UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

2 de agosto de 2012

SILVERADO, O TREPIDANTE E RADIANTE FAROESTE DE LAWRENCE KASDAN

  
Lawrence Kasdan pertence a uma geração de cineastas que decidiu reviver os bons tempos das matinês em que a garotada vibrava com seriados de aventuras e com faroestes. Em 1980, aos 30 anos, Kasdan escreveu o roteiro para o segundo episódio da série “Guerra nas Estrelas”, série inspirada nos heróis interplanetários Flash Gordon e Buck Rogers, dos anos 30. Em seguida Lawrence Kasdan escreveu um roteiro contando as primeiras aventuras do arqueólogo aventureiro chamado Indiana Jones, baseando-se desta vez no seriado “A Adaga de Salomão”, de 1943, estrelado por Rod Cameron. O filme se chamou “Os Caçadores da Arca Perdida”. Faltava Kasdan homenagear os faroestes que eram a essência da programação das matinês, tanto nos States como também no Brasil. Foi então, em 1985, que Kasdan escreveu, produziu e dirigiu “Silverado, um verdadeiro revival dos filmes de mocinho e bandido.


Kevin Kline sendo dirigido por Kasdan.
A LUTA DO BEM CONTRA O MAL - A Silverado do título é uma cidade do Velho Oeste dominada por McKendrick (Ray Baker) um barão do gado que controla Cobb (Brian Dennehy) o xerife da cidade. Chegam a Silverado os irmãos Emmett (Scott Glenn) e Jake (Kevin Costner), acompanhados de Paden (Kevin Kline), amigo recente. Junta-se a eles o negro Mal (Danny Glover), cujo pai foi morto pelos homens de McKendrick. As ações ilegais de McKendrick e Cobb revoltam os quatro amigos que decidem enfrentar o barão de gado e seus pistoleiros, bando reforçado pelo xerife e seus delegados. Apesar da diferença numérica, Emmett, Paden, Jake e Mal intrepidamente liquidam o pequeno exército de antagonistas trazendo a paz a Silverado. Paden permanece na cidade, Mal vai viver em outro Estado e os irmãos Emmett e Jake partem para novas aventuras. Esse enredo simples cria situações repletas de ação que vão se interligando em ritmo incessante, aquele mesmo ritmo dos saudosos faroestes feitos às dúzias pelos pequenos estúdios da zona pobre de Hollywood.

NEM PSICOLOGISMO, NEM REVISIONISMO - A proposta de Lawrence Kasdan com “Silverado” era fugir da tendência revisionista que tomou conta dos faroestes no início dos anos 70. E Kasdan não queria esbarrar no psicologismo que passou a dominar o gênero a partir de filmes como “O Matador”, de 1950. “Silverado” deveria então ter diálogos sem nenhuma complexidade, muita ação e um conjunto de situações vistas em centenas de outros filmes. Se os diálogos deste faroeste de Kasdan não exigem muito raciocínio do espectador para entender a história, isso não significa que sejam feitos para mentes infantis que mal leram seu primeiro livro. Há frases saborosas de cortante ironia e outras exemplarmente construídas dando perfeita consistência ao roteiro. Além disso, há uma simetria de relações entre personagens jamais vista em qualquer outro faroeste, autêntico jogo de xadrez em que cada mocinho têm não só um inimigo especial mas também um envolvimento emocional com uma determinada mulher.

Brian Dennehy, o xerife corrupto.
OS MOCINHOS E SEUS INIMIGOS - O inimigo particular de Kevin Kline é o xerife (Brian Dennehy); o de Scott Glenn é o barão de gado (Ray Baker); para Kevin Costner foi reservado o ajudante sádico do xerife (Jeff Fahey); Danny Glover tem como desafeto o jogador traiçoeiro (Jeff Goldblum). E cada um deles possui também relação particular com uma mulher: Kevin Costner com a ex-namorada de Jeff Fahey (Amanda Wyss); Scott Glenn com a jovem esperançosa da caravana (Rosanna Arquette); Danny Glover com a própria irmã (Lynn Whitfield) que é dominada pelo gigolô Jeff Goldblum. A mais complexa entre todas as relações é a desenvolvida pelo personagem de Kevin Kline com Stella (Linda Hunt) a gerente do saloon 'The Midnight Star'. A feiosa Linda Hunt com 1,45m de altura é a mulher estranha, filosofando a cada frase e por quem o amargo Kevin Kline sente enorme carinho e respeito. Os diálogos travados entre ambos são ambíguos e torna intrigante e singela a amizade dos dois.

Singeleza no Velho Oeste.

O exibicionismo de Kevin Kostner.
COLEÇÃO DE CLICHÊS - O melhor de “Silverado”, porém, são as cenas de ação. Lawrence Kasdan certamente catalogou todas as sequências que rotineiramente eram usadas em faroestes e as colocou no roteiro. Desde estouro de boiada, passando por perseguições a cavalo, caravana de assentadores, lutas em saloon, fuga de prisão, faca escondida na bota, cowboy de ceroulas, a presença macabra da forca, a casa incendiada, até chegar ao duelo final na cidade deserta com a igreja branca ao fundo, nada foi esquecido em “Silverado”. E os personagens arquetípicos frequentes em centenas de faroestes são facilmente reconhecidos, a começar pelo parrudo e corrupto xerife. O personagem de Kevin Costner é uma soma de todos os melhores mocinhos do cinema, saltando sobre o cavalo como, Rocky Lane e Tom Mix, acrobático como Burt Lancaster e Errol Flynn, galanteador como Kirk Douglas e inventivo como nenhum outro jamais conseguiu ser. Kasdan criou para Kevin Kostner a cena em que ele dispara ao mesmo tempo para a esquerda e para a direita acertando dois bandidos simultaneamente. E suas roupas fariam inveja a Shane e mesmo a Roy Rogers.

Lembrando "Matar ou Morrer" e lembrando
"Meu Ódio Será Sua herança".
REFERÊNCIAS A WESTERNS FAMOSOS - O que não falta ainda em “Silverado” são as referências a famosos westerns do cinema norte-americano. A porta que se abre no início do filme, a presença do menino acompanhando o heroísmo de Jake (Kevin Costner), o duelo final numa cidade que poderia se chamar Hadleyville, a amizade entre companheiros marca registrada dos westerns de Howard Hawks. E referência maior é a presença constante dos quatro mocinhos dispostos a sacrificar suas vidas ao se defrontar com a vilania dos poderosos, faltando apenas a caminhada conjunta do mais célebre western de Sam Peckinpah. Com todos esses ingredientes Lawrence Kasdan realizou um faroeste trepidante, emocionante e radiante da mais simples e inocente alegria. Exemplar reedição das festas que eram os faroestes com compromisso único com a emoção e o fascínio causados no juvenil espectador em ritmo de Indiana Jones. Filmado inteiramente em locações no Novo México, “Silverado” se ressente de uma trilha sonora com mais personalidade e não tão próxima às compostas por John Williams, modismo dos anos 80.

Kevin Costner em "Silverado" e como Wyatt Earp.
FRACA BILHETERIA - Kevin Kline, Brian Dennehy, Danny Glover e Linda Hunt têm atuações brilhantes num elenco praticamente sem deslizes. Os excessos de Kevin Costner são apropriados para o espírito do filme que com 130 minutos não encontra espaço para desenvolver melhor os personagens femininos das atrizes Rosanna Arquette, Amanda Wyss e Lynn Whitfield. Desnecessária, talvez a fleugmática presença de John Cleese como xerife da cidade de Turley. Esse xerife, após ver seu chapéu ser perfurado por um tiro decide que ali termina sua jurisdição, frase que bem exemplifica o humor que pontua o roteiro de Kasdan. “Silverado” custou 55 milhões de dólares e rendeu 71 milhões de dólares, em valores atualizados, deixando de ser um sucesso como os blockbusters “Guerra nas Estrelas” e “Indiana Jones”. “Cavaleiro Solitário” (Pale Rider), de Clint Eastwood, produzido também em 1985, custou 15 milhões de dólares e rendeu 88 milhões. Mesmo assim Lawrence Kasdan insistiria no faroeste em 1994, escrevendo e dirigindo “Wyatt Earp”, monumental fracasso que o afastou definitivamente do gênero. Mas a prova de amor pelo faroeste já havia sido dada por Kasdan com “Silverado”, o retorno do western às inesquecíveis matinês dominicais.


AÇÃO!


VIBRAÇÃO!

TENSÃO!


EMOÇÃO!


6 comentários:

  1. O Kasdan teve a idéia genial, em 1985, de despertar o cinema para o faroeste, genero que começou a fenecer do final de 60 para a década de 70.

    Embora nesta décaca, 1970, ainda fossem feitos alguns bons faroestes (Justiceiro Implacável/75, Os Cawboys/72, The Big Jake/71 e O Ultimo Pistoleiro/76, todos estes com nosso idolo maior, o Duke, dentre mais alguns outros de menor importancia.
    De forma que o genero pareceu morrer por ali em definitivo quando, o L Kasdan nos presenteou com um faroeste tipicamente agitado e muito bem feito.

    Juntando um elenco de estrelas, onde o Grover faz seu trabalho sem deixar vez para reclames, e Linda Hunt está muito bem como a bar-woman, o restante do elenco têm, quase todos, seus papeis muito bem definidos e bem interpretados.

    Às excessões de Goldburn, que somente penetra na trama para dar movimento ao já muito ativo western, e o Kostner, perdido num ambito que nunca foi seu e que não precisava dele ali com aquelas pieguices fora de contexto.

    O Kline, que parece somente deslanchar sob os comandos de Irwin Winkler (vide Tempo de Despertar/01 e De Lovely/04, uma formidável cinebiografia de Cole Porter onde o ator está formidável, dá conta de seu recado, embora desse para observar que ainda deixa muito a desejar ali.

    O dono exclusivo do filme é o formidável Brian Dennehy, que já havia roubado do mosntrengo Stallone o filme Rambo, Programado para Matar/82, do Ted Ketcheff, e agora reapresenta outro perfeito show de interpretação superando até o muito bom Scott Glenn ( vide Os Eleitos/83, do P Kaufmann), um ator de qualidade e que faz com perfeição tudo que lhe cai nas mãos.

    Um bom faroeste do Kasdan, que em 1994 voltaria a nos presentear com outra beleza de fita, Wyatt Earp, onde desta vez o Kostner parece ter entrado no ritimo, já que em 1990 fez o seu premiado Dança com Lobos e já parecia conhecer os caminhos corretos para um bom trabalho.
    jurandir_lima@bol.com.br
    achado o seu rumo e que em

    ResponderExcluir
  2. Um ótimo western, que deu a impressão na época que o gênero poderia render filmes com maior frequência. No mesmo ano Clint Eastwood fez "O Cavaleiro Solitário", mas infelizmente os longas continuaram esporádicos nestes últimos vinte e cinco anos.

    Abraço

    ResponderExcluir
  3. JOSE FERNANDES DE CAMPOS31 de agosto de 2012 21:15

    GRANDE FILME> BOM ELENCO> CENOGRAFIA PERFEITA> BRIAN ROUBANDO O FILME É DEMAIS, PARABENS PARA QUEM COMENTOU. E O COSTNER?

    ResponderExcluir
  4. Estou citando (e elogiando) seu blog (junto com o Bang Bang à Italiana) em um sobre jogos, já que vão lançar um sobre o tema "Faroeste" para RPG de mesa.

    Abraços e parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Ah, desculope, se precisar conferir é saiadamasmorra.blogspot.com . Abraços

    ResponderExcluir
  6. Excelente faroeste, inesquecível! Silverado tem todos os clichês dos velhos westerns o que nos faz recordar os grandes clássicos de todos os tempos. É um filme que não complica, é direto, agradável e ao mesmo tempo não é um filme bobo. Ao contrário, o elenco é excelente contando com grandes atuações e o final embora previsível não decepciona. Vale a pena rever sempre.

    ResponderExcluir