UMA REVISTA ELETRÔNICA QUE FOCALIZA O GÊNERO WESTERN

19 de setembro de 2011

QUADRILHAS DOS FAROESTES (IV) - OS SOBRINHOS DE UNCLE SHILOH CLEGG


"Caravana de Bravos” é uma pequena obra-prima de John Ford que dizia ser este o filme preferido entre os que dirigiu. Durante o avanço em direção à terra prometida, em Utah, a caravana é atacada por uma quadrilha procurada pela justiça. Essa quadrilha é chefiada por Shilloh Clegg que comanda seus sobrinhos Floyd, Reese, Luke e Jesse com crueldade e com maior crueldade ainda trata os membros da caravana. Quem assistiu a esse western de John Ford nunca esquecerá do bando dos Cleggs, quase todos atores pouco conhecidos assim como pouco conhecido é o próprio filme. Pelo menos um desses bandidos ficou famoso como mocinho na televisão. Vale a pena lembrar dessa grande quadrilha dos westerns.




CHARLES KEMPER (Uncle Shilloh Clegg) – Nascido em 1900 em Oklahoma, chegou ao cinema depois de ter atuado muitos anos no teatro. Seu brutal personagem em “Caravana de Bravos” poderia ter proporcionado muitos outros papéis a Charles Kemper, porém ele faleceu aos 49 anos em um desastre de automóvel em Burbank, na Califórnia. “Amor à Terra” (The Southerner) foi o primeiro longa-metragem em que atuou, dirigido por Jean Renoir e com Zachary Scott. Apareceu depois em “Almas Perversas” (Scarlett Strett), de Fritz Lang. Seu primeiro western foi “King of the Wild Horses”, estrelado por Preston Foster. Em seguida atuou em “Terra de Paixões” (The Gunfighters), com Randolph Scott; “A Voz da Honra” (Fury at Furnace Creek), com Victor Mature; “A Filha da Foragida”, com George Montgomery; “Céu Amarelo” (Yellow Sky), com Gregory Peck. Charles Kemper faleceu em 12/5/1950, um mês depois do lançamento de “Caravana de Bravos”. Seu último filme foi “Cinzas que Queimam”, de Nicholas Ray, lançado em 1952.



JAMES ARNESS (Floyd Clegg) – James King Aurness nasceu em 26 de maio de 1926, em Minneapolis e fez jus ao nome pois se tornou um verdadeiro Rei na televisão norte-americana interpretando por longos 20 anos o Marshall Matt Dillon no seriado “Gusmoke”. Com 2,01 metros de altura Arness teve dificuldades em atuar no cinema pois transformava qualquer ator em mero baixinho. Participou de dois clássicos de ficção-científica que foram “O Monstro do Ártico”, no qual interpretou ‘A Coisa’ e depois “O Mundo em Perigo”. Antes de atuar com John Wayne em “Caminhos Ásperos” (Hondo), já havia trabalhado outras duas vezes com o Duke, de quem ficou amigo. Wayne foi quem o indicou para estrelar a série “Gunsmoke” para a qual ele Duke havia sido convidado. Bastante ativo não só como ator mas também como produtor, James Arness era irmão mais velho de Peter Graves. James Arness aposentou-se em 1994 interpretando pela última vez o Marshall Matt Dillon.



FRED LIBBY (Reese Clegg) – O menos conhecido dos membros do bando de Uncle Cleeg é Fred Libby, mas o que não faltou foram oportunidades para que sua carreira deslanchasse, mas infelizmente Fred Libby nunca conseguiu se sobressair como ator. Nascido em 15 de outubro de 1915, em Hopedale, Massachusets, Fred Libby estreou no cinema dirigido por John Ford na obra-prima “Paixão dos Fortes” (My Darling Clementine), em 1946, interpretando Phin Clanton. Esteve muitos outros filmes de John Ford como “O Céu Mandou Alguém”, “Legião Invencível”, “O Preço da Glória” e “Audazes e Malditos”. Atuou com John Wayne em “No Rastro do Bruxa Vermelha” e “O Lutador de Kentucky”. Com mais de 1,90 de altura, Fred Libby era sempre chamado para fazer figurações como guerreiro, guarda ou detetive, raramente conseguindo ter seu nome nos créditos. Sua última participação no cinema foi como um repórter em “O Homem de Álcatraz”, estrelado por Burt Lancaster, também sem receber crédito. Libby faleceu em 8/11/1987.



HANK WORDEN (Luke Clegg) – A especialidade de Hank Worden era interpretar sujeitos abobalhados, tipos que começou a viver no cinema em dezenas de westerns B, muitos deles estrelados por Tex Ritter. Sua mais perfeita caracterização aconteceu em “Rastros de Ódio”, interpretando o inesquecível Mose Harper. Seu primeiro encontro com John Ford foi em “Sangue de Heróis”, em 1948, passando a fazer parte da Ford Stock Company, grupo de atores e técnicos que sempre acompanhavam o premiado diretor. Entre os filmes mais conhecidos em que Hank Worden atuou estão “Rio Vermelho”, “Rio da Aventura”, “Dragões da Violência”, “Marcha de Heróis”, “O Álamo”, “A Face Oculta”, “Bravura Indômita”, “Chisum” e “Rio Lobo”. Em final de carreira Hank Worden atuou em dois filmes de Clint Eastwood. Nascido em 1901em Rolfe, Iowa, com o nome de Norton Earl Worden, na vida real Hank Worden era engenheiro de formação e muito inteligente, ao contrário dos personagens que interpretava. Faleceu aos 91 anos, em 6/12/1992 e seu último trabalho foi na série “Twin Peaks”, ara a TV, em 1991.



MICKEY SIMPSON (Jesse) – Charles Henry Simpson nasceu em Rochester, no Estado de Nova York, em 1913, filho de pais irlandeses e com o nome de Charles Henry Simpson. Aos 20 anos media 1,98 e muito forte lutou boxe antes de ser motorista de Claudette Colbert. Daí até atuar em filmes foi um pequeno passo. Com o nome de Mickey Simpson fez uma ponta em “No tempo das Diligências”, foi um dos filhos de Old Man Clanton em “Paixão dos Fortes”, atuou em “Sangue de Heróis” e “Legião Invencível”, todos dirigidos pelo Mestre John Ford. Nos anos 50 fez uma memorável luta com Rock Hudson na famosa cena da lanchonete em “Assim Caminha a Humanidade”. Participou dos westerns “Sem Lei e Sem Alma”, “Minha Vontade é Lei” e “Rio Conchos”. Mickey Simpson tinha uma certa semelhança com Johnny Weissmuller e atuou em “Tarzan e a Caçadora” estrelado por Weissmuller. O grandalhão Mickey Simpson faleceu aos 71 anos de idade em 1985.

Nenhum comentário:

Postar um comentário