UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

27 de junho de 2012

SÉRIES WESTERNS DA TV - "O PALADINO DO OESTE" (HAVE GUN - WILL TRAVEL)


Uma série de TV de sucesso é cancelada quando a audiência começa a cair, o que geralmente acontece depois de duas ou três temporadas quando o programa deixa de ser novidade. Com a série “O Paladino do Oeste” (Have Gun – Will Travel) aconteceu diferente pois ela saiu do ar após seis temporadas quando ainda fazia enorme sucesso nos Estados Unidos e nos países em que era exibida. O leitor quer saber qual a razão do término de “O Paladino do Oeste”? A série terminou porque Richard Boone, que interpretava ‘Paladin’, se cansou e não mais queria ser o herói do famoso cartão postal onde se lia Have Gun – Will Travel / Wire Paladin, San Francisco (Ando armado e posso viajar / Telegrafe para São Francisco).

O refinado pistoleiro Paladin.
PISTOLEIRO COM SENSO DE JUSTIÇA - Os escritores Sam Rolfe e Herb Meadow escreviam para programas de rádio, passando na década de 50 a produzir histórias para a televisão. Criaram juntos um personagem diferente de todos até então mostrados nas séries westerns de TV, o Paladino. Tão duro e certeiro com seu Colt .45 quanto elegante e culto, o Paladino gostava de ópera e recitava poemas de Keats e Shelley, além de trechos de peças de Shakespeare. A cultura do Paladino era surpreendente para um homem do Oeste pois era um perfeito gourmet e conhecedor de vinhos, podendo discorrer até mesmo sobre objetos da dinastia Ming e se expressar em diversos idiomas. O seu nome verdadeiro ninguém conhecia e era conhecido apenas por Paladino, vivendo de alugar sua arma para quem pudesse pagar bem. Mas mesmo sendo um pistoleiro de aluguel o Paladino tinha um código moral claro e extremado senso de justiça, podendo ser considerado um Paladino da Honra e da Decência. Caso percebesse que estava trabalhando para um contratante desonesto, voltava-se contra este, mesmo que nada viesse a receber. Sabia-se do Paladino que ele cursara a Academia de West Point e lutara na Guerra Civil, mas jamais se descobriu se fora confederado ou yankee. Era um autêntico homem misterioso.

Paladino e Hey Boy;
Bonne e Bob Steele;
Boone com Victor McLaglen
e Andrew V. McLaglen.
RESIDENTE DO CARLTON HOTEL - A série “O Paladino do Oeste” estreou no dia 14 de setembro de 1957, exibida pela Columbia Broadcasting System – CBS. Na primeira temporada “O Paladino do Oeste” ficou entre os cinco programas de maior audiência na TV norte-americana na medição da Nielsen Ratings. Nas três temporadas seguintes a série criada pela dupla Rolfe e Meadow esteve sempre entre os três programas mais vistos, ao lado de “Caravana” e “Gunsmoke”. Nas duas últimas temporadas “O Paladino do Oeste” continuou sempre entre os dez primeiros colocados, sendo o último capítulo exibido em 3 agosto de 1963. Foram produzidos no total 226 episódios em preto e branco com 25 minutos de duração. O principal diretor da série foi Andrew V. McLaglen que dirigiu 125 episódios. O próprio Richard Boone dirigiu 28 episódios nas últimas temporadas da série. Além do protagonista que participou de todos os episódios, o ator Kam Tong participou de 109 episódios. Kan Tong interpretava ‘Hey Boy’, um serviçal do Hotel Carlton, onde o Paladino ocupava uma suíte. ‘Hey Boy’ era quem avisava o Paladino que alguém estava precisando de seus préstimos profissionais. O Hotel Carlton era o mais luxuoso de San Francisco, evidenciando que o estranho hóspede ganhava bastante bem e trajava-se com refinada elegância.

INIMITÁVEL PERSONAGEM - O bom gosto do Paladino era refletido não só nas comidas e vinhos que lhe eram servidos, mas também nos seus ternos bem cortados, camisas e complementos de seu vestuário. Em ação, no entanto, o Paladino vestia roupas azul-escuro que na projeção pareciam pretas, mas o que mais chamava a atenção naquele pistoleiro era seu cinturão, também preto, com sua inconfundível marca encravada na cartucheira. A marca do Paladino era uma peça de xadrez, mais exatamente o cavalo branco. Essa era a marca impressa em seu cartão de visitas, o que completava o refinamento desse atípico pistoleiro, único em tantas séries e mesmo filmes para o cinema. Certamente o Paladino foi, de alguma forma, imitado mas como imitar Richard Boone? Dono de voz grave e que impunha autoridade, Boone tinha ainda o olhar penetrante como o aço que desmontava qualquer oponente e o bigode que lhe conferia um toque diabólico. Este blog, em uma das primeiras postagens, publicou a biografia de Richard Boone sob o título de “Richard Boone, Vilão Cruel e Amedrontador”, o que ele de fato foi em praticamente quase toda sua carreira. Porém nas séries de TV em que participou ele esteve sempre do lado do bem, como na série “Medic” (1954-1956), em que era o Dr. Konrad Styner; ou no “The Richard Boone Show” (1963-1964), série na qual interpretava personagens diferentes em cada episódio; e na série “Hec Ramsey” (1972-1974) em que Boone era o Sheriff Hec Ramsey.


Muito antes dos doutores Kildare e Ben Casey, Richard Boone havia
levado a profissão para a TV com a série "Medic"; abaixo Paladin
contracena com Richard Boone.

A série de rádio; abaixo John Dehner
com o Paladino; o dublê Hal Needham.
PAPEL PARA RANDOLPH SCOTT - Mesmo parecendo insubstituível como Paladino, Richard Boone não foi a primeira opção de Rolfe e Meadow que queriam Randolph Scott como protagonista. Scott, porém, era ator e produtor de seus filmes, o que lhe rendia muito dinheiro, declinando do convite para atuar na TV. Sorte de Richard Boone que, por sinal, contracenou com Randy em “Resgate de Bandoleiros”, em 1957. Scott e Boone já haviam atuado juntos também em “Arizona Violento”. Uma curiosidade a respeito de “O Paladino do Oeste” é que, ao invés de passar do rádio para a TV, como era normal ocorrer, depois do enorme sucesso do personagem criado por Richard Boone, a série foi levada para o rádio. Quem interpretou o Paladino nos 106 episódios levado ao ar pelas ondas médias e curtas ouvidas nas rádios norte-americanas foi John Dehner, um dos atores de voz mais bonita de Hollywood. Boone e Dehner usavam bigodes quase iguais. Assim como John Wayne, com quem Boone atuou três vezes no cinema, Richard não gostava muito de cavalos, mesmo montando relativamente bem. Sempre que possível era substituído nas cenas a cavalo por seu dublê na série, Hal Needham, que também participou como ator de 46 episódios. Embora nunca tivesse dito seu nome verdadeiro, num episódio o Paladino encontra um ex-companheiro de Guerra Civil e é por ele chamado de ‘Bob’, indicativo que o Paladino poderia chamar-se ‘Robert’.

Caricatura de Richard 'Paladin' Boone pelo traço de Al Hirschfeld.
À direita o cantor-compositor Johnny Western.
MÚSICA MARCANTE - A série “O Paladino do Oeste” teve um marcante tema musical intitulado “Ballad of Paladin”, de autoria de Johnny Western em parceria com Sam Rolfe e Richard Boone. Se Rolfe e Boone colaboraram de verdade na composição, isso ninguém é capaz de afirmar, mas o fato é que ambos ganharam muito dinheiro como parceiros de Johnny Western, que foi o intérprete da música que fez enorme sucesso. Entre os diversos maestros que fizeram trilhas musicais para a série "Have Gun - Will Travel" está Bernard Hermann, um dos mais importantes compositores para o cinema. O jovem Jerry Goldsmith também colaborou compondo trilhas para muitos episódios. Diferentemente de outras séries famosas, entre elas “Gunsmoke” e “Bonanza”, “O Paladino do Oeste” buscava sempre locações diferentes, sendo bastante extensa a lista de locais em que os episódios eram filmados. Muitas séries westerns de TV são hoje, merecidamente consideradas clássicas. Entre elas destaca-se “O Paladino do Oeste” com a certeza absoluta que não teria sido assim se não fosse estrelada pelo excelente Paladino, digo, Richard Boone.




10 comentários:

  1. Sempre quis assistir essa série. E isso desde garoto quando li alguns gibis do Paladino comprados em sebos. Richard Boone tem um lugar cativo na memória de quem gosta de westerns e não via a hora de conhecê-lo no papel de herói.
    Duas semanas atrás consegui, via download, os 22 primeiros episódios da 1ª temporada de "O Paladino do Oeste" com imagens de muito boa qualidade, tiradas de dvds americanos e legendas em português feitas por usuário de um fórum de filmes de faroeste. Ainda não vi nenhum pois havia outros filmes na fila. Espero conferir alguns episódios nesse fim de semana.
    Retornarei aos comentários assim que o fizer.

    Edson Paiva

    ResponderExcluir
  2. Edson, assim como ocorreu com outras séries de TV, elas eram um tanto menosprezadas nos anos 60 como forma de entretenimento. Eram um tipo de diversão que não se levava a sério. O devido valor veio com o tempo e há alguns episódios de séries, mesmo com meia hora de duração que são exemplos perfeitos de como se fazer filmes. Tenho alguns poucos episódios, lamentavelmente dublados, como era exibidos aqui no Brasil. Com legendas ficam muito melhor. Seja lá como for é obrigatório para fãs de faroestes.
    Darci

    ResponderExcluir
  3. Grande Darci,

    Como vai? Tudo Certo?
    Me diga uma coisa,de onde vem tanto conhecimento?
    Você domina magistralmente tanto o mundo Western do cinema quanto da TV.
    Quando que eu um simples mortal iria conhecer tão detalhadamente esse episódio tão bem escrito aqui por você?
    Somos previlegiados em ter acesso a seus textos pois além de serem de altíssima qualidade, na maioria das vezes (pelo menos para mim) os assuntos aqui trazidos são completamente inéditos...É sempre um prazer visitar seu Ótimo Blog.

    Grande Abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá, Jefferson - Assim como você sou apaixonado por cinema e a Internet veio se juntar aos livros para servir de base a quem escreve sobre essa nossa paixão. Talvez a matéria tenha saído boa porque sou grande fã de Richard Boone. Obrigado e um abraço - Darci

    ResponderExcluir
  5. Assisti aos quatro primeiros episódios e creio que é o suficiente para formar uma idéia sobre "O Paladino do Oeste". Gostei bastante. Um deles, com o Charles Bronson, se encaixa perfeitamente no que você disse sobre como se fazer filmes, Darci. Boas idéias, bons personagens, bons diálogos, direção enxuta e eficiente.

    Richard Boone domina completamente a série com seu personagem bastante inusitado. Um verdadeiro "dandy" que ao vestir sua indumentária negra se transforma num perigoso pistoleiro do Velho Oeste. Como se fossem dois personagens distintos, como um herói de HQ e seu alter ego.
    Bacana como Richard Boone conseguiu sucesso com esse personagem numa época em que normalmente galãs e/ou rostinhos bonitos é que estrelavam as séries. O que só comprova o seu enorme talento.
    Ele alterna expressões simpáticas e irônicas, ficando claro que é um personagem "do bem", com sua mais conhecida cara de homem mau, de "vilão cruel e amedrontador", como você disse Darci.
    "Paladino do Oeste" é uma série que realmente resistiu muito bem ao tempo.

    E faço minhas as palavras do Jefferson. Obrigado por mais esse texto, Darci.

    Edson Paiva

    ResponderExcluir
  6. Não vi também este seriado, que parece-me um dos melhores que já foi feito, por mais de uma razão;
    - seu ator principal era Richard Boone
    - o perfil escolhido para o personagem é muito rico em todos os sentidos.
    - um seriado com um diretor do nivel de Andrew V McLaglen, que dirigiu mais de 50% do total de seus episódios, tem de ser bom, porque este é um diretor que tem todo o meu respeito e simpatia.
    - um seriado que sai do ar em pleno apogeu de audiencia, e ainda por desejo particular de seu personagem principal, é algo completamente inusitado para mim.

    Tenho plena convicção de que Paladino do Oeste pode ter sido até muito melhor do que acabo de tomar ciencia. O conjunto de perfeições criadas para a confecção do seriado não pode deixar duvidas dessa suposição.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  7. Jefferson;

    Vou te contar um segredo, que deixou agora de se-lo.
    Sempre tenho algumas divergencias com Darci em funções de opiniões, posicionamentos e, na verdade, coisas de menor ou quase nenhuma importancia.

    No entanto, meio aferrado como o sou, me queixei dele a um amigo nosso (amigo meu e dele), dizendo o seguinte; X? O Darci está novamente procurando briga comigo. O que faço?

    Parece que ouvi o amigo sorrindo do lado de lá e ele me respondeu então; "Jurandir? Não ligue muito para o que o Darci diz ou reclama. Temos de saber levar o homem, meu amigo. Afinal, ele é uma pessoa muito assoberbada, trabalha demais e não somos capaz de imaginar o trabalho que ele tem para por uma matéria destas no blog!"

    Parei e fiquei pensando: e não é que o amigo pode estar certo?

    Pois digo para ti, amigo Jeffereson: o trabalho do homem não é sopa não. Por ao nosso dispor coisas tão lindas, importantes, profundas e datalhadas, não é tarefa para qualquer um. E ainda mais ter a paciencia para me aturar.

    É isso aí, amigo. O Darci faz seu trabalho com um amor desnaturado, o que nos condiciona, principalmente, a ler estas coisas fantasticas que lemos e com o prazer que o fazemos. O Darci deve viver de cabeça entupida de pesquisas, leituras, traduções, isso e mais aquilo. E lá tô eu procurando briga com um cara que amo gratuitamente e que trabalha como um condenado.

    Então resolvi seguir o conselho do amigo e não vou mais brigar com ele nem reclamar de nada que ele fale. Ele é, de fato, uma pessoa com afazeres demais!

    E imagine, amigo, que um amigo falou outro dia pra mim; Jurandir? porque você não cria um blog?
    Veja, Jefferson, se nunca me aventuraria em tal empreitada. É dose para leão, amigo!
    Grande abraço. Mas a pergunta que fizeste eu me faço é todo o dia. Dificil vir a ser criado um blog com tamanha perfeição. Dificil. Muito dificil.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  8. Obrigado, Jurandir, pelas palavras elogiosas. Faço o blog porque gosto, me divirto e sei que algumas dezenas de pessoas se interessam pelas coisas dos faroestes dos bons tempos. quanto às divergências elas são altamente enriquecedoras ainda que por vezes os ânimos se exaltem nas cirradas discussões por este ou aquele filme, ator, atriz ou diretor. Darci

    ResponderExcluir
  9. Darci;

    Não tem importancia. São naturais e proveitoas as discussões e divergencias. Se não fossem elas, as discussões, as interferencias, as divergencias, de que viveriamos? Claro, porque do que gostamos mesmo é de trocar idéias, dizer nossas opiniões e conjecturar com os demais leitores e amigos sobre esta arte que tanto nos enche de prazer e alegria.
    Forte abraço para ti.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  10. Boa noite a todos os fãs de western , especialmente pra quem curte O Paladino do Oeste , saibam que o pessoal do opensubtitles.org está traduzindo as legendas da primeira temporada!

    ResponderExcluir