UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

3 de agosto de 2011

ROBERT TAYLOR, UM ATOR DE FAROESTES


A imagem permanente de Robert Taylor no cinema norte-americano é, sem dúvida, a do grande galã de Greta Garbo em “A Dama das Camélias” e de Vivien Leigh em “A Ponte de Waterloo”. A popularidade de Robert Taylor como galã só podia ser comparada à de Clark Gable, este considerado o ‘The King of Hollywood’, mesmo com suas orelhas enormes. Robert Taylor era também lembrado por algumas peculiaridades como ter sido o primeiro ator a beijar Elizabeth Taylor no cinema, no filme “Traidor” (Conspirator), em 1949; ter sido o marido de Barbara Stanwyck por treze anos; ter sido o ator que por mais tempo ficou sob contrato em um único estúdio, a Metro Goldwyn Mayer, de 1934 até 1958. Em 1970 o Museu Nacional da Preservação dos Westerns e dos Cowboys induziu ao seu Hall dos Grandes Atores de Faroestes o nome de Robert Taylor, o que pode à primeira vista surpreender pois ninguém jamais citou Robert Taylor entre os mais notórios cowboys do cinema. Nos anos 30 os grandes estúdios tinham o western como a última das opções para investir dinheiro, até que em 1939 a história mudou com “No Tempo das Diligências” (Stagecoach) e o western deixou de ser visto como um gênero menor. Robert Taylor teve quase toda sua carreira na MGM tutelada por Louis B. Mayer e estrelava qualquer filme para o qual Mayer o escalasse. Em 1941 o chefão da Metro escalou Robert Taylor para interpretar William Bonney, o famoso pistoleiro, no filme “Gentil Tirano” (Billy the Kid). Foi o primeiro western de muitos que Taylor faria mais tarde.


UMA DÉCADA DE MUITOS WESTERNS - A indicação de Robert Taylor para a Galeria dos Grandes Atores de Westerns é bastante merecida pois depois de quase dez anos sem voltar a fazer outro western, Taylor deu uma enorme guinada em sua carreira. Foi em 1950 que Robert Taylor interpretou o índio ‘Lance Pole’ no histórico “O Caminho do Diabo” (Devil’s Doorway), o primeiro filme norte-americano a mostrar o índio como vítima dos homens brancos, com direção de Anthony Mann (ler análise do filme neste blog). De há muito Robert Taylor deixara de ser um mero rosto bonito nas telas e já havia interpretado tipos duros e atormentados em vários filmes noir. Na década de 50 Robert Taylor enveredou ainda pelo cinema histórico atuando em “Quo Vadis?”, “Os Cavaleiros da Távola Redonda” e “A Coroa e a Espada”, mas foi nessa década que o ator se fez merecedor da honraria concedida pelo National Cowboy and Western Heritage Museum pela belíssima sucessão de faroestes em que atuou. Robert Taylor estrelou, em 1951 “Caravana de Mulheres” (Westward Women), sob a direção de William A. Wellman. Em 1953, Taylor atuou em “A Bela e o Renegado” (Ride, Vaquero!), de John Farrow, ao lado de Ava Gardner e Anthony Quinn. Em 1955 Taylor esteve ao lado de Eleanor Parker no western-comédia “Sangue de Aventureiro” (Many Rivers to Cross), dirigido por Roy Rowland. No ano seguinte, 1956, foi a vez de “A Última Caçada” (The Last Hunt), de Richard Brooks com Stewart Granger no elenco. Em 1958 Robert Taylor esteve ao lado de Julie London em “Irmão contra Irmão” (Saddle the Wind), western dirigido por Robert Parrish. No mesmo ano de 1958 Taylor foi dirigido por John Sturges em “Duelo na Cidade Fantasma” (The Law and Jake Wade), em que contracenou com Richard Widmark. Robert Taylor fechou a década em 1959 com “O Mensageiro da Morte” (The Hangman), de Michael Curtiz. Robert Taylor voltaria aos westerns em “Pistolas do Sertão” (Cattle King), de 1963, direção de Tay Garnett. Em 1966 Bob Taylor estrelaria “O Selvagem dos Pampas” (Savage Pampas), rodado na Argentina com direção do também argentino Hugo Fregonese. O ex-galã da Metro Goldwyn Mayer se despediria dos westerns em 1966 sob a direção de James Neilson em “A Volta do Pistoleiro” (Return of the Gunfighter), filmado para a TV mas lançado comercialmente nos cinemas.

Bob Taylor e suas esposas:
acima com Barbara e
abaixo com Ursula Thiess
BOB TAYLOR-JIMMY STEWART - Robert Taylor não estrelou nenhum western verdadeiramente memorável e possivelmente os melhores tenham sido “O Caminho do Diabo” e “Duelo na Cidade Fantasma”. Porém dos 22 filmes em que atuou na década de 50, sete deles foram westerns, número indicativo de sua excelente participação no gênero. A título de comparação com outro grande astro que foi James Stewart, vale lembrar que Stewart também atuou em 22 filmes na década de 50, sendo sete deles igualmente westerns. Se a identificação de James Stewart com o western é maior que a de Robert Taylor, isto se deve a Stewart ter participado de alguns dos grandes clássicos do faroeste nessa década, dirigido que foi por Anthony Mann em nada menos que cinco westerns. No dia 5 de agosto comemora-se o centenário de nascimento de Robert Taylor, um ator por quem os fãs de faroestes têm enorme respeito. Para falar a verdade, respeito muito maior até que quando Taylor disputava com Clark Gable o título de galã número de Hollywood atuando naqueles lacrimogêneos melodramas que arrastavam multidões aos cinemas. E para se conhecer o bom ator que Robert Taylor foi, nada melhor que revermos dois ou três de seus faroestes. Taylor faleceu aos 57 anos de idade, vítima de câncer nos pulmões, fumante inveterado que era desde a adolescência. Robert Taylor deixou dois filhos do segundo casamento com a atriz alemã Ursula Thiess, que o acompanhou até a morte do ator em 8 de junho de 1969.

7 comentários:

  1. João de Deus NETTO3 de agosto de 2011 17:50

    A foto principal é uma maravilha! Grande post. Gostei muito.
    João de Deus Netto -Blog CinemaScope

    ResponderExcluir
  2. Realmente nunca pensei no Robert Taylor como figura expressiva do faroeste...Prefiro o Taylor dos policiais Noir...

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
  3. Nahud,

    Tem muita razão ao citar os policiais noir de Taylor, apesar dele ter bons westerns.
    E vou te dar uma dica sobre um grande filme noir deste. Veja Pecado e Redenção (acho que falei sobre este filme em seu blog no meu ultimo comentário. Mas torna a valer).
    Boa sorte
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  4. Robert Taylor,apesar de não ter minha simpatia
    tal qual um Stewart, Cooper, Douglas ou Lancaster, é inegável que teve uma carreira pontilhada de bons filmes, dos quais, alguns faroestes que fez estão entre estes.
    De seu total de filmes feitos nas pradarias americanas, A Ultima Caçada e Irmão Contra Irmão são os que mais me dizem algo, apesar de seus filmes não serem dotados de qualidades e apuros como os de outros astros como os que cito acima.
    Fora das linhas do western, esteve muito bem sob a direção de Nicholas Ray em A Bela do Bas Fond/59, Quo Vadis/51, de Le Roy e o excelente Pecado e Redenção/54, de Roy Rowland.
    Me sinto feliz em saber que foi casado com a magnifica Stanwick por treze anos, e sinto por sua viagem prematura aos 57 anos. Aliás, apenas como curiosidade, foi por idades mais ou menos dentro deste patamar que perdemos Gary Cooper e Clark Gable, estes aos 59 anos.
    Acredito que tem merecimento ao ter seu nome incluso na Galeria dos Grandes Atores de Western
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  5. Taylor na minha opinião foi um ótimo "Man of the West" no cinema, embora não possamos evidentemente compará-lo a um John Wayne ou Gary Cooper.

    Tinha um bom porte, sabia cavalgar e suas atuações eram convincentes na área do Western tanto quanto nos policiais que fez (meu preferido é PECADO E REDENÇÃO) e nos épicos, como Quo Vadis, Ivanhoé e Cavaleiros da Távola Redonda. Merece todo nosso prestígio pela sua grande contribuição para a Sétima Arte. Ele sem dúvida fez História. Saudações.

    ResponderExcluir
  6. Robert Taylor teve grandes atuações ja tão bem citadas por Paulo Nery, mas devemos também ressaltar a sua importancia como
    galão que com sua beleza fisica arrastava para os cinemas milhões de mulheres.Foi um concorrente a altura para Tyrone Power e Clark Gable.

    ResponderExcluir
  7. artista para qualquer gênero de filme um abraço josé simões filho guaçui ES

    ResponderExcluir