UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

18 de novembro de 2011

DEAN MARTIN NO DELICIOSO ACONCHEGO DE RAQUEL WELCH


Dean Martin parecia estar sempre de bem com a vida, conquistando a todos com seu bom humor, alegria contagiante, elegância e aparente indiferença aos grandes problemas do mundo, resultando tudo isso num charme irresistível. Não à toa Dean Martin era ídolo de Elvis Presley e de Frank Sinatra que queriam ser como ele, mas Dino era um só, único, espontâneo e sem esforço, naturalmente cool...

Dean, Frank e Jerry. Que geração!!!
TROCANDO OS PAPÉIS COM SINATRA - Algumas passagens sobre Dean Martin mostram bem como era esse fantástico cantor, ator e apresentador. Em seus shows no Sands em Las Vegas, Dean Martin gostava de tirar o paletó do smoking, arregaçar a manga da camisa, mostrar o músculo do braço e perguntar para a platéia: “Sabem como eu consegui estes músculos? Carregando Jerry Lewis por tantos anos...” A platéia morria de rir. Certo dia, Frank Sinatra morto de inveja com o sucesso que Dino fazia nos sketches que apresentavam, falou para o grande amigo: “Dino, enquanto eu faço o cara certinho você faz o cara malandro e debochado e todo mundo ri das suas piadas. Amanhã vamos trocar nossas falas. Eu faço o malandro e você faz o cara certinho pois também quero fazer o público rir um pouco.” Dean Martin que nunca discordava de nada e nem de ninguém respondeu: “OK, Dago, vamos trocar de papéis...” Começa o show da noite seguinte, Sinatra diz suas falas e o povo fica em silêncio; quando Dean interpreta o ‘certinho’, com as falas sem graça, a platéia rompe em gargalhadas. E foi assim até o fim do sketch, até que Sinatra, no palco, não aguentou e perguntou, apontando para a platéia: “Dino, por que eles só riem de você?” A resposta provocou mais uma sonora e escrachada reação do público: “Dago, eles acham que eu sou engraçado, é só isso...”

Raquel Welch com Dean Martin em
"O Preço de um Covarde"
UM FAVORZINHO DE JAMES STEWART - Todos que atuaram com Dean Martin adoraram trabalhar com ele, desde Montgomery Clift, passando por John Wayne, até chegar no sisudo James Stewart e a deliciosa Raquel Welch, seus companheiros em “O Preço de um Covarde” (Bandolero). Nesse western na cena final o personagem de Dean Martin é baleado, cai e é socorrido por Raquel Welch que o abraça desesperadamente encostando a cabeça de Dean de encontro a seus seios. Chega então o personagem de James Stewart, irmão de Dean no filme e diz algumas frases para Raquel. Andrew McLaglen orientou os atores a la John Ford achando desnecessário fazer um ensaio, apesar de maliciosamente Dean Martin lembrar que uma cena como aquela deveria ser ensaiada muitas vezes até ficar boa. Antes de rodar a cena Dino chamou James Stewart num canto e disse a ele: “Jimmy, vê se você dá aquelas suas famosas gaguejadas para o Andy mandar repetir tudo outra vez. Prometo que um dia faço o mesmo por você...” Jimmy respondeu com gravidade: “Claro, Dean, pode contar comigo...” McLaglen gritou “Action!”, Dean Martin caído no chão, Raquel o abraça e aperta junto a seu corpo. Stewart chega, diz suas falas com clareza e perfeição, sem gaguejar uma só vez, para desespero de Dean Martin que estava com os olhos fechados e ouvidos abertos no aconchegante colo de Raquel até que McLaglen grita: “Corta! Perfeito, Jim!” Raquel solta Dean Martin, este se levanta, sacode a poeira da roupa, e lança um olhar meio insatisfeito para James Stewart. Este sorri, dá uma piscadela de sarcástica cumplicidade para Dino e diz a eles, “Vamos todos tomar um café”. A irresistível Raquel Welch só soube o que se passou naquela cena muitos anos depois, lendo o livro Memories are Made of This, de Deana Martin mostrando por inteiro quem foi seu adorado pai.


11 comentários:

  1. Não conhecia estas virtudes de Dean, dele nos shows, sua importancia na dupla com Lewis e seu carisma com todos. Não foi àtoa que sempre gostai muito dele. Também desconhecia a sizudez de Stewart, embora tenha entendido perfeitamente a cena. "Grande amigo da onça", deve ter dito para si mesmo o decepcionado Dean.Poder estar no colo de uma beldade como a Welch por mais tempo e o companheiro lhe estragou o dia! Safadeza do Jimmy!
    Para completar gosto muito de O Preço de Um Covarde. A cena em que Jimmy rouba o banco é deliciosa e muito engraçada. Mas isto somente porque é ele, Stewart, quem faz a cena. Duvido que outro ator a faria tão comica como ele a fez.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  2. Dean, depois dessa cena com Raquel, deveria olhar para ela e dizer:
    "Muito obrigado, pela parte que me toca."

    Darci, a foto do trio, Sinatra, Dean e Jerry, marca o emocionante reencontro da famosa dupla em 1976, num evento beneficente na televisão.
    Não foi a 1ª vez que se encontraram após o fim da parceria, mas nesse momento, estavam sem se falar por muitos anos.

    ResponderExcluir
  3. Ivan, a coisa foi feia entre Jerry e Dean. Antes do rompimento estavam sem se falar há dois anos e prestando atenção aos últimos filmes percebe-se a animosidade. Jerry começou a se achar um gênio e isso era demais para Dean Martin que fez uma aposta arriscada ao desfazer a dupla. O talento falou mais alto. Em 1976 Jerry já não era mais aquele e tinha descido do pedestal, aceitando o (re)encontro. Quem fez a apresentação do livro da Deana Martin foi o Jerry.

    ResponderExcluir
  4. Jerry Lewis também tinha seus momentos de "primadonna", e também sabia ser sarcástico e cruel.

    Ele chegou a provocar Grace Kelly certa vez num evento, jogando sobre ela uma ironia, pouco antes de seu casamento com o Príncipe Rainier e de sua despedida no cinema: "Grace, todos nós lhe desejamos uma boa sorte, e uma BOA VIDA em Mônaco". Grace não respondeu, mas saiu imediatamente do local fula da vida. Entretanto, não é de se imaginar quantas vezes ele poderia ter provocado Dean Martin e abusado de sua paciência.

    Quanto a Dino, ele era um notável cantor, como ator já era limitado, mas conseguiu grandes boas atuações, como em "Deus Sabe Quanto Amei", com Sinatra.

    ResponderExcluir
  5. Paulo, Dean Martin nunca se levou a sério em nada que fez e curiosamente fez quase tudo bem. Imagine se ele tivesse frequentado os Actors Studios da vida e fosse mais pretensioso. Acima de tudo Dino era boa gente, já o Jerry Lewis nem tanto...

    ResponderExcluir
  6. Bom dia querido amigo Paulo, olha agora você me fez recordar de minha infância onde por ser criado por meus padrinhos sempre tinha revistas d efaroeste para passar o tempo dai gostei de ter boas recordações olhando este otimo post abraços amigo e um otimo domingo em familia.

    ResponderExcluir
  7. ola passei aqui para desejar boas festas com alegria e amor e aproveitar e deixar meu convite do meu blog siga e fique atualizado via feed !!
    clica para entra no site e seguir

    ˛ °_█_*。*./ \ .˛* .˛.*.★* *★ 。*
    ˛. (´• ̮•)*˛°*/.♫.♫\*˛.* ˛_Π_____. * ˛*
    .°( . • .) ˛°./• '♫ ' •\.˛*./______/~\ *. ˛*.。˛* ˛. *。
    *(...'•'.. ) *˛╬╬╬╬╬˛°.|田田 |門|╬╬╬╬ .
    ¯˜"*°•♥•°*"˜¯`´¯˜"*°•♥•°*"˜¯` ´¯˜"*°´¯˜"*°•♥•

    ResponderExcluir
  8. Lucioa Helena de Souza Cordeiro22 de fevereiro de 2013 21:11

    Meu amor. Dean Martin cantando ou atusndo sempre foi a paixão da minha vida. Sempre o macho e vcalente. A SUA VOZ ERa UM CONSOLO para osouvoidosd. Quero nais artigos com o meu amor. Em fiçlmes de westerns era o maximo. Parabens.,

    ResponderExcluir
  9. Lucia Helena de Souza Cordeiro22 de fevereiro de 2013 21:28

    Caramba. Fiquei tão emocionada que saiu tudo errado. Dean Martin foi a paixão da minha juventude. Darci, te amo pelo seu blog.

    ResponderExcluir
  10. LUCIA Helena de Souza Cordeiro22 de fevereiro de 2013 21:34

    Tenho 52 anos e quando soube deste blog vim logo procurar DEAN MARTIN, meu amopr meun tudo em cinema e especialmente em western. Minha mãe era apaixonada por cinema e por Dean Martin. Comecei a gostar dele cantando That's Amlore. Que Blog. Agradeço muito a dois amigos ter conhecido ele. Um beijão para TODOS OS FãS DESTE MAGNIFICO BLOG.

    ResponderExcluir
  11. Olá, Lúcia - Obrigado pelas palavras elogiosas. Dean Martin foi um artista único. Você sabia que Elvis Presley confessou que queria ser como Dean Martin. E o próprio Sinatra se esforçava para ser como Dino. Acontece que aquela maneira de ser à vontade era natural. Dean não fazia tipo. Ele era um 'Tipo'. That's Amore é dessas canções imortais. Você assistiu o delicioso Feitiço da Lua? - Um abraço do Darci.

    ResponderExcluir