UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

26 de março de 2013

SÉRIES WESTERNS DA TV - O HOMEM DE VIRGÍNIA, UM CLÁSSICO DO FAROESTE



Quando Owen Wister escreveu “The Virginian”, em 1902, o cinema engatinhava e a televisão só existia na imaginação de cientistas malucos. A história de Owen Wister falava de um cowboy conhecido apenas como ‘O Homem de Virgínia’ que era introspectivo, corajoso e por vezes galante. Esse misterioso personagem tinha um código de honra próprio para enfrentar os perigos do Velho Oeste. Entre esses perigos estava um bandido conhecido por ‘Trampas’ que ao final da história original é morto pelo ‘The Virginian’.

O cinema explorou bastante o herói criado por Owen Wister.

Homens de Virgínia: Joel McCrea,
Dustin Farnum e Gary Cooper;
o Trampas é Walter Huston.
‘The Virginian’ no cinema - Em 1914 o cinema já era uma realidade e um promissor produtor-diretor de 33 anos chamado Cecil B. DeMille dirigia um de seus primeiros filmes, “The Virginian”, protagonizado por Dustin Farnum e com William Elmer interpretando ‘Trampas’. O western de DeMille era baseado na história de Owen Wister que foi levada ao cinema pela segunda vez em 1923, num filme de Tom Forman intitulado “Como Devem Ser os Homens” (The Virginian). Quem interpretou o Homem de Virgínia foi Kenneth Harlan e o bandido Trampas foi vivido por Russell Simpson. Em 1929 a história de Owen Wister seria filmada novamente com o título “Agora ou Nunca” (The Virginian), dirigida por Victor Fleming (“E o Vento Levou” e “O Mágico de Oz”). O protagonista foi um jovem ator de nome Gary Cooper que parecia fadado a fazer muito sucesso. Desta vez o vilão Trampas foi interpretado por Walter Huston e numa ponta pode ser visto um novato chamado Randolph Scott. Somente em 1946 o Homem de Virgínia voltaria a cavalgar no cinema, interpretado por Joel McCrea em “Suprema Decisão” (The Virginian), dirigido por Stuart Gilmore. Coube a Brian Donlewy ser o homem mau Trampas.


James Drury
‘The Virginian’ chega à TV - Parecia que o cinema havia esquecido a história de Owen Wister, mas a televisão, que em 1958 já estava derrotando o cinema como forma de entretenimento, voltou a lembrar do Homem de Virgínia. Isso aconteceu numa série chamada ‘Decision’ que durou somente 13 episódios de meia hora. O primeiro desses episódios teve justamente o título “The Virginian” e foi baseado no personagem criado por Wister no início do século. Quem interpretou o herói foi o pouco conhecido James Drury, mais lembrado por ter sido um dos irmãos de Elvis Presley em “Ama-me com Ternura”, filme de estréia do Rei do Rock ’n’ Roll no cinema. Essa adaptação para a TV tinha ainda no elenco Andrew Duggan, Jeanette Nolan e um ator robusto chamado Dan Blocker. Apesar desses nomes, essa espécie de piloto de “The Virginian” foi esquecida até que em 1962 a Revue Productions, braço da televisão da MCA-Universal Pictures decidiu que “The Virginian” poderia ser uma interessante série de TV. Deveria concorrer com “Gunsmoke”, “Bonanza”, “Cheyenne”, “O Homem do Rifle” e outras séries consagradas e com excelentes índices de audiência. A nova série teria de ter algo diferente, alguma coisa especial para alcançar sucesso e ela de fato tinha um inesperado diferencial.

Lee J. Cobb, James Drury e Doug McClure.
Episódios de 75 minutos de duração - As primeiras séries filmadas para a TV tinham episódios de 25 minutos de duração, passando mais tarde, quase todas, para 50 minutos. “Gunsmoke” começou com aquela duração menor e depois passou a ser exibida com 50 minutos. “Bonanza”, outra série de sucesso, sempre teve 50 minutos, o que possibilitava contar melhor uma história. Eis que a nova série filmada em 35mm e em cores e exibida pela NBC, tinha como novidade a duração de 75 minutos, que com a inserção dos comerciais, fazia com que os programas tivessem 90 minutos. Foi assim que no dia 19 de setembro de 1962, uma quarta-feira, das 19h30 às 21 horas, “The Virginian” foi ao ar pela primeira vez, exibindo o episódio intitulado “The Executioners”. Além do misterioso virginiano, o elenco trazia os nomes de Lee J. Cobb (Juiz Henry Garth), Doug McClure (Trampas), Gary Clark (Steve Hill), Pippa Scott (Molly Wood), Roberta Shore (Betsy Garth, filha do Juiz), todos personagens fixos da série. Como convidados especiais participaram desse primeiro episódio Hugh O’Brian, Colleen Dewhurst e John Larch. A produção da série ficou a cargo de Frank Price.


Doug McClure, o 'Trampas'.
Trampas deixa de ser bandido - Quem conhecesse a história original ou houvesse assistido a uma das versões para o cinema estranhou o fato de o personagem Trampas não ser bandido e sim um cowboy do Rancho Shiloh, rancho pertencente ao Juiz Henry Garth. Trampas foi transformado em um jovem um tanto rebelde e irresponsável mas também bem humorado e corajoso, contraponto perfeito para o Homem de Virgínia, capataz do rancho e cowboy de temperamento quieto e que nunca falava sobre suas origens. O que o Virginiano tinha de econômico nas palavras tinha de agilidade no gatilho, de honesto e justo, sendo que jamais revelou seu nome verdadeiro. Sergio Leone devia assistir a essa série pois o herói de seu primeiro filme também não possuía um nome, sendo conhecido como ‘The Stranger’. O Virginiano e Trampas nem sempre se entendiam, mas juntos ajudavam a manter a lei e a ordem em Medicine Bow, cidade que ficava no Wyoming na década de 1890, época em que se desenrolavam as histórias da série. O público gostou do novo formato que exigia atenção por uma hora e meia, como se estivesse assistindo a um filme de longa metragem, apenas interrompido pelos comerciais. Com episódios abordando temas adultos, não demorou para “The Virginian” entrar para a lista das séries mais assistidas, despertando o interesse de artistas famosos do cinema e da TV que pediam a seus agentes para conseguir participação especial em episódios da série “The Virginian”. Assim o público podia ver a cada semana vencedores de Oscar como Bette Davis, Joan Crawford, Greer Garson, Edmond O’Brien, Broderick Crawford e Miyoshi Umeki ou futuros vencedores de Oscar como Lee Marvin e Ben Johnson. Entre nomes famosos que participaram da série vale lembrar Yvonne De Carlo, Rhonda Fleming, Janet Leigh, Charles Bronson e bandidões como Neville Brand, Claude Akins e Jack Elam, entre outros, atuando nas histórias criadas para a série.

Charles Bickford
Mudanças constantes no elenco – Na 3.ª temporada a cidade de Medicine Bow ganhou um xerife chamado Emmett Ryker, interpretado por Clu Culager e o Rancho Shiloh recebeu o personagem Randy Benton um cowboy que tocava guitarra e cantava, interpretado por Randy Boone. Na 4.ª temporada Norman McDonell, o produtor de “Gunsmoke” substituiu Frank Price na produção de “The Virginian”, promovendo algumas alterações no elenco. O Juiz Henry Garth (Lee J. Cobb) tornou-se o governador do Wyoming, desaparecendo da série. Com a saída de Lee J. Cobb, McDonell trouxe John Dehner para interpretar Morgan Starr, o novo proprietário do Rancho Shiloh. A substituição não deu certo e durou apenas sete episódios. Frank Price retornou como produtor da série e no início da 5.ª temporada o ‘Shiloh Ranch’ possuía novo dono, um fazendeiro chamado John Grainger, interpretado por Charles Bickford. Com Bickford vieram também seus netos Elizabeth Grainger (Sara Lane) e Stacey Grainger (Don Quine). Durante a 6.ª temporada, no mês de novembro, Charles Bickford faleceu e o Rancho Shiloh, sem nenhuma explicação, passou a ser dirigido por Clay Grainger, irmão de John Grainger. Quem interpretou Clay Grainger foi John McIntire, que já havia substituído Ward Bond na série “Caravana” quando Bond faleceu em 1959. As trocas de personagens não alteraram muito o comportamento da série “The Virginian” nos índices de audiência, com o programa aparecendo sempre entre os 30 mais assistidos da televisão norte-americana. A melhor colocação da série foi na quinta temporada, quando obteve a 10.ª colocação, empatando com o famoso “Ed Sullivan Show”. Quando chegou à 8.ª temporada, “The Virginian” passou a perder público e pela primeira vez deixou de figurar entre os Top-30 programas mais assistidos. Foi quando ocorreram as mudanças mais radicais na série.

Quatro fases diferentes de "O Homem de Virgínia": James Drury, Pippa Scott,
Roberta Shore, Lee J. Cobb e sentados Doug McClure e Gary Clarke;
James Drury, Charles Bickford e Don Quine;
Doug McClure, Jeanette Nolan, James Drury, Sara Lane e John McIntire;
Doug McClure, Stewart Granger e James Drury.

9.ª e última temporada: Stewart Granger e
Lee Majors se juntam a Doug McClure
e a James Drury.
The Men from Shiloh - Após 225 episódios parecia que a carreira de “The Virginian” se aproximava do fim. Mas não foi o que aconteceu pois em setembro de 1970 o programa foi ao ar iniciando a 9.ª temporada com o novo nome “The Men from Shiloh”, mantendo do elenco original apenas o Homem de Virgínia (James Drury) e Trampas (Doug McClure). O ‘Shiloh Ranch’ foi adquirido pelo Coronel Alan MacKenzie, interpretado pelo ator inglês Stewart Granger. Outra cara nova na série foi o personagem Roy Tate, interpretado por Lee Majors, que antes atuara na série “The Big Valley”. Stewart Granger declarou que detestava televisão e que só iria atuar na série pelo bom salário que lhe foi oferecido. Lee Majors, por sua vez faria bela carreira na TV interpretando um homem biônico na série “O Homem de Seis Milhões de Dólares” e mais tarde tendo novo sucesso com a série “Duro na Queda”.

Únicos atores a participar da série por
nove anos: James Drury e Doug McClure.
Lançamento em DVD NOS EUA - Mesmo com “The Men from Shiloh” melhorando a audiência e atingindo o 18.º posto entre os programas mais vistos da televisão norte-americana, a Revue Productions decidiu cancelar a nova série após 24 episódios. Outra novidade dessa 9.ª temporada foi o novo tema musical composto pelo já famoso Ennio Morricone. Nas oito primeiras temporadas o tema musical de “The Virginian” era a canção “Lonesome Tree”, composta pelo maestro Percy Faith. No Brasil a série “The Virginian” foi exibida como “O Homem de Virginia”, encontrando problemas com as grades de programação pela duração de 75 minutos de cada episódio da série. O personagem criado por Owen Wister rendeu um total de 249 episódios em nove temporadas, tornando-se a terceira série western de maior longevidade da televisão, perdendo apenas para “Gunsmoke” (635 episódios) e “Bonanza” (430 episódios). James Drury atuou em 248 episódios e Doug McClure em 247 episódios da série "The Virginian". James Drury era chamado de ‘O Garbo da TV’ por sua aversão (como fazia a sueca Greta) a dar entrevistas e falar de sua vida pessoal. O ator seguia à risca a filosofia de vida do Homem de Virgínia. Doug McClure dividia com James Drury a preferência dos fãs da série, sendo que o louro ator faleceu em 1995 aos 59 anos de idade, de câncer do pulmão. Com o passar do tempo James Drury mudou um pouco sua personalidade e é hoje um dos mais ativos entre os atores veteranos da TV, comparecendo aos eventos que reúnem os antigos ídolos. Bem escrita e contando sempre com excelentes atores, “O Homem de Virgínia” é reconhecida como uma das melhores séries westerns de TV, deixando imensa saudade nos fãs. Pensando neles todas as nove temporadas foram lançadas nos Estados Unidos enquanto os fãs brasileiros continuam aguardando pelo lançamento nacional, contentando-se com cópias dos antigos episódios dublados exibidos pela TV Tupi.



Nenhum comentário:

Postar um comentário