UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

30 de maio de 2015

TRÊS HOMENS EM CONFLITO (IL BUONO, IL BRUTTO, IL CATTIVO), LEONE REDEFINE O GÊNERO WESTERN


Leone acima com Clint Eastwood e
Romano Puppo; abaixo entre Clint,
Eli Wallach e uma script-girl.
O prestígio de Sergio Leone cresceu proporcionalmente ao sucesso de seus dois primeiros faroestes e era inevitável que ele iniciasse seu terceiro projeto, justamente o filme que fecharia a serie que passou a ser conhecida como ‘Trilogia dos Dólares’. O produtor Alberto Grimaldi colocou mais dinheiro à disposição de Leone, desta vez um milhão e duzentos mil dólares, dos quais 250 mil foram para convencer Clint Eastwood a repetir o personagem que lhe deu fama mundial. Sergio Leone e Luciano Vincenzoni escreveram uma história à qual intitularam “Dois Magníficos Trapaceiros”. Leone queria imprimir ao seu novo filme um tom mais cômico em relação aos dois anteriores estrelados por Clint Eastwood. Para isso entregou o roteiro à dupla Agenore Incrocci e Furio Scarpelli (Age-Scarpelli), exímios piadistas e especialistas em textos engraçados. Sergio Leone jamais havia se esquecido da interpretação de Eli Wallach como o bandido ‘Calvera’ em “Sete Homens e um Destino” (The Magnificent Seven) e a partir dele criou o segundo personagem da nova história – ‘Tuco’. Havia ainda um terceiro e menos importante personagem chamado ‘Sentenza’ que foi oferecido a Charles Bronson. Este, mais uma vez recusou o convite do diretor italiano, desta vez devido a compromisso assumido com a produção de “Os Doze Condenados”. Foi então requisitado Lee Van Cleef que conquistara o público europeu com sua criação como ‘Coronel Douglas Mortimer’ em “Por uns Dólares a Mais” (Per Qualche Dollaro in Più”. A contratação de Van Cleef implicou em algumas alterações no roteiro e no título que passou a ser “Il Buono, Il Brutto, Il Cattivo”. Sabia-se que ideias extravagantes, delirantes mesmo, brotavam a cada momento da cabeça de Leone, mas esse título esdrúxulo, que sequer lembrava a palavra dólares, indicava que seu novo filme  (“Três Homens em Conflito” no Brasil) seria um western incomum.


The Good, The Ugly, The Bad, conforme
o título norte-americano.
Três homens e um tesouro - Com o país em plena Guerra Civil, um misterioso caçador de recompensas conhecido por Blondie (Clint Eastwood) une-se a Tuco (Eli Wallach), um incorrigível patife mexicano procurado por todo Sul do país. A tática da dupla para burlar a lei e receber recompensas consiste em Blondie capturar Tuco, entregá-lo à Justiça e livrar o bandido da forca no último instante, com um tiro certeiro na corda à qual está pendurado. Blondie é ‘O Bom’ e Tuco é ‘O Feio’. Acreditando que a parceria esteja rendendo pouco (dois a três mil dólares), Blondie trai Tuco afastando-se dele. Após alguns conturbados encontros a dupla se depara, em pleno deserto, com uma diligência em disparada. O veículo carrega os corpos inertes de três oficiais de uma Companhia do Exército Confederado, enquanto um quarto oficial chamado Bill Carson sussurra, antes de falecer, algumas palavras sobre uma fortuna enterrada em uma cova de um cemitério. A Tuco o moribundo diz que Sad Hill é o nome do cemitério; a Blondie o agonizante informa o nome inscrito na lápide da cova. De posse dessas meias informações, Tuco e Blondie rumam para Sad Hill porém desconhecem que há uma terceira pessoa de posse da informação sobre o tesouro. Ele é o pistoleiro de aluguel Sentenza (Lee Van Cleef), apelidado na história como ‘O Mau’. Sentenza vem, paralelamente, acompanhando as ações da dupla Tuco-Blondie. Dificuldades de toda ordem se sucedem até chegarem os três a Sad Hill onde travam uma estranha disputa da qual apenas um deverá sair vencedor. Seria o Bom, o Mau ou o Feio?

Sentenza como sargento de um campo de
prisioneiros; abaixo o capitão (Aldo Giuffrè)
 que creditava as vitórias militares à garrafa.
Pequenos e grandes crimes - A história simples de “Três Homens em Conflito” foi imaginada para possibilitar, de forma episódica, dramática e bem humorada, um virtuoso exercício cinematográfico de Sergio Leone. Sobressaem os protagonistas através do uso insistente dos close-ups em contraponto às belíssimas panorâmicas expondo um trio de homens que mal merecem ser assim chamados tal a vileza de seus atos. São eles desprovidos de caráter, capazes de trair, roubar e matar com a mesma frieza com que acendem um toco de charuto ou um cachimbo. Tuco, esmurra seu irmão, um monge que salva vidas alheias na missão onde vive; Sentenza extermina pai e filho diante de uma desesperada mãe; Blondie vive de ludibriar a justiça, matando quando necessário. Leone criou esses três tipos abjetos para demonstrar que seus crimes são quase que insignificantes diante do pano de fundo de “Três Homens em Conflito”: o horror da guerra. No caso a fratricida Guerra Civil norte-americana que banhou de sangue o país, mas o campo de concentração onde ocorrem espancamentos ao som de melancólica música tocada por prisioneiros remete a outras guerras. O ébrio Capitão do Exército da União diz que vencerá a guerra o lado cujo general estiver mais embriagado pois a bebida estimula o heroísmo.  O General Ulysses S. Grant levou o Norte à vitória jamais abandonando a garrafa que lhe dava a necessária coragem para vencer.

Lee Van Cleef
Código de homens impiedosos - O que guia os três personagens centrais é a cobiça, tendo ambos, em maior ou menor proporção a brutalidade, a traição e a dissimulação. Tuco é o personagem central do filme. Seu anedótico nome completo é Tuco Benedicto Pacífico Juan Maria Rodriguez. A ironia de Leone se manifesta desde logo com o ‘Pacífico’ impróprio para o bandido que tem uma invulgar folha corrida de crimes, ainda que nunca deixe de ser sorridente ou de invocar a Deus a cada morte que assiste ou executa. Um vilão como esse parece simpático pois há um lapso de humanidade na sua perversidade. Apesar de ser quem é, Tuco é apenas o ‘Feio’ da história na interminável luta do gato contra o rato que trava com o ‘Bom’ Blondie. Representativo da maldade maior é ‘Sentenza’, chamado na versão em Inglês de ‘Angel Eyes’, pistoleiro de aluguel que orienta espancamentos mortais e surra mulheres quando preciso. A presença do personagem Tuco atenua a ininterrupta série de mortes (ele mesmo autor de algumas delas) que ocorrem no filme até que este ganhe um aspecto épico com o episódio da batalha pela Ponte de Branston. E é justamente quando Tuco se torna menos engraçado, quando numa única batalha a morte, em grande escala, é permitida. Concluído o episódio resta desvendar o mistério da cova com o tesouro.

O pragmático Tuco.
A inspiração de Leone - Sergio Leone frisou à exaustão sua admiração pelo western norte-americano, citando sempre os cineastas que mais estimava, entre eles Budd Boetticher, John Sturges e John Ford. Por mais que estes respeitados diretores tenham influenciado Leone, não foi neles que o regista romano se inspirou para chegar a um filme como “Três Homens em Conflito”. Quem mais próximo chegou de algo tão picaresco como “Três Homens em Conflito” foi Robert Aldrich com “Vera Cruz”, filme em que se faz presente o aventureirismo burlesco em meio a uma revolução. Leone comprova que não há limites para sua criatividade pois é capaz de conceber uma forma renovada e vigorosa de um gênero cujos mestres aparentemente já haviam dito tudo e de maneira muitas vezes irretocável. O entusiasmo do cineasta italiano teve origem em sua paixão pelo faroeste, mas a inspiração, esta nasceu de sua ilimitada capacidade de fecundar ideias brilhantes e o destemor em concebê-las cinematicamente. A antológica sequência do confronto a três num cenário repleto de incontáveis sepulturas, arena própria do sublime desvario de Leone é exemplar em sua criatividade.

Uma das fantásticas tomadas do deserto com o
corpo de Blondie em primeiro plano; note-se
abaixo, no canto, uma das muitas moscas.
Poções mágicas de um bruxo romano - “Três Homens em Conflito” é um filme admirável quanto à direção de arte de Carlo Simi com a macabra atmosfera das cidades destruídas ou o tosco forte destituído de qualquer fantasioso acabamento. Soma-se a isso o singular trabalho de maquiagem, ainda que facilitado pelo calor e mormaço típicos de Almería. E quanto obedientes são as moscas presentes durante as filmagens de Leone! Estão em toda parte, até mesmo no rosto dos atores que sequer as percebem! Mas é a alucinada criatividade de Sergio Leone que faz de cada sequência uma experiência nova para o espectador, isto num gênero tão antigo quanto o próprio cinema e no qual parece não haver lugar para nada novo. E se o diretor surpreende com encenações inusitadas de confrontos, enforcamentos ou espancamentos, suas tomadas de ângulos de câmara preenchendo a tela larga são ao mesmo tempo ousadas, harmoniosas em composição perfeita. Tendo custado quase a metade do que foi gasto para se filmar “Sete Homens e um Destino” (The Magnificent Seven), produzido ao custo de dois milhões e duzentos mil dólares, pode se considerado até modesto o orçamento de  “Três Homens em Conflito” que contém cenas de batalha envolvendo 1.500 figurantes. Ainda que o custo de produção na Espanha fosse infinitamente menor, as impressionantes sequências filmadas por Leone em “Três Homens em Conflito” fazem do diretor um verdadeiro bruxo cujas poções produziriam outros efeitos nos filmes seguintes.


Eastwood lembrando Peter O'Toole.
Wallach, feio, mau e ótimo - Há em “Três Homens em Conflito” sequências de maior delicadeza, emolduradas pela música de Ennio Morricone, uma delas verdadeiramente tocante com a expressão do soldado que pesaroso para de tocar seu violino enquanto Tuco sofre nas mãos do Cabo Wallace (Mario Brega). Tuco procura com os dedos na boca ensanguentada perceber quantos dentes perdera e com isso Leone rouba um pouco da singeleza desse momento brilhante de seu filme. E o mesmo Tuco, e sempre ele, será o responsável pelos pontos altos do filme assim como pelos poucos excessos, entre eles a caricata sombrinha que usa para cavalgar ao sol enquanto Blondie desfalece sob a canícula. Mas é de Eli Wallach a grande interpretação do western de Leone, mesmo porque Eastwood e Van Cleef interpretam personagens introspectivos e gélidos em seus raciocínios e atos. Se as sequências da caminhada de Tuco e Blondie pelo deserto fazem lembrar o épico de David Lean, Clint Eastwood está bastante parecido com o imortal Lawrence of Araby, de Peter O’Toole. Os muitos coadjuvantes aparecem em sequências episódicas, destacando-se o sempre excelente Luigi Pistilli e Aldo Giuffré como o enlouquecido capitão da União. Atenção para a presença da cubana Chelo Alonso como a mulher que vê o marido ser assassinado por Sentenza.

Antonio Molino Rojo, Aldo Giuffrè, Chelo Alonso e Luigi Pistilli.

O langor da triste história - Muito se disse a respeito da importância da música de Ennio Morricone nos filmes de Sergio Leone, que deveria dividir a grandiosidade das imagens com o compositor. Morricone compôs para muitos outros diretores mas parece que reservava o melhor de sua criatividade quando compunha para Leone e se isso acontecia era porque os filmes do regista romano eram especiais. Para “Três Homens em Conflito” o maestro-compositor criou temas para cada um dos três personagens principais, mas foi aquele feito para ‘Il Buono’ que se tornou o mais representativo, icônico como se costuma dizer. O tema principal incrivelmente forte marcado pesada e tensamente é um dos mais perfeitos de toda obra do compositor. A suíte composta para “Três Homens em Conflito” é memorável merecendo ser ouvida independentemente do filme, com atenção especial para o tema “A Soldier Story”. Essa langorosa canção poderia ter dado a tônica ao filme, expressando a desesperança própria de um épico que tem a guerra como cenário. “The Ectasy of Gold” é outro grande momento musical com destaque para a maravilhosa voz de Edda Dell’Orso.

A tocante sequência da música encobrindo a violência.
Criatividade inesgotável - Lançado em 1966 com três horas de duração na Itália, “Três Homens em Conflito” sofreu uma série de cortes quando lançado no mercado internacional, tendo sua metragem reduzida para 162 minutos. Há edições lançadas em DVD com duração de meros 148 minutos, o que exige atenção do espectador. Os DVDs remasterizados e em Blu-Ray contém ou a versão integral ou as cenas excluídas como bônus. Àqueles que colocavam em dúvida a qualidade do trabalho de Sergio Leone começaram a se render pouco a pouco e a última parte da ‘Trilogia dos Dólares’ em curto espaço de tempo foi saudada como um dos grandes westerns do cinema. Filme importantíssimo no contexto histórico do gênero, “Três Homens em Conflito” surpreende, entusiasma e causa admiração, mas não chega a emocionar, justamente por predominar o aspecto cômico sobre o trágico. A lição foi aprendida por Leone e em seu western seguinte, assim como nos anteriores, restringiu os momentos de comicidade aos atores de participação sem maior importância. “Três Homens em Conflito” é uma bem-humorada explosão da inesgotável criatividade de Sergio Leone.


9 comentários:

  1. Darci gostei da resenha, filmaço, no cinema quando eu e a turma de amigos, década de 70 assistimos, era pura vibração dentro do cinema. Hoje, procuro achar defeitos que me fazem desagradar de algumas cenas, mas o conjunto da obra é perfeito, por isso é do meu Top Teen, de vez em quando tem rever. Ontem revi, pelas incontáveis vezes, Shane. O meu DVD é original, mas vi um escrito na capa, que seria dublado e, comprei para guardar, e comecei a assistir, era legendado e bem gravado, continuei a té o fim, e como sempre me emociono com todas as cenas e o final em que despedi do menino Joey. Esses clássicos são momentos de prazer garantidos e, não envelhecem, não é mesmo Darci, gente boa! Revi, também, nesta semana, Paixão dos Fortes, muito bom, mesmo, estou valorizando minha aposentadoria, Parabéns pela resenha...Paulo, mineiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paulo
      Você tem razão em dizer que filmes que amamos devemos rever sempre. É muito melhor que arriscar com novidades que podem até desagradar. Creio que para cada cinco filmes novos devemos rever sempre um clássico. Abração do Darci.

      Excluir
  2. Realmente é uma obra prima e o que me deixa mais impressionado é a maneira como LEONE faz uso do som como na cena onde Tuco entra pela janela e os outros três haviam sido mortos na porta.
    Ele dá ênfase ao barulho dos tiros e ao som de elementos da natureza.
    Também a sujeira e o caos que foi toda a Guerra Civil e os americanos não aceitavam que um italiano mostrasse a crueza que havia sido a luta entre Sul e Norte. Por isto demorou tanto para o filme ser reconhecido e aceito pela critica americana mas a obra de Leone abriu caminho para que o próprio cinema americano purgasse suas feridas e abrisse seu baú de maldades como em Meu Ódio Será Sua Herança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cris
      É muito provável que Sam Peckinpah tenha sofrido influência de Leone. Quando 'Meu òdio Será Sua Herança' foi filmado, a Trilogia dos Dólares já havia sido exibida nos States.
      Darci

      Excluir
  3. Muito provável não Sr Darci, incontestavelmente Sam Peckinpah foi influenciado por Sergio Leone. Quando fez meu ódio... já havia visto pelo menos um dos westerns da trilogia leoniana e ficou muito impressionado. Os fãs do cineasta americano não gostam de reconhecer isso, porquê? No seu western ele passou a usar closes e zooms em abundância, muito parecidos com os de leone, coisa nuca vista em seus western anteriores e muitos críticos -os mais independentes, é claro- já observaram isso. Alguém já andou comentando isso por aqui, se não me engano quando houve aquele debate acalorado em torno do Top Ten de Edelzio Sanches. Outra coisa, o Senhor escreve que: “Três Homens em Conflito” surpreende, entusiasma e causa admiração, mas não chega a emocionar, justamente por predominar o aspecto cômico sobre o trágico..." Um filme que surpreende, entusiasma e causa admiração, mas não chega a emocionar? Estranha afirmação para alguém com uma capacidade de análise gosto refinado como o Senhor. Tudo que entusiasma e causa admiração emociona. Se o Senhor quer dizer que não é uma obra-prima aí sim é outra coisa. Pode ser sua opinião e então devemos respeitá-la, mas é necessário que apareça clara. Il buono,il brutto... É sem sombra de dúvidas não só o western, mas também o filme com a mais rica trilha sonora do cinema em todos os tempos.Também Leone criou um tipo de som para o respectivo revólver de cada um dos dos três, isso para identificar suas personalidades. Ideia genial e nuca pensada antes. Um dos poucos filmes já produzidos em que o que a sinopse na contracapa realmente não faz propaganda enganosa, como aquela que afirma ser "Sem sombra de dúvida o mais ambicioso faroeste, impecável esteticamente e cujo estilo influenciou todos os filmes do gênero já filmados..." Não existe preponderância do aspecto trágico sobre o trágico, pois Leone adiciona-os com inigualável equilíbrio em cada sequência. Outro diretor com aquele roteiro se perderia com certeza. E se pesquisarmos listas no mundo todo é bem provável que ele supere até mesmo Era uma vez o Oeste, aparecendo mais vezes no topo.


    Mr Bean, Westernmaníaco

    ResponderExcluir
  4. Mr. Bean, creio que o seu curioso vulgo seja em homenagem ao cômico britânico, aquele capaz das mais surrealistas trapalhadas. Leone surpreende sim e causa admiração pela criatividade de suas imagens, sem que isso seja garantia de emoção. Talvez você se emocione profundamente, o que não quer dizer que todos devam sentir o mesmo. Enalteci as inegáveis qualidades de 'Três Homens em Conflito' que, no meu entender, é um filme frio no aspecto emoção. Decidindo-se entre o trágico e o cômico, sem nunca perder de vista as referências do western norte-americano, Leone conseguiu melhor resultado em 'Era uma Vez no Oeste', no qual inclusive a música de Morricone atinge um nível de pungência nunca antes alcançado. Listas à parte e com o devido respeito a opiniões divergentes como a sua, entendo que 'Três Homens em Conflito' é um marco cinematográfico que não chega a ser a obra-prima que leoninamente tantos pretendem que seja. Mas não se esqueça que mesmo filmes como 'Rastros de Ódio', 'Shane', 'Meu Ódio Será sua Herança', 'O Homem que Matou o Facínora e, 'No Tempo das Diligências' são unanimidades quanto a serem considerados obras-primas. Darci Fonseca.

    ResponderExcluir
  5. Podem existir trapalhadas surrealistas no cômico Mr Bean e posso ser até atrapalhado também,pois ao digitar pulei algumas letras, etc. Isso acontece. mas o Senhor, que escreve e digita muito bem, ainda não foi o suficiente claro no seu extenso texto sobre a obra-prima de leone. Sua definição e conceito de emoção me soam muito estranhas. Gosto de faroestes tanto americanos como europeus, principalmente italianos, mas sou sincero e objetivo o suficiente para dizer que Leone em sua obra ultrapassou todos os citados pelo senhor. E já que diz que o diretor conseguiu melhor resultado em Era uma vez no Oeste, perguntaria então eu ao Senhor: este western spaghetti merece entrar numa lista dos 10 mais de todos os tempos?

    Mr Bean, Westernmaníaco

    ResponderExcluir
  6. Caríssimo Mr. Bean, uma pena que você perca seu tempo com este blog editado de forma não suficientemente clara para seu entendimento. Entre tantos elogios recebidos pelo blog, ao longos destes anos, sua crítica demonstra que não se consegue agradar a todos, o que também não é minha pretensão. Não me recordo de outras manifestações suas neste espaço, mas me parece que elas sempre fazem referência às resenhas ou artigos abordando westerns spaghetti, o que causa estranheza para quem afirma gostar tanto de westerns norte-americanos quanto europeus. Quanto à sua pergunta, qualquer dia publicarei minha lista de western preferido e você ficará sabendo não apenas quanto ao western citado (por acaso outro western não norte-americano) mas também quanto aos demais. Darci Fonseca

    ResponderExcluir
  7. Tenho agora que reconhecer: o senhor foi muito claro. Agora gostei da resposta. Vou esperar a lista. Gostaria de dizer que gosto muito de Matar ou Morrer Estigma da Crueldade e Um Certo Capitão Lockhart. O primeiro no meu humilde entendimento teve influência na obra de Leone.


    Mr Bean, Westernmaníaco

    ResponderExcluir