tivesse sido escrito por alguém que pertencera à ‘Ku Klux Klan’. O verdadeiro nome de Forrest Carter era Asa Earl Carter, e foi descoberto ser ele um extremado racista nascido no Alabama e que, entre uma e outra ação segregacionista, escrevia os discursos do governador do Alabama George Wallace. Ficou famoso o slogan criado por Asa Earl Carter com o qual Wallace fechava seus discursos durante suas campanhas políticas nos anos 60: “Segregation today, segregation tomorrow, segregation forever!” Paradoxalmente, “Josey Wales, o Fora-da-Lei” pode ser visto como um filme com intenções pacifistas.


Bill McKinney e Clint Eastwood
O rebelde vingador - A história de Forrest/Asa Earl Carter foi adaptada para o cinema por Phil Kaufman e Sonia Chernus. Transformada em roteiro narra a jornada de Josey Wales (Clint Eastwood) que busca vingar a morte de sua esposa, filho e a destruição de sua pequena propriedade no Missouri. Vivia-se o final da Guerra Civil e um grupo de soldados da União apelidados de ‘Redlegs’ comandados pelo sanguinário Capitão Terrill (Bill McKinney) exterminava e destruía o que encontrava pelo caminho que percorria. Durante o ataque dos Redlegs ao rancho dos Wales, Terrill corta com sua espada o rosto de Josey que no entanto sobrevive. Recuperado Wales se junta ao grupo de sulistas liderado por Bloody Bill Anderson (John Russell). Esses homens praticam guerrilhas contra as forças da União e, com a morte de Anderson num desses embates, o Capitão Fletcher (John Vernon) assume o comando do grupo. Quando ocorre a rendição Fletcher faz com que seus comandados se entreguem mas estes são covarde e impiedosamente assassinados por ordem dos oficiais no Exército da União. Josey Wales consegue escapar milagrosamente, agora com duplo motivo para se vingar de Terrill (e também do ‘judas’ Fletcher) passando à condição de renegado. Atemorizado o Senador Lane (Frank Schofield), responsável pela contenção de ações violentas de sulistas inconformados com a derrota, incumbe o Capitão Terrill de perseguir e matar Josey Wales. Durante as andanças do rebelde Wales juntam-se a ele o velho índio cherokee Lone Waite (Chief Dan George), a índia navajo Little Moonlight (Geraldine Keams), uma velha senhora do Kansas de nome Sarah (Paula Trueman) e sua neta Laura Lee (Sondra Locke). Mais tarde os remanescentes da cidade-fantasma de Rio Santa se agregam a  Josey Wales que se vê às voltas com comancheiros, caçadores de recompensas e índios comanches. O grupo que o acompanha se instala em um rancho no Texas onde é atacado por Terrill e seus homens. No confronto Wales mata Terrill mas o já lendário rebelde do rosto marcado continua sendo procurado por Texas Rangers. E é o próprio Fletcher quem se redime da traição ao afirmar diante dos Texas Rangers que Josey Wales está morto, permitindo assim que ele possa iniciar nova vida.

Ainda como rancheiro no Missouri, Josey Wales ao lado do filho, interpretado
por Kyle Eastwood, filho verdadeiro de Clint.

Chief Dan George e Clint;
abaixo Paula Trueman, Sondra Locke e
Geraldine Keams.
Josey Wales e seu grupo desigual - Quando Josey Wales inicia sua odisseia de vingança vem a impressão de nova aventura do personagem do Estranho Sem Nome criado por Sergio Leone para Clint Eastwood. Mais ainda com a aparência mística de divindade adquirida com os cabelos mais longos, a economia de palavras e a mesma invulnerabilidade diante dos sempre mais numerosos oponentes. Na falta da cigarrilha Josey Wales masca tabaco e cospe em insetos, em homens mortos, no cão que o acompanha e no traje branco de um vigarista ambulante. Vem então à lembrança o jovem Henry Fonda que mascava e cuspia em westerns e a essa altura já se sabe que Wales terá sempre companhia, mesmo nos embates travados a bala. Primeiro o jovem soldado confederado Jamie (Sam Bottons) que mesmo ferido cavalga com Josey Wales e o ajuda no enfrentamento dos pretensos e miseráveis caçadores de recompensas. O índio Lone Waite é o companheiro de jornadas da língua afiada com frases irônicas e zombeteiras. Engraçado como um sidekick dos antigos faroestes B. A distância do personagem principal da Trilogia dos Dólares aumenta à medida que novos personagens entram na história e o seguem, uma referência ao heterogêneo grupo de “Onde Começa o Inferno” (Rio Bravo). São, no entanto, tipos fordianos como a irascível avó Sarah, crítica dos costumes do Oeste, especialmente de quem vem do Missouri; Ten Spot (Royal Damo), o jogador mentiroso; o barqueiro sarcástico (William O’Connell). Outra citação a um western clássico ocorre no final quando Wales passa por Wilson (referência ao Jack Wilson de “Shane”) e se afasta sangrando como o próprio Shane. Ao contrário do cavaleiro dos vales perdidos, Josey Wales parte rumo a uma nova vida pacífica junto à comunidade que começa a se formar. E lá está Laura Lee, nova companheira.

Clint e Chief; William O'Connell e Woodrow Parfey.

Acima Will Sampson; abaixo Sondra Locke
na sequência de estupro.
Morrendo com a maldita guerra - Josey Wales, o Fora-da-Lei” traz, além de Lone Waite e Little Moonlight, outro personagem nativo, o temido chefe comanche Ten Bears. Amigo de comancheiros e inimigo mortal dos ‘bluebelly’ (soldados da União), Ten Bears ouve e aceita o que Wales pensa dos homens brancos que levam a desgraça aos índios. Decididamente pró-índio, o filme de Eastwood os mostra conscientes diante dos belicosos túnicas azuis que os tornou ‘civilizados’ como irônica e tristemente se intitula Lone Waite. A índia Little Moonlight é vítima de tentativa de estupro por parte de homens brancos, o mesmo ocorrendo com a jovem Laura atacada por comancheiros mas que deve ser preservada para o chefe Ten Bears. E ao chegar a uma cidade é oferecido a Wales escalpos legítimos de índios massacrados por brancos. Wales passa de perseguidor a perseguido, continuando o mesmo homem que, sedento por vingança, diz que “... não há como esquecer”, expressando mais tarde que “todos morrem um pouco com a maldita guerra”. Wales, sabedor que ninguém escapa de ser vítima da bestialidade dos conflitos.

'Não há como esquecer' / 'Penso que todos morremos um pouco
nesta maldita guerra'.

Josey/Jesus - Com 135 minutos de duração, “Josey Wales, o Fora-da-Lei” jamais cansa e as sequências de ação surgem magnificamente encenadas com Clint Eastwood exibindo seu incrível carisma com os revolveres nas mãos. Certo que o número de adversários, invariavelmente maior, possa criar uma sensação pouco verossímil, mas a aura de Eastwood é suprema e seus Colts Navy não deixam margem a duvidar de sua frieza e pontaria certeira. Ao se defrontar com quatro soldados yankees Wales pergunta “Vocês vão sacar ou assobiar o Dixie?”, nuance dos westerns europeus, presente mais especialmente na sádica execução de Terrill que ouve o metálico e torturante ruído dos revólveres que não disparam pois os tambores foram esvaziados. E outras duas armas sacadas por Wales igualmente supliciam Terrill sem que o tiro de misericórdia seja disparado, até que sua própria espada penetre suas entranhas consumando a vingança. ‘Os que empunham a espada pela espada morrerão’ biblicamente insinua o gesto do rebelde com o corte no rosto com a figura ainda mais enlevada. Não por acaso de nome ‘Josey’, próximo a ‘Jesus’ e inusitado para um homem do Oeste.

Terrill e a morte pela própria espada.

Acima o vingador e seu sidekick;
abaixo John Vernon; com os corpos
enterrados John Verros e Sheb Wooley.
Chief Dan George, o sidekick cherokee - A vida em comunidade impõe a presença feminina e Clint Eastwood impôs a presença da atriz Sondra Locke que, ainda bem, participa apenas da parte final de “Josey Wales, o Fora-da-Lei”. Infeliz escolha do ator-diretor-produtor que nem sempre prima por um rosto de mulher bonito em seus filmes que já tiveram Frances Fischer, Jessica Walter, Verna Bloom e Carrie Snodgress entre outras mulheres que não podem ser chamadas de lindas. Sondra não é bonita para os padrões de Hollywood e atriz fraca para qualquer padrão interpretativo. E se Paula Trueman mostra-se excessiva como a faladora avó Sarah, o ótimo índio canadense Chief Dan George, que já havia se destacado em “O Pequeno Grande Homem” (Little Big Man), é um perfeito contraponto à sisudez de Eastwood. O também ator índio Will Sampson, com o rosto coberto pela pintura de guerra, nem de longe lembra o maravilhoso ator de “Um Estranho no Ninho”. Bill McKinney é o Capitão Terrill da barba ruiva que passa todo o filme todo com imutável e cansativa expressão de maldade. John Vernon é presença forte que merecia ser melhor desenvolvida pois trai e salva Josey Wales. E John Russell, outra figura marcante, é visto por poucos minutos na tela vivendo ‘Bloody’ Bill Anderson, personagem real da Guerra Civil. Sam Bottons não conseguiu dar maior relevância ao jovem companheiro confederado de Wales. Entre os muitos rostos impressivos de atores pouco conhecidos estão os de Richard Farnsworth, um dos comancheiros; Royal Dano, Sheb Wooley, Matt Clark são alguns dos poucos homens de Rio Santa; John Mitchum (irmão de Bob Mitchum), John Quade (da Clint Eastwood Stock Company) e John Davis Chandler que morrem pelas balas de Josey Wales.

Sondra Locke; cena de amor entre Sondra e Clint.

Personagem épico - Assim como só tardiamente John Wayne foi reconhecido como ótimo ator, o mesmo ocorreu com Clint Eastwood, ainda que Clint mostrasse em muitos filmes que era muito mais que apenas um ‘Estranho Sem Nome’ ou um ‘Dirty Harry’. Eastwood está perfeito como Josey Wales com seus gestos discretos e lentos e o olhar profundo e boca que dizem mais que as poucas palavras que seu personagem pronuncia. Clint deu a Josey Wales uma dimensão épica excepcionalmente aproveitada pela arte dos pôsteres do filme. A trilha sonora musical de Jerry Fielding é, bem ao estilo do compositor, menos musical e mais incidental lembrando mais do que devia o trabalho do autor para “Meu Ódio Será Sua Herança” (The Wild Bunch). A cinematografia é de Bruce Surtees, parceiro de Eastwood incontáveis vezes. As paisagens de Utah, Arizona e Wyoming capturadas pelas câmaras de Surtees são belíssimas integrando personagens aos cenários. O trabalho de Surtees destaca-se ainda mais quando se sabe que Clint Eastwood, como diretor-produtor, não gosta de perder tempo com preciosismos desse tipo.

Entre Ford e Leone – Circula uma cópia de “Josey Wales, o Fora-da-Lei” com 105 minutos de duração e que deve ser evitada a todo custo não só por comprometer o entendimento do filme, mas também por alterar seu formato tirando muito da beleza do filme. “Josey Wales, o Fora-da-Lei”  foi um dos raros faroestes dos anos 70 que tiveram boa bilheteria, rendendo 14 milhões de dólares em seu primeiro ano de exibição nos Estados Unidos. Nada mal para um filme que custou apenas quatro milhões de dólares e foi rodado em oito semanas e meia. Mesmo assim Clint Eastwood somente voltaria ao gênero que o consagrou em 1985 com o excelente “O Cavaleiro Solitário”. Num tempo em que se produzia cada vez menos westerns, “Josey Wales, o Fora-da-Lei” forma com “O Último Pistoleiro” (The Shootist), os dois melhores faroestes dos anos 70, colocando lado a lado Clint Eastwood e John Wayne, justamente os dois grandes nomes do gênero. Sem atingir o status de obra-prima, “Josey Wales, o Fora-da-Lei” é um filme fascinante, violento como a época impunha, oscilando entre as influências estéticas de Sergio Leone e um surpreendente otimismo típico de John Ford.




2 comentários:

  1. OI, DARCI!
    DE TODOS OS FAROESTES COM E DE EASTWOOD, O QUE EU MENOS ASSISTI, FOI "JOSEY WALES", ESTE E “O CAVALEIRO SOLITÁRIO” SÃO OS ÚNICO QUE NÃO TENHO EM DVD, MAS EM COMPENSAÇÃO O SEGUNDO O TENHO GUARDADO NA MEMÓRIA DE TANTO QUE O ASSISTI NAS VÁRIAS REPRISES, NOS 1990, QUE O SBT FEZ NAS EXTINTAS SESSÕES “CINEMA EM CASA” E “SESSÃO DAS DEZ”. JÁ NO CASO DE "JOSEY WALES", SÓ O ASSISTI UMA ÚNICA VEZ, NA RECORD, NUMA NOITE LÁ NO FINAL DOS ANOS 1980, MINHA AVÓ E EU. SÓ ME LEMBRO DE CENAS ESPORÁDICAS E QUE NÓS GOSTAMOS MUITO. MAS, PROVAVELMENTE, ASSISTIMOS A VERSÃO DE 105 MINUTOS OU A EMISSORA CORTOU AS SEQUÊNCIAS MAIS POLÊMICAS, AFINAL, NÃO ME LEMBRO DAS TAIS CENAS DO ESTUPRO E DE SEXO ENTRE OS PROTAGONISTAS, CASO CONTRÁRIO, MINHA VÓ, MANDARIA A FAMOSA (AQUI EM CASA) FALA DELA: “MAS QUE ‘POCA’ VERGONHA É ESSA? PODE TIRAR DAÍ (DA EMISSORA), QUE EU NÃO QUERO ESSAS ‘COISA’ NA MINHA CASA, NÃO!” HEHEHE! O SENHOR NÃO IMAGINA QUANTOS FILMES QUE EU PERDI POR CAUSAS DESSAS “POCA VERGONHA”, AINDA MAIS NOS 1980 E 1990, ONDE FILMES REPLETOS DESSAS CENAS PICANTES ERAM ABUNDANTES NA TELEVISÃO, SE LEMBRA QUE ATÉ “CALÍGULA” TENTARAM EXIBIR, MAS A EMISSORA (GAZETA / CNT) FOI IMPEDIDA POR UMA LIMINAR? AGORA, FALANDO EM JOHN FORD, QUANDO PUDER, POR FAVOR, SEU DARCI, FAZ UMA MATÉRIA DE COMO FOI A FAMOSA REUNIÃO NA SCREEN DIRECTORS GUILD EM QUE JOHN FORD FEZ SUA FAMOSA APRESENTAÇÃO, CITADA NA MATÉRIA ANTERIOR. E FALANDO EM JOHN FORD E DA GUERRA CIVIL AMERICANA, FINALMENTE ASSISTI “MARCHA DE HERÓIS”, QUE HÁ TEMPOS EU VINHA NA “CAPTURA”. CARAMBA, QUE FILMAÇO! TÁ, EU SEI, COMO DIZEM OS CRÍTICOS, É UM “FORD MENOR”, MAS ATÉ ESSES MENORES SÃO FILMAÇOS. A IMPRESSÃO QUE EU TIVE, É O DE UM FILME COMPOSTO MAIS DE GRANDES MOMENTOS, MAS CUJO RESULTADO NÃO FORMOU UM GRANDE FILME EM SUA UNIDADE, PELO MENOS NÃO DO PORTE DE UM “O HOMEM QUE MATOU O FACÍNORA”, “PAIXÃO DE FORTES”, “CARAVANA DE BRAVOS” E OUTROS. PELO QUE PESQUISEI NA WEB, PROVAVELMENTE FOI PELO DESINTERESSE QUE MESTRE FORD ADQUIRIU PELA OBRA APÓS O TAL ACIDENTE COM O DUBLÊ E COM OS DESENTEDIMENTOS COM WILLIAM HOLDEN, O QUE É UMA PENA, POIS TUDO INDICAVA QUE TUDO ESTAVA PREPARADO PARA MAIS UMA OBRA-PRIMA. MESMO ASSIM SAIU UM FILMÃO, QUE QUANDO TERMINOU, ATÉ ME PERGUNTE, “MAS JÁ?”, SÓ DEPOIS NO CONTADOR DO DVD, QUE EU VI QUE SÃO 2 HORAS DE FILME. E, JOHN WAYNE? O CARA TAVA INSPIRADO, MAIS NA SUA PERSONA BRUTA QUE NUNCA, COMO RI COM A IMPACIÊNCIA DELE: É CHUTANDO UM BALDE QUANDO O MÉDICO DIZ QUE UM SARGENTO TERÁ QUE FICAR ACAMADO; QUEBRANDO UMA GARRAFA DE BEBIDA DEPOIS DE TOMÁ-LA DE UM SARGENTO BÊBADO E AO TENTAR BEBER, PERCEBE QUE O NEGÓCIO NÃO PRESTA; QUANDO O SARGENTO ESTÁ BATENDO EDUCADAMENTE NA PORTA DO CASARÃO, WAYNE CHEGA E DÁ LOGO UM PONTAPÉ ARREBENTANDO TUDO. MAS ESSA MESMA BRUTALIDADE FOI USADA DE FORMA COMOVENTE NA CENA DA BEBEDEIRA NO HOSPITAL IMPROVISADO, APÓS A BATALHA NA CIDADE. E TODA SEQUÊNCIA DOS MOLEQUES, DOS CADETES, RUMANDO PRA BATALHA E ELES COLOCANDO OS CONFEDERADOS PRA “CORRER”, QUE MARAVILHA, ESSA NÃO SAI MAIS DA MINHA CABEÇA, ASSIM COMO OUTRAS. MAS PRA MIM O MELHOR DE TUDO FOI CONSTANCE TOWERS, ME SURPREENDI COMPLETAMENTE COM ELA, ROUBANDO A CENA. EU SÓ A CONHECIA PELA PUDICA MARY DE “AUDAZES E MALDITOS”, MAS AQUI ELA ARREBENTA. TODAS AS CENAS DO CASARÃO, COM ELA FINGINDO AMABILIDADE COM OS SOLDADOS, SÃO IMPAGÁVEIS, PRINCIPALMENTE NA CENA DO JANTAR, QUANDO ELA PERGUNTA, TODA SINUOSA, PRA WAYNE, “O QUE O SENHOR PREFERE? A COXA... OU O PEITO?”, MOSTRANDO O GENEROSO DECOTE DELA, PENSEI QUE O DUKE IA TER UM INFARTO, ENGRAÇADO DEMAIS. MAS QUANDO A CENA EXIGIA DRAMATICIDADE COMO NA CENA DA JÁ CITADA BEBEDEIRA DE WAYNE, EM QUE CONSTANCE É SUA CONFIDENTE OU NA DESPEDIDA AO FINAL, ELA TAMBÉM TÁ PERFEITA. SHOW! DESCULPA MISTURAR “ALHOS COM BUGALHOS”, SEU DARCI, MAS COMO O SENHOR CITOU MESTRE FORD NA MATÉRIA E FIQUEI EMPOLGADO COM “MARCHA DE HERÓIS”, NÃO RESISTI ESCREVER UM POUCO SOBRE O FILME. É FORD, É FORD!

    ROBSON

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Robson
      Também gosto muito de Marcha de Heróis que, como você disse, é sempre lembrado como um 'Ford menor' mas que seria grande em qualquer outra filmografia.
      São duas as sequências de estupro em Josey Wales: a de Little Moonlight e a de Laura Lee, esta última mais atrevida, digamos assim. Não tenha dúvidas! Compre o DVD de Josey Wales (e de O cavaleiro Solitário também, claro) pois é um grande filme de Clint Eastwood, como a resenha procura mostrar.
      Darci

      Excluir