UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

20 de abril de 2016

TOP-TEN WESTERNS DO CINÉFILO, ROTEIRISTA, ATOR E DIRETOR JOSÉ FLÁVIO MANTOANI


Rex Allen
Com uma coleção de filmes que já atingiu dez mil títulos (isso mesmo, dez mil filmes), José Flávio Mantoani é um cinéfilo muito especial. Seu fantástico e diversificado acervo contém por volta de três mil westerns, ou seja, provavelmente a mais completa coleção particular de westerns do Brasil. Desnecessário dizer que José Flávio conhece faroestes como poucos, gênero que começou a assistir ainda menino, nos anos 50, quando mal conseguia ler as legendas dos emocionantes westerns B. Dos ‘far-wests’ com Rex Allen (seu mocinho favorito), Rocky Lane, Hopalong Cassidy, Roy Rogers e tantos outros, assistidos em Brodowski (SP), sua cidade natal, José Flávio passou, com a mesma paixão, para os faroestes de melhor qualidade e grandes filmes de modo geral. Marlon, Brando, Paul Newman, Burt Lancaster, Dirk Bogarde e Tony Curtis passaram a ser os astros preferidos de José Flávio, que se extasiava diante da beleza de Audrey Hepburn, Rita Hayworth, Ingrid Bergman, Sophia Loren e Jane Russell, atrizes que mais gostava. Se eram exibidos faroestes ele procurava não perder e John Wayne, Gary Cooper, Randolph Scott, Glenn Ford, Henry Fonda, James Stewart, Audie Murphy, Gregory Peck estavam entre os atores que também atraíam o cinéfilo brodosquiano nos muitos westerns que faziam.


O grande colecionador musical - Quando as telas de nossos cinemas foram invadidas por protagonistas com nomes estranhos como Ringo, Django, Sartana e Sabata, todos com caracterizações que pouco lembravam os ídolos norte-americanos, José Flávio aceitou a novidade com naturalidade. Mais ainda quando a trilha sonora musical desses filmes era assinada por Ennio Morricone. Apaixonado por trilhas sonoras de filmes, José Flávio percebeu que cada trilha do maestro-compositor era uma preciosidade musical e corria às lojas para adquirir o long-playing correspondente ao western-spaghetti. Quando ainda não existiam as fitas VHS, muitos cinéfilos adquiriam o álbum com a trilha musical dos filmes e José Flávio não fugiu a essa regra, com a diferença que adquiria todo e qualquer disco que trouxesse músicas de filmes. E se o álbum fosse com a orquestra do maestro-compositor Henry Mancini, seu preferido, a alegria do cinéfilo era ainda maior. Como resultado de tantas aquisições, a coleção de José Flávio chegou aos 1.500 LPs de trilhas sonoras, parte especial dos cinco mil álbuns que suas estantes acomodam. Para o bem ou para o mal vieram os CDs que perdiam quanto à beleza gráfica das capas dos LPs e hoje o colecionador possui oito mil CDs, mais da metade deles só de trilhas sonoras de filmes.

José Flávio Mantoani junto a seus amados LPs, grande parte deles
trilhas sonoras originais de filmes.

Algumas das trilhas preferidas.
As melhores trilhas musicais dos faroestes - Profundo conhecedor de músicas de filmes, José Flávio cita a trilha de Elmer Bernstein composta para “Sete Homens e um Destino” (The Magnificent Seven) como uma das mais perfeitas no gênero western. Mas lembra que Victor Young compôs tantas e tão belas trilhas, entre elas a de “Os Brutos Também Amam” (Shane), afirmando ser quase impossível dizer que uma trilha sonora musical seria a melhor de todas. E cita ainda como magníficas trilhas musicais para westerns as compostas para “Matar ou Morrer” (High Noon), de Dimitri Tiomkin; “A Árvore dos Enforcados” (The Hanging Tree), de Max Steiner; “Da Terra Nascem os Homens” (The Big Country), de Jerome Moross; “O Ouro de Mackenna” (Makckenna’s Gold), de Quincy Jones. O compositor italiano Ennio Morricone está entre aqueles que José Flávio mais admira e mais possui discos, entre Lps e CDs, ultrapassando 300 itens em sua coleção, pontificando as trilhas que Morricone compôs para “Três Homens em Conflito” (Il Buono, Il Brutto, Il Cattivo) e “Era Uma Vez no Oeste” (C’Era Uma Volta Il West).

José Flávio Mantoani como ator em
"Dioguinho - O Retorno do Matador".
Fazendo cinema - José Flávio Mantoani é destacado membro do Grupo de Cinema de Brodowski, que em parceria com a TV Educativa da cidade, já produziu nada menos que 18 longa-metragens. Entre esses muitos filmes está uma excelente refilmagem do faroeste caboclo “Dioguinho” (2002), bem como “Dioguinho - o Retorno do Matador” (2015). Nessas produções José Flávio foi o responsável pela trilha sonora musical, além de escrever roteiros, dirigir e atuar desempenhando convincentes personagens. Com essa invejável bagagem José Flávio Mantoani não poderia deixar de indicar para o WESTERNCINEMANIA quais os faroestes que considera os melhores de todos os tempos. O cinéfilo brodosquiano listou não só os dez melhores westerns mas também os dez subsequentes, filmes igualmente clássicos. Eis o Top-Ten do eclético cinéfilo de Brodowski:


1.º) Rastros de Ódio (The Searchers), 1956 – John Ford


* * * * *


2.º) No Tempo das Diligências (Stagecoach), 1939 – John Ford


* * * * *


3.º) O Homem que Matou o Facínora (The Man Who Shot Liberty Valance), 1962 – John Ford


* * * * *


4.º) Matar ou Morrer (High Noon), 1952 – Fred Zinnemann


* * * * *


5.º) Os Brutos Também Amam (Shane), 1953 – George Stevens


* * * * *


6.º) Vera Cruz (Vera Cruz), 1954 – Robert Aldrich


* * * * *


7.º) Era Uma Vez no Oeste (C’Era Uma Volta Il West), 1968 – Sergio Leone


* * * * *


8.º) O Matador (The Gunfighter), 1950 – Henry King


* * * * *

9.º) Os Imperdoáveis (Unforgiven), 1992 – Clint Eastwood


* * * * *


10.º) Sete Homens e Um Destino (The Magnificent Seven), 1960 – John Sturges



* * * * *


11.º) Três Homens em Conflito (Il Buono, Il Brutto, Il Cattivo), 1966 – Sergio Leone

12.º) Duelo ao Sol (Duel in the Sun), 1946 – King Vidor

13.º) O Homem dos Olhos Frios (The Tin Star), 1957 – Antony Mann
  
14.º) Winchester 73 (Winchester ’73), 1950 – Anthony Mann
  
15.º) Correio do Inferno (Rawhide), 1951 – Henry Hathaway

16.º) O Homem do Oeste (Man of the West), 1958 – Anthony Mann

17.º) Viva Zapata! (Viva Zapata!), 1952 – Elia Kazan

18.º) Pistoleiros do Entardecer (Ride the High Country), 1962 – Sam Peckinpah
  
19.º) Onde Começa o Inferno (Rio Bravo), 1959 – Howard Hawks
  

20.º) Um de Nós Morrerá (The Left Handed Gun), 1958 – Arthur Penn



6 comentários:

  1. Excelente e intocável Top 10 com um bônus de mais 10 títulos fabulosos (ainda não assisti "Correio do Inferno"). Há dois dias revi "O Matador" e fiquei feliz de encontrá-lo na lista de José Flávio Mantoani. A propósito, fiquei admirado com as coleções de filmes, LPs e CDs do cinéfilo. Parabéns!
    Márcio/MG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja Márcio , Correio do Inferno é eletrizante.

      Excluir
  2. Pena não ter visto WILD BUNCH na Lista.. de resto excelente.. Parabéns pelo bom gosto..

    ResponderExcluir
  3. Bravo! dois com meu Gary.
    Só filmaços.
    Só senti falta de Almas em Fúria, para mim um dos grande de Antony Mann.

    ResponderExcluir
  4. Lista muito boa a do amigo José Flávio! Metade dos seus escolhidos também estão entre os meus 10 favoritos.
    E que coleção de LPs, hein?! Fantástica!
    Parabéns e um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns ao Mith pela lista e ao Darci pelo post. Abraço aos dois!
    Beto Nista

    ResponderExcluir