UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

14 de setembro de 2012

A ARMA DE UM BRAVO (Gun Glory) – WESTERN COM A BELEZA DE RHONDA FLEMING


Jean Simmons, Stewart Granger e Deborah Kerr
Profissão ruim - Depois de estrelar filmes como “Scaramouche”, “O Prisioneiro de Zenda”, “As Minas do Rei Salomão”, “O Belo Brumell” e “O Tesouro do Barba Rubra”, era difícil imaginar Stewart Granger como homem do Velho Oeste. Granger era o maior galã do cinema inglês dos anos 40 e foi ‘importado’ por Hollywood quase ao mesmo tempo que James Mason, Deborah Kerr e Jean Simmons. Amigo de Mason, amante de Deborah e marido por dez anos de Jean (1950 a 1960), Stewart Granger com sua vasta cabeleira semigrisalha tornou-se um dos principais galãs da Metro-Goldwyn-Mayer nos anos 50. Nesses anos Stewart teve nos braços, além das citadas Deborah Kerr e Jean Simmons, Ava Gardner, Elizabeth Taylor, Grace Kelly, Rita Hayworth e Rhonda Fleming. E não é que no final da vida o ator inglês escreveu sua biografia (“Sparks Fly Upwards”), desdenhando da profissão...


O par romântico Rhonda e Stewart;
James Gregory com Stewart Granger.
A volta do pistoleiro - Depois do incrível sucesso de bilheteria de “Gatilho Relâmpago” (1956), a MGM tentou repetir o êxito no ano seguinte produzindo “A Arma de um Bravo” (Gun Glory). O roteiro de William Ludwig havia sido escrito a partir de uma história de Philip Yordan, escritor-roteirista que muitas vezes serviu de ‘front’ para escritores caçados pelas bruxas seguidoras do senador McCarthy. O verdadeiro autor do orginal que se chamava “Man of the West” era mesmo Ben Maddow que, vítima da Lista Negra, não mais podia assinar seus trabalhos. Maddow foi também o autor de “Johnny Guitar”, entre outras histórias aproveitadas pelo cinema. “A Arma de um Bravo” tem ressonâncias com diversos outros westerns como “O Matador”, “Os Brutos Também Amam” e mesmo com “Gatilho Relâmpago”. Dirigido pelo veterano Roy Rowland, em “A Arma de um Bravo” Tom Early (Stewart Granger) é um ex-pistoleiro e ex-jogador que decide voltar para seu rancho, de onde saiu há alguns anos. Lá chegando encontra apenas seu filho no final da adolescência e fica sabendo que a esposa falecera. Early vai à cidade em busca de suprimentos e se depara com Jo (Rhonda Fleming) uma bonita viúva e depois com Grimsell (James Gregory), criador que pretende passar pela cidade com suas 20 mil cabeças de gado. Isso levará à destruição do lugarejo que começa a tomar forma inclusive com a construção de uma igreja sob as ordens de um pregador (Chill Wills). A cidade se revolta contra o perigo iminente e tenta reagir, sendo facilmente dominada por Grimsell e seus homens. Aquilo que o grupo armado liderado pelo pregador não conseguiu é facilmente realizado por Tom Early que detona com dinamite um enorme desfiladeiro, impedindo de vez a passagem do gado. Tom Early liquida ainda com o bando de Grimsell e encerra a condição de viuvez, tanto a sua como da bela Jo.

Stewart Granger com a arma do bravo e um
imaculado lenço branco no pescoço.
Aposentadoria adiada - O espectador pode gostar de “A Arma de um Bravo” desde que aceite uma história na qual há um barão do gado que possui uma manada com 20 mil cabeças e quer, a caminho da ferrovia, passar dentro de uma pequena cidade. Com a maior desfaçatez o criador diz “Não havia pessoas aqui quando da última vez que passei com meu gado. Agora eles estão no meu caminho. Pior para eles!” E o espectador deve fechar os olhos para o fato de um homem ter a sorte de retornar para casa, se saber viúvo e, no primeiro passeio à cidade, encontrar uma Rhonda Fleming também viúva e carente. E, finalmente, o espectador não deve duvidar que um homem sozinho, com algumas bananas de dinamite e uma boa mira com o rifle consiga explodir rochas monumentais, ainda que mais pareçam feitas de barro. Afora isso este western do normalmente pouco inspirado Rowland é assistível, entre outras coisas pela presença da atriz principal, mais bela do que nunca. Tom Early quer abandonar a vida de pistoleiro e jogador errante, mas assim como Gregory Peck em “O Matador” e Glenn Ford em “Gatilho Relâmpago”, encontra quem queira ganhar fama provando ser mais rápido que ele. E assim como Alan Ladd em “Shane”, Tom Early toma as dores da comunidade local e enfrenta o todo poderoso da região. Porém os ingredientes que tornaram aqueles filmes clássicos não são desenvolvidos com a maestria de Henry King, Russell Rouse e George Stevens.

Chill Wills (acima); abaixo Rhonda e Steve Rowland.
Teocracia no Velho Oeste - Rowland consegue tornar cada passo do filme inteiramente previsível e desperdiça uma subtrama interessante contida na história original. Tom Early é o pai de Tom Jr. (Steve Rowland), um rapaz de idade imprecisa mas que não deixa de notar como é bonita a mulher de nome Jo que o pai trouxe para casa. Apaixonada pelo pai, a muito ingênua Jo nem se dá conta, ao lavar a cabeça do jovem, que aquele gesto inocente pode despertar desejos irreprimíveis no futuro enteado. E isso até acontece, mas o incidente tem um desfecho simplista e moralista. Não se pode esquecer que o roteirista William Ludwig era quem escrevia as histórias para a série ‘Andy Hardy’ (Mickey Rooney), que abarrotaram os cofres da MGM de dinheiro nos anos 40. Outra subtrama menos comum em faroestes é a não bem explicada obsessão do bandido Gunn (Arch Johnson) pelo bandido mais jovem e exibicionista Blondie (Rayford Barnes) baleado em duelo por Tom Early. Chama a atenção também a liderança exercida pelo pregador nos cidadãos da cidade. Uma espécie de Capitão-Reverendo Samuel Johnston Clayton (Ward Bond) de “Rastros de Ódio”, o personagem de Chill Wills leva a crer que o sistema político da pequena cidade, ainda sem xerife ou juiz, é a teocracia.

Granger, Gregory, Arch Johnson, Steve Rowland
(no chão) e Rhonda Fleming.
A ambiguidade suprimida - Tanto os temas ambíguos como o político certamente deviam ter sido melhor desenvolvidos na história de Ben Maddow. O escritor vítima da Lista Negra de Hollywood foi mais feliz quando teve “Johnny Guitar”, também repleto de ambiguidades levado ao cinema e tornado um Western Cult. Mas quem nasceu para ser Roy Rowland jamais poderia chegar a Nicholas Ray e a prova disso é “A Arma de um Bravo” que resultou em apenas um western rotineiro, o que é uma pena. Ponto positivo no filme de Rowland é a boa interpretação de Stewart Granger, sempre um ator bastante simpático, além de correto. O filme não dá maior oportunidade ao ótimo James Gregory em sua interpretação como o rico criador. Chill Wills repete o tipo exuberante de outros filmes, chegando até a cantar, ele que no início de carreira era membro do “The Avalon Boys”. Boa interpretação também de Jacques Aubuchon como o ressentido comerciante apaixonado por Rhonda Fleming. Os bandidos da estranha amizade são o violento Arch Johnson e Rayford Barnes. Procurando agradar ao público jovem, Roy Rowland num exemplo de nepotismo hollywoodiano deu para seu filho Steve Rowland o papel de Tom Early Jr., mas Steve é ruim de doer, o mais fraco do elenco. Destaque para as presenças dos conhecidos William Fawcett, Lane Bradford e Bud Osborne. Mas a melhor coisa do filme é mesmo Rhonda Fleming.

A sensual Rhonda Fleming despertando a sexualidade de Steve Rowland.


O casal Stewart Granger e Jean Simmons.
A estonteante Rhonda Fleming - Uma das mais belas ruivas do cinema, Rhonda Fleming está exuberante em “A Arma de um Bravo”, ainda que vestida sem nenhum glamour. O melhor momento do filme é dela, na cena em que provoca involuntariamente o filho de Tom Early, sequência deliciosamente excitante. Atriz de limitados recursos interpretativos, com sua extraordinária beleza e cativante sorriso, Rhonda faz a alegria do público masculino e certamente a inveja das mulheres. Stewart Granger se apaixonou de tal forma pela América que comprou até um rancho no qual criava cavalos. O cavalo branco que monta esplendidamente em “A Arma de um Bravo” era de sua propriedade. Granger e a esposa Jean Simmons se naturalizaram cidadãos norte-americanos e Jean visitou as locações onde o marido filmava, local próximo de onde ela atuava ao mesmo tempo em “Da Terra Nascem os Homens”. Curiosamente, a canção “Ninety and Nine”, que abre “A Arma de um Bravo” é interpretada por Burl Ives que tem destacada atuação no clássico western de William Wyler. Após a separação do casal Stewart Granger e Jean Simmons, o ator inglês renunciou à cidadania norte-americana. Granger fez quatro faroestes nos Estados Unidos e outros três na Alemanha, interpretando 'Old Surehand' na série "Winnetou" baseada em histórias de Karl May. O melhor momento de Stewart Granger em westerns foi ao lado de John Wayne no movimentado "Fúria no Alasca", de Henry Hathaway.







6 comentários:

  1. Não consigo gostar de Granger. Ele me passa antipatia. Mas a beleza da ruiva Rhonda Fleming vale qualquer filme.

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
  2. José Fernandes de Campos15 de setembro de 2012 15:41

    Valeu Falcão Maltez. Stwart Granger era dose, mas Rhonda era muito boa atriz alem de ser bonita e simpatica. É só assistir NO SILENCIO DE UMA CIDADE de Frits Lang, SILENCIO NAS TREVAS de Siodmak. Pena que nunca consegui assistir FUGA DO PASSADO. bAté derepente

    ResponderExcluir
  3. José Fernandes de Campos15 de setembro de 2012 15:44

    Onde está o Sr. Jurandir que nunca mais li seus comentários? Escreva qualquer dia pois você colabora muito com o blog.

    ResponderExcluir
  4. Olhaí, na foto com o elenco, James Gregory está identificado como... Stewart Granger.
    No mais, um abraço e parabéns pelo blog. Divino maravilhoso.

    ResponderExcluir
  5. Olá, José Tadeu, grato pela correção. Foi uma dessas cochiladas que de vez em quando acontecem. Vou corrigir já.
    Um abraço do Darci

    ResponderExcluir
  6. Prezado Darci,
    "A Arma de Um Bravo" (Gun Glory) é um western plenamente assistível com ótima fotografia, excelentes locações, boas interpretações do elenco. Apesar da direção de Roy Rowland ser mais ou menos rotineira conta com a beleza deslumbrante de Rhonda Fleming, na época, uma das mais belas atrizes do cinema norte-americano e uma das minhas favoritas.

    Em 1970 quando o seu então marido Hall Bartlett filmava “Capitães de Areia” (The Sandpit Generais), aqui em Salvador, tive o prazer de conhecer pessoalmente Rhonda Fleming que além de ser extremamente bonita ao vivo, mostrou-se acessível e de muito bom humor com todos que se aproximavam para conhecê-la.

    RH não participou do elenco do filme, veio para acompanhar o seu filho Kent Lane que era o personagem principal do romance de Jorge Amado, transportado pala primeira vez para o cinema.

    Paralelamente os italianos filmavam em Itapoã a produção “O Cangaceiro” com Tomas Millian e Esmeralda Barros, se a minha memória não está falhando(não sei por que o seu nome não consta no elenco desse filme e em sua filmografia).

    Mario Peixoto Alves

    ResponderExcluir