UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

12 de outubro de 2016

FIBRA DE HERÓI (BUCHANAN RIDES ALONE) – WESTERN ERRÁTICO DE SCOTT-BOETTICHER


Burt Kennedy e o livro de Jonas Ward.
São frequentes os comentários afirmando que os melhores westerns da celebrada parceria entre Budd Boetticher-Randolph Scott são aqueles quatro que tiveram histórias ou roteiros escritos por Burt Kennedy. E são comumente citados entre os mais fracos da série “Entardecer Sangrento” (Decision at Sundown), de 1957 e “Fibra de Herói” (Buchanan Rides Alone), de 1958. Coincidentemente ambos tiveram roteiros creditados a Charles Lang, sendo que quanto a “Fibra de Herói” o próprio Burt Kennedy fez certa vez um importante esclarecimento. Kennedy contou que Charles Lang adoeceu mal iniciado o roteiro deste filme e os produtores Randolph Scott-Harry Joe Brown pediram a ele Kennedy que concluísse o script. Se “Fibra de Herói” foge do clima sombrio dos demais faroestes da série Scott-Boetticher isso se deve, sem dúvida, ao inusitado tom pretensamente divertido que Burt Kennedy resolveu dar ao roteiro, ele que se tornaria um mestre dos westerns-comédia em seus próximos trabalhos como roteirista e diretor. “Fibra de Herói” foi baseado no livro “The Name’s Buchanan”, de autoria de Jonas Ward, que escreveria em seguida uma série de histórias com o mesmo personagem ‘Buchanan’.


Tom Buchanan chega a Agry Town.
A cidade dos irmãos Agry - Depois de lutar numa das revoluções mexicanas, onde ganhou dois mil dólares, o solitário Tom Buchanan (Randolph Scott) decide retornar ao Texas. Chega então a Agry Town, pequena cidade na fronteira entre México e Califórnia, lugarejo controlado pelos três irmãos Agry. Simon Agry (Tol Avery) é o juiz, Lew Agry (Barry Kelley) é o xerife e Amos Agry (Peter Whitney) dirige o hotel. Mal recebido em Agry Town, Buchanan testemunha quando o mexicano Juan De La Vega (Manuel Rojas) mata Roy Agry (William Leslie), filho do juiz Simon. Um júri condena Juan à forca mas Abe Carbo (Craig Stevens), amigo e conselheiro do juiz o orienta a salvar a vida do mexicano em troca de 50 mil dólares a serem pagos pela rica família De La Vega. Com a ajuda de Buchanan e de Pecos Hill (L.Q. Jones), um dos ajudantes do xerife que se torna amigo de Buchanan, Juan consegue escapar mas é recapturado em seguida. Os irmãos Simon e Lew disputam entre si a posse do dinheiro pago pelo resgate de Juan e nessa disputa acabam ambos mortos. Ao final Juan retorna ao México com os 50 mil dólares, Abe Carbo herda o poder em Agry Town e Buchanan ruma para seu amado Texas.

Manuel Rojas e Randolph Scott;
Randolph Scott e L.Q. Jones.
Herói desfibrado - Um dos mais queridos cowboys do cinema, Randolph Scott recebeu o apelido de ‘Rosto de Pedra’ pela impassividade de sua fisionomia, mesmo quando submetido a momentos de tensão. Scott, porém, sabia sim se mostrar descontraído, cínico e mesmo dramático se o personagem assim o exigisse. Difícil, porém, é interpretar um cowboy estúpido, quase idiotizado como o Tom Buchanan de “Fibra de Herói”, título em Português inteiramente inadequado uma vez que o herói do filme não chega a demonstrar muita energia e garra. Buchanan até que se mostra divertido ao chegar a Agry Town desmoralizando com seu humor pilhérico os irmãos que dominam a cidade que apelida de ‘Ten Dollars Town’. Tudo lá, seja um bife, uma garrafa de uísque, um ou mais dias no hotel, custa exatamente essa quantia. Conseguindo sair de uma enrascada quando já estava com a corda no pescoço, Buchanan quer reaver seus dois mil dólares que foram parar no cofre do xerife Lew Agry, mas se dá mal e assina nova sentença de morte ao ser convidado a sumir da cidade. Porém como texano com texano se entende, eis que Buchanan ganha a preciosa ajuda de seu conterrâneo Pecos Hill que o salva da morte certa sem que o desfibrado herói esboce qualquer reação. E Buchanan já havia sido salvo da forca por razões de marketing político arquitetado por Abe Carbo, o assessor do juiz Simon Agry. A esta altura ninguém mais acredita que o grande Randolph Scott, jocosamente reverenciado em “Banzé no Oeste” (Blazing Saddles), seja capaz de vencer os gananciosos irmãos Agry. E vale lembrar que na clássica comédia de Mel Brooks tudo na cidade dirigida por ‘Hedley Lemar’ pertencia a um certo Johnson, o Agry local.

Acima L.Q. Jones com Roy Jenson e
Al Wyatt Sr.; abaixo os mal amarrados
 Roy Jenson, Robert Anderson
e Al Wyatt Sr.
Western desorientado - Sem boas lutas e sem cavalgadas, “Fibra de Herói” provoca risos com o discurso de Pecos Hill ao ‘enterrar’ um bandido que matara, seu ex-companheiro, sobre uma árvore porque a cova aberta por Buchanan minava água. O personagem de L.Q. Jones diz então que o morto até que não era ruim, apesar de trapacear no jogo de cartas e lhe roubar dinheiro da carteira. Buchanan parece perder até nas falas engraçadas como essa, mas se recupera em alto e obtuso estilo ao dominar três bandidos dentro de uma cabana. O Randolph Scott, de tantas e gloriosas aventuras usa cordas para enlaçar levemente o trio e parte do local ali deixando as armas e cavalos dos malfeitores. Poucos segundos depois os bandidos que sem dificuldade alguma se soltaram das cordas estão a cavalo e armados no encalço daqueles que os dominaram. Nem Mel Brooks criaria um herói como Buchanan que, após a demonstração de total inépcia, deixa as coisas acontecerem segundo determinam os cobiçosos Agry, os valientes Juan De La Vega e Estebán Gomez e o misterioso e elegante Carbo. Morto o aparvalhado Pecos Hill, Buchanan passa a ser privilegiado espectador do desfecho deste decididamente western sem rumo.

Barry Kelley e Peter Whitney;
o barman é Nacho Galindo.
O estranho personagem da charrete - A sequência final com a disputa do alforje com 50 mil dólares sobre a ponte que separa Agry Town do México poderia resultar memorável em meio aos grandes momentos dos westerns de Scott-Boetticher. No entanto logo Buchanan se vê sem balas em seu Colt e do outro lado da ponte não há entre os bandidos nenhum Lee Marvin, Richard Boone, Claude Akins, Henry Silva ou Lee Van Cleef, homens maus que aterrorizaram os personagens vividos por Scott nos faroestes que fez com Budd Boetticher. Os bandidos de “Fibra de Herói” bem poderiam atender pelos nomes ‘Moe’, ‘Larry’ e ‘Curly’ e Peter Whitney, muito apropriadamente é chamado pelo irmão xerife de ‘frango sem cabeça correndo pelas ruas’. Sem vilões interessantes, com Randolph Scott aparentemente mais preocupado com suas partidas de golfe e com uma história que mais parece ter sido escrita por alguém que tomou algumas doses a mais, “Fibra de Herói” é o que se pode chamar de western errático. Deixa, ao final, no espectador a interrogação sobre o que pretendiam os autores com o personagem ‘Abe Carbo’, com seus trajes a la ‘Wilson’ criado por Jack Palance em "Shane", mas que não luta, não atira, está sempre ao lado de um pachorrento juiz e só anda numa reluzente charrete.

Craig Stevens na charrete; Stevens com Tol Avery.

L.Q. Jones
Filme sem heroína - O elenco deste western de Budd Boetticher possui apenas um destaque que é L.Q. Jones ainda novato e sem o brilho bestializado no olhar que o caracterizaria ao longo de sua carreira de muitos filmes, diversos deles sob as ordens de Sam Peckinpah. Neste western de Boetticher, Jones tem um de seus melhores papéis, possibilitando demonstrar o ótimo ator que ele era, nem sempre bem aproveitado e relegado invariavelmente a personagens irrelevantes. Randolph Scott não precisou se esquivar do beijo final, como tantas vezes o fez em seus filmes pois não há mocinhas neste western. Craig Stevens em seu trabalho seguinte se tornaria famoso como ‘Peter Gunn’, série imortalizada antes de tudo pelo incomparável tema musical criado por Henry Mancini. Atenção para a presença de Roy Jenson como um dos homens do xerife e de Al Wyatt Sr., desta vez como ator, ele que foi dublê de incontáveis cowboys do cinema.

Budd Boetticher
Ponto baixo - Inquestionavelmente Budd Boetticher merece ter seu nome entre os grandes diretores de westerns, mas quem quiser conhecer a obra desse aventureiro diretor não deve jamais começar por este fraco “Fibra de Herói”. Boetticher é reconhecido pela concisão e vigor de seus faroestes, todos eles produzidos com orçamentos pequenos mas que resultaram quase sempre em filmes brilhantes, quando não em pequenas obras-primas como “Sete Homens Sem Destino” (Seven Men From Now) e “O Homem que Luta Só” (Ride Lonesome). E são faroestes como estes que tornam “Fibra de Herói” quase indigno do nome de Budd Boetticher, ainda mais por ter contado com a colaboração de Burt Kennedy.



"Fibra de Herói" foi gentilmente cedido pelo cinéfilo e colecionador Marcelo Cardoso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário