UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

18 de março de 2011

VÍDEO DOS GRANDES WESTERNS

Ouça o tema principal do western
"Da Terra Nascem os Homens"
enquanto você assiste ao vídeo
com uma coleção de posters
dos grandes westerns do cinema.

video

Um comentário:

  1. Acho que vou abusar um pouco no meu comentário sobre esta fita, que considero o meu faroeste numero um. Sei que, de um modo geral, é uma fita sempre muito bem vinda a todos que adoram o bom faroeste, muito bem aceita por todos cinéfilos, porem eu sou o mais exagerado de todos, acho.
    Este é um filme repleto de boas cenas, achados exclusivos, uma historia inédita em faroestes, com uma musica de eriçar os pelos, além de magnificas interpretações, cenários deslumbrantes e com uma narrativa simples e bem esquadrinhada.
    As cenas de sua luta para montar trovão, os desafios nem sempre discretos de Heston para um combate pessoal, o convite de Peck a Heston para uma "despedida", a postura de Burl Yves, a beleza singela de Jean Simmons, a ótima atuação e bom papel de Peck, assim como o sempre muito bom Charles Bickfor em cena, enlevam esta historia, sempre embalada pela fabulosa trilha de Jerome Moross, a nos aquecer os sentidos e nos proporcionar uma sensação de que estamos vivendo no meio de todo aquele desenrolar.
    Aquela modesta cena entre Peck e Simmons, na fazenda de Burl Yves, depois daquele conflito com o filho do fazendeiro, Connors, quando Peck se aproxima de Simmons, eles se fitam e, sem pronunciar palavra sequer, se abraçam fortemente, chega a ser um achado de tão belo e compreendido momento. Um abraço congestionado e surgido pelos momentos difíceis que ambos passavam e que, possivelmente alheio à vontade dos dois, onde as circunstancias que viviam lhes aproximavam sem que eles isto percebessem, culminando com aquele momento quase que sublime.
    É uma cena belissima e muito rápida, mas que jamais passou desapercebida por mim, assim como quele olhar que um dá para o outro no finalzinho da fita, depopis que Yves e Bickford se matam e eles descem, juntos com o ex-empregado de Henry Terrill, é um outro lindo instante desta fita.
    Heston, que fez esta fita empurrado por insistencia e observações de amigos, pois não a queria realizar, segue muito bem no papel do fiel capataz de Terrill, alterando sua personalidade durante o desenrolar da fita e localizando onde errava e procurando um caminho alternativo. Isto depois que um companheiro seu, debaixo de uma arvore e sentados, diz para ele que não gosta do que está fazendo e que, até que brigar com os Hanassey era admissível, mas que detestava impedir que seu gado bebesse água.
    Aquele é o momento em que Heston, apesar de não atender e repreender o vaqueiro, começa a mastigar sua posição silenciosamente. Então ligeira mudança em sua condução já começa a brotar a partir dali.
    Uma grande fita, um Oscar digno, embora pouco para tudo que o filme tem, como a musica. É um filme tão perfeito e bem aceito que há 53 anos vem encantando o mundo e sendo visto e revisto incontaveis vezes.
    E é o meu faroeste de prateleira, um filme todo completo, muito humano, belo e perfeitamente concluido.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir