UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

6 de abril de 2015

JIM BOWIE, SUA FACA E A TRAJETÓRIA CINEMATOGRÁFICA DO LENDÁRIO HERÓI


Acima desenho retratando
Jim Bowie; abaixo montagem
com Alan Ladd e o colecionador
de facas Beto Nista.
Hollywood, ajudada pela televisão, nunca deixou de explorar as figuras lendárias da rica história norte-americana e uma das principais e mais focalizadas em filmes é a de Jim Bowie. Invariavelmente mostrado como herói, Bowie ganhou maior notoriedade com sua morte ocorrida no cerco do Álamo, em 1836 A biografia verdadeira de Jim Bowie apresenta um homem bastante diferente daquele que o cinema ajudou a criar pois esse pioneiro era, na realidade, homem briguento, tendo sido especulador de terras, traficante de escravos e contrabandista antes de virar herói nacional. James Bowie, nascido em 1796, no Kentucky, foi criado na Louisiana, vivendo algum tempo em New Orleans, adquiriu posteriormente a cidadania mexicana quando o Texas ainda pertencia ao México. Por ocasião da anexação daquele território aos Estados Unidos, Bowie passou a defender o Texas para os norte-americanos. Jim Bowie era considerado um homem alto comparativamente à média de altura de seu tempo. Tinha ele 1,80m de altura e 80 quilos de peso, sendo chamado por muitos como Big Jim Bowie e carregava na cintura a famosa faca que recebeu o seu nome. Do modelo original foram criados inúmeros outros modelos de facas Bowie que são os itens mais estimados dos colecionadores de facas. [O colecionador brasileiro Beto Nista possui nada menos que 60 modelos diferentes de facas Bowie, todas fabricadas nos Estados Unidos.] Entre os atores que viveram Jim Bowie no cinema e em filmes e séries produzidos para a televisão estão Richard Widmark, Alan Ladd, James Arness e muitos outros mostrados a seguir.



Os primeiros Jim Bowie do cinema - A primeira vez que a figura de Jim Bowie foi levada às telas foi em 1915, em “Martíres do Álamo” (Martyrs of the Alamo), filme dirigido por W. Christy Cabanne. Nesse filme de 71 minutos supervisionado por David W. Griffith, quem interpreta Jim Bowie é o ator Alfred Paget. Em 1925 Robert N. Bradbury dirigiu “Davy Crockett at the Fall of the Alamo” (foto à direita), com Bob Fleming interpretando Jim Bowie. Nesse filme de 61 minutos Bob Steele, filho do diretor Bradbury tem um pequeno papel, ainda usando o nome ‘Bob Bradbury Jr.’, antes de adotar o nome artístico que o tornou famoso. Somente em 1936 o cinema voltaria a focalizar a inglória resistência do Álamo, desta vez em um filme com atores bastante conhecidos dos fãs de westerns. O título foi “Heroes of the Alamo” (foto à direita), sob a direção de Harry L. Fraser, com Lane Chandler como Davy Crockett, Rex Lease como Coronel Travis, Earle Hodgins como Sephen Austin e Roger Williams vivendo Jim Bowie. 

O primeiro filme que falou de James Bowie, supervisionado por D.W. Griffith.

“Davy Crockett at the Fall of the Alamo” vendo-se Bob Steele entre dois atores;
na foto à direita Jim Bowie (Alfred Paget) liderando um grupo de homens.
 

Seriado da Republic Pictures - Os anos 30 se notabilizaram por produzir muitos seriados que se tornaram clássicos como a trilogia de Flash Gordon, da Universal, estrelada por Larry Buster Crabbe. Porém uma produtora recém-criada com a fusão de diversos pequenos estúdios se tornaria uma verdadeira fábrica de filmes em capítulos que faziam a alegria do público infanto-juvenil. Era a Republic Pictures que em 1937 lançou “O Aliado Misterioso” (The Painted Stallion), em 12 episódios dirigidos por William Witney, Ray Taylor e Alan James. O elenco desse seriado trazia alguns dos mais importante nomes do cast da Republic, entre eles Ray Corrigan, Hoot Gibson, Duncan Renaldo, Yakima Canutt, LeRoy Mason, Charles King e Hal Taliaferro, este como Jim Bowie. Embora tenha a participação do criador da famosa arma branca, “O Aliado Misterioso” não é sobre o Álamo e sim uma história contando a saga da primeira caravana que rumou em direção a Santa Fé.

Cena do seriado "Aliado Misterioso", vendo-se com Ray 'Crash' Corrigan,
Hoot Gibson, o menino Sammy McKim e o Jim Bowie Hal Taliaferro à direita.

MacDonald Carey como Jim Bowie.
Perto e longe do Texas - Em 1937 a Republic Pictures voltou a falar de Jim Bowie quando contou a história do General Sam Houston em “A Grande Conquista” (Man of Conquest), dirigido por George Nichols Jr. Nesta produção atores de prestígio como Richard Dix (Sam Houston), Victor Jory (Coronel Travis), Robert Barrat (David Crokett) e George Gabby Hayes contracenaram com Robert Armstrong, o Jim Bowie deste filme biográfico. A próxima aventura de Jim Bowie no cinema aconteceu no western “Terra Selvagem” (Comanche Territory), de George Sherman, western B de 1950. MacDonald Carey é Jim Bowie que intercede numa iminente guerra entre rancheiros brancos que desrespeitam o Tratado Governamental de Paz com os Comanches. O prêmio para Jim Bowie é Maureen O’Hara, num elenco que tem ainda Will Geer, James Best e Charles Drake.

Robert Armstrong, Richard Dix e George 'Gabby' Hayes.

Alan Ladd
Alan Ladd como Jim Bowie - A década de 50 visitou muitas vezes o mito Jim Bowie, sua enorme faca e suas aventuras, começando por 1952 quando Alan Ladd deixou a Paramount depois de “Shane” mudando-se para a Warner Bros. para ser Jim Bowie em “Nenhuma Mulher Vale Tanto” (The Iron Mistress), biografia romanceada dirigida por Gordon Douglas. Alan Ladd possivelmente tenha sido o ator de menor estatura a interpretar Big Jim Bowie num filme que dá especial atenção à fabricação da enorme faca por seu criador. Virginia Mayo é a causadora de alguns problemas para Bowie, além dos duelos que ele participa. Veio em seguida “Sangue por Sangue” (The Man from the Alamo), história de John Stroud (Glenn Ford) que abandona o Álamo durante os dias de batalha, passando então por covarde. Jim Bowie, interpretado por Stuart Randall, tem pequena participação neste filme dirigido por Budd Boetticher em que a mocinha é Julie Adams.

Alan Ladd e Virginia Mayo; à direita a faca Bowie.

Alan Ladd e a confecção da primeira faca Bowie em "Nenhuma Mulher Vale Tanto".

Sterling Hayden
John Wayne é passado para trás - Muitas histórias se contam sobre “A Última Barricada” (The Last Command), western produzido pela Republic Pictures e que deveria ter sido realizado por John Wayne. O Duke foi enganado por Herbert J. Yates, o dono da Republic, e quem acabou dirigindo esse épico sobre a batalha do Álamo foi Frank Lloyd. Sterling Hayden saiu-se muito bem como Jim Bowie, num elenco que tem ainda Arthur Hunnicutt (David Crockett), Ernest Borgnine, Richard Carlson e J. Carrol Naish como o Generalíssimo Antonio Lopez de Santa Ana. No ano seguinte o pequeno estúdio Allied Artists contratou Joel McCrea para ser Sam Houston e coordenar as tropas que defenderiam o Álamo em “O Homem do Destino” (The First Texan). A direção ficou a cargo de Byron Haskin e Jeff Morrow  é Jim Bowie, que ajuda Sam Houston neste filme. No elenco Felicia Farr, Wallace Ford e ainda James Griffith como Davy Crockett.

Sterling Hayden em luta contra Ernest Borgnine em "A Última Barricada";
à direita Jeff Morrow em "O Homem do Destino".

Scott Forbes
Série própria na TV - A iniciante televisão começou a produzir em 1953 uma série intitulada “You Are There” que levava o telespectador a momentos diferentes da História Universal. Um dos programas foi “The Defense of the Alamo” que focalizou o heroico episódio histórico, sendo dirigido por Sidney Lumet, com Bernard Kates como Jim Bowie e Fred Gwyne (o inesquecível ‘Herman Monster’), como David Crockett. Em 1955 a série ‘Abertura Disneylândia’ teve como destaque o episódio “Davy Crockett at the Alamo”, protagonizado por Fess Parker e com Kenneth Tobey como Jim Bowie, com direção de Norman Foster. Finalmente em 1956 Jim Bowie ganhou série própria na televisão e Scott Forbes interpretou Jim Bowie nos 76 episódios da série que ficou no ar por duas temporadas. Inicialmente as aventuras de Bowie se passavam na Louisiana, transferindo-se mais tarde para o Velho Oeste.

Morte de Jim Bowie (Kenneth Tobey) em "Davy Crockett at the Alamo". 

John Wayne e uma faca Bowie.
“O Álamo” da Batjac do Duke - A mais famosa versão cinematográfica da batalha do Álamo foi a produzida pela Batjac (produtora de John Wayne) e dirigida pelo próprio Duke em 1960. Wayne conseguiu realizar o sonho de sua vida com um filme que acabou se tornando um pesadelo comercial para ele que praticamente perdeu tudo que havia ganho em 30 anos de carreira. “O Álamo” foi implacavelmente atacado pela crítica em razão das posições políticas de John Wayne, mas esse épico é um belo western que traz Richard Widmark como Jim Bowie, num numeroso elenco com destaque para Richard Boone, Laurence Harvey e Chill Wills, além do próprio John Wayne como David Crockett. Reputado como fracasso de bilheteria, o que não é verdade pois “O Álamo” lotou salas de exibição no mundo inteiro, até hoje esse filme de John Wayne rende lucros para seus distribuidores.

Cenas de "O Álamo": John Wayne e Richard Widmark e os momentos finais de
Jim Bowie (Richard Widmark).

Brian Keith e James Arness
Jim Bowie na tela pequena - Uma das séries de televisão mais lembradas dos anos 60 é “O Túnel do Tempo” (the Time Tunnel), que visitou o Velho Oeste algumas vezes. Em um dos episódios da primeira temporada (1966) a máquina do tempo leva os doutores Tony Newman (James Darren) e Dough Phillips (Robert Colbert) ao Texas justamente quando ocorria a batalha do Álamo. O fortíssimo Jim Davis interpreta Jim Bowie. Por 20 anos o acontecimento histórico do Álamo foi esquecido pelo cinema e pela televisão, só retornando em 1986 com o filme feito para a TV intitulado “Texas” (The Legend of Texas). Dirigido por Peter Levin. Michael Beck interpreta Jim Bowie e o outro papel de destaque ficou para Sam Elliott (Sam Houston). Em 1987 a mesma televisão produziu “Álamo: Treze Dias de Glória” (The Alamo: Thirteen Days of Glory), dirigido por Burt Kennedy. James Arness lidera o elenco como Jim Bowie, secundado por Brian Keith (Davy Crockett) e Alec Baldwin (Coronel Travis). No entanto quem rouba o filme é Raul Júlia como o extravagante General Santa Ana. Em 1988 foi produzido e exibido na TV “Alamo – The Price of Freedom”, filme com apenas 37 minutos de duração com o ator Steve Sandor interpretando Jim Bowie.

James Darren em ação no episódio de "O Túnel do Tempo" intitulado "O Álamo",
em que Jim Davis (na outra foto entre dois homens) é Jim Bowie.
Pôster de "Texas", também intitulado "Houston, the Legend of Texas".

Cena de "O Álamo", com Patrick
Wilson,  Billy Bob Thornton
e Jason Patric.
Uma fracassada versão de “O Álamo” - Depois de “O Álamo” de John Wayne o cinema se desinteressou da história da gloriosa resistência mas a televisão volta e meia retornava ao assunto, como em “Texas”, produzido em 1994. David Keith foi Jim Bowie e John Schneider (o ‘Bo Duke’ da série “The Dukes of Hazzard”) interpretou Davy Crockett, enquanto Stacy Keach foi Sam Houston. Em 1998 o TV Movie “Fuga para o Texas” (Two for Texas) conta a história de dois prisioneiros (os atores Kris Kristofferson e Scott Bairstow) que escapam de uma prisão na Louisiana e fogem para o Texas. Conhecem e se tornam amigos de Jim Bowie e chegam ao Texas por ocasião da batalha do Álamo. Peter Coyote é o Jim Bowie deste filme que tem ainda no elenco Tom Skerritt como Sam Houston. Em 2004 Hollywood decidiu que era o momento de realizar uma superprodução sobre o histórico evento ocorrido em 1836 no Texas. A Touchstone gastou 95 milhões de dólares para refilmar “O Álamo”, contratando Billy Bob Thornton (Davy Crockett), Dennis Quaid (Sam Houston) e Jason Patric para interpretar Jim Bowie, encabeçando um grande elenco. O público não se interessou pela nova versão, que rendeu nas bilheterias somente 22 milhões de dólares, o que resultou num dos maiores fracassos do novo século, com prejuízo nunca recuperado. Ainda está para ser feito o filme definitivo sobre Jim Bowie e sua ‘Bowie Knife’, pois o personagem é merecedor de um filme à altura de sua lendária fama.

Jason Patric como Jim Bowie; Jason Patric com Billy Bob Thornton;
pôster de "Fuga para o Texas".



5 comentários:

  1. Que delícia de resenha, mano Darci ! Devorei cada frase avidamente ! Obrigado pela citação desse pequeno colecionador de facas que lhe escreve, e devo acrescentar que realmente as grandes Bowies são minhas preferidas ! Que personagem rico e pitoresco foi Mr. Bowie, não? Aprendi muito nessa publicação, vou assistir o mais rápido possível os que ainda não vi! Grande abraco Darci e parabéns ! Do mano Beto Nista.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo excelente texto!
    Márcio/MG

    ResponderExcluir
  3. Tenho uma faca Bowie antiga original e gostaria de uma avaliação.alguém sabe de colecionadores pra me indicar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, procure entrar em contato com Beto Nista pelo e-mail abaixo:
      betonis@terra.com.br

      Excluir